Governo define Plano de Imunização, mas aguarda liberação da CoronaVac

Cerca de 9 milhões de pessoas devem ser vacinadas na primeira fase

O Governo do Estado de São Paulo divulgou na última quarta-feira (6) alguns detalhes do Plano Estadual de Imunização contra o novo coronavírus (Covid-19). O anúncio foi feito durante uma teleconferência entre o governador João Doria (PSDB) e prefeitos dos 645 municípios paulistas. Na primeira fase, devem ser vacinadas 9 milhões de pessoas, entre profissionais da saúde, idosos, indígenas e quilombolas.

A previsão é que a vacinação tenha início no dia 25 deste mês, mas a CoronaVac, vacina produzida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butantan, ainda precisa obter a liberação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). O pedido de uso emergencial foi feito na manhã dessa sexta-feira (8) e deve ser analisado pela agência em até 10 dias.

EFICÁCIA

Na quinta-feira (7), o Instituto Butantan divulgou dados do estudo realizado para medir a confiabilidade da CoronaVac, que apresentou 78% de eficácia para casos leves e 100% para casos graves ou moderados. Segundo o órgão, para cada 100 voluntários que receberam a vacina e contraíram o vírus, 22 apresentaram apenas sintomas leves (sem internação hospitalar) e não houve registro de casos graves e moderados.

No Brasil, a CoronaVac foi testada em 16 centros de pesquisas de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, além de Brasília. Participaram dos testes, que começaram em junho de 2020 e seguem em andamento, 12,4 mil voluntários brasileiros que atuam na linha de frente do combate ao novo coronavírus. Metade recebeu a vacina e metade apenas placebo.

A divulgação do estudo, porém, tem sido questionada por especialistas por não seguir o rito de outras vacinas em teste, como as da Pfizer e da AstraZeneca. Até o momento, ninguém teve acesso aos dados completos que revelariam a eficácia global da CoronaVac. Nessa sexta-feira (8), o Governo do Estado informou que apenas a Anvisa recebeu todo o material e que as informações só serão divulgadas após análise do órgão.

CRONOGRAMA

De acordo com o anúncio feito aos prefeitos na quarta-feira, a primeira fase da imunização acontece entre os dias 25 de janeiro e 28 de março em 5,2 mil postos de vacinação dos 645 municípios do estado. A imunização deve ocorrer durante os sete dias da semana, de segunda a sexta-feira, das 7h às 22h, e aos sábados, domingos e feriados, das 7h às 17h.

Entre as 9 milhões de pessoas que serão vacinadas estão 1,5 milhão de trabalhadores da saúde e 7,5 milhões de idosos. Os primeiros imunizados serão os profissionais da saúde, seguidos pelos idosos de 75 anos ou mais, de 70 a 74, de 65 a 69 e de 60 a 64 anos, respectivamente. Todos receberão duas doses da vacina, com intervalo de 21 dias entre a primeira e a segunda dose.

Segundo o Governo do Estado, já foram recebidas aproximadamente 10,8 milhões de doses da CoronaVac da China e a expectativa é que com a produção feita pelo Instituto Butantan a quantidade supere a casa das 35 milhões de doses até o final do próximo mês. Como na primeira fase da imunização serão utilizadas 18 milhões de doses, o restante seria suficiente para vacinar outras 8,5 milhões de pessoas.

NA EXPECTATIVA

Procurado pela reportagem de O ECO, o prefeito Anderson Prado de Lima (DEM), que na próxima segunda-feira (11), às 14h, realizará uma coletiva de imprensa para falar sobre as informações transmitidas pelo governador João Doria e também para tratar de outros assuntos relacionados à pandemia, revela que ainda aguarda uma definição sobre a questão, mas que espera que a vacina chegue logo à cidade.

“Lençóis Paulista, assim como os outros 644 municípios do estado de São Paulo, fará parte do Plano Estadual de Imunização, assim como também seguirá as determinações do Ministério de Saúde. Esperamos um entendimento entre as esferas de governo Estadual e Federal para começarmos a vacinar os lençoenses o mais rápido possível, haja vista que a vacina já teve seu registro emergencial solicitado”, diz.

Doria endurece regras de classificação no Plano SP

Em decorrência do aumento no número de casos (30%), óbitos (34%) e internações causadas pela Covid-19 (8%), o Governo do Estado mudou as regras da quarentena para evitar que as regiões avançassem para fases mais flexíveis do Plano São Paulo. O anúncio foi feito nessa sexta-feira (8) em coletiva de imprensa do Centro de Contingenciamento.

Com as novas regras, para que regiões possam ir para a Fase Verde, a mais flexível, será necessário ter 30 internações e três óbitos para cada 100 mil habitantes nos últimos 14 dias. Antes, o critério utilizado era de 40 internações e cinco óbitos. Também foi alterado o parâmetro para a taxa de ocupação de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) que caracteriza a Fase Laranja, segunda mais restritiva, que passou de 75% para 70%.

Na mesma coletiva foi feita a reclassificação que manteve 13 regiões na Fase Amarela (Araçatuba, Araraquara, Baixada Santista, Barretos, Bauru, Campinas, Franca, Grande São Paulo, Piracicaba, Ribeirão Preto, São João da Boa Vista, São José do Rio Preto e Taubaté. Marília, Registro e Sorocaba foram rebaixadas para a Fase Laranja, para a qual Presidente Prudente, única que estava na Fase Vermelha, avançou.

destaques