Em três meses, Lençóis supera casos de Covid-19 de todo o ano passado

Considerando dados divulgados até na quinta-feira (25), cidade já registrou 3.974 infecções pelo novo coronavírus contra 3.959 de 2020

A pandemia do novo coronavírus (Covid-19) está prestes a completar um ano em Lençóis Paulista, que confirmou oficialmente o primeiro caso na noite do dia 29 de março. Enfrentando o pior momento em todos os aspectos sanitários, como a grande maioria do país, a cidade superou nesta semana o número de casos registrados ao longo de todo o ano passado. Um dado bastante alarmante, que tem preocupando muito as autoridades locais, que buscam meios de garantir o atendimento à população.

De acordo com levantamento feito pela reportagem de O ECO, a marca foi superada nessa quinta-feira (25), quando já haviam sido registradas 3.974 infecções contra 3.959 confirmadas até o final de 2020. Diante do aumento substancial de casos na cidade, que também reflete o que, infelizmente, vem sendo observado de norte a sul do Brasil, a sensação entre os profissionais que atuam direta e indiretamente no combate à pandemia é de muita preocupação e angústia.

“Estamos vivendo o momento mais crítico, com os casos aumentando, a ocupação hospitalar acima do limite e falta de insumos no mercado. Trabalhamos noite e dia com todas as forças para resolver os problemas, criar estratégias que funcionem e garantir que não falte nada aos que necessitam, mas enfrentamos uma crescente absurda, que não sabemos até quando vai perdurar. É uma situação muito preocupante e angustiante”, relata Ricardo Conti Barbeiro, secretário de Saúde do município.

Segundo ele, com as possibilidades de ação do Poder Público no limite e a falta de perspectiva de melhora diante da circulação de novas cepas, como a P1, conhecida como variante de Manaus, que tem mais potencial de transmissibilidade, é preciso que haja colaboração da população. “Não há outra solução senão o isolamento para que pode, o distanciamento para todos, o uso de máscaras e álcool em gel. O descumprimento das regras básicas está nos fazendo perder essa guerra”, lamenta.

Apenas neste mês, e sem considerar os dados dessa sexta-feira (26), divulgados depois do fechamento desta matéria, Lençóis Paulista confirmou 20 novos óbitos em decorrência de complicações da Covid-19, sendo 13 desde o último sábado (20). O número representa 37% de todos os casos registrados ao longo de todo o ano passado, na chamada primeira onda da pandemia.

Números disparam em toda a região

Em toda a microrregião de cobertura de O ECO, que inclui Lençóis Paulista. Macatuba, Areiópolis e Borebi, foram registrados 5.410 casos entre março e dezembro de 2020: Lençóis (3.959), Macatuba (1.172), Areiópolis (200) e Borebi (79). Neste ano, apenas até na quinta-feira (25), as mesmas cidades já haviam confirmado 5.424 infecções: Lençóis (3.974), Macatuba (920), Areiópolis (467) e Borebi (63).

O número de mortes ainda é menor, mas já atinge níveis alarmantes. Enquanto 73 pessoas não resistiram às complicações da Covid-19 no ano passado em Lençóis (54), Macatuba (14), Areiópolis (3) e Borebi (2), 56 perderam a vida apenas até na quinta-feira, em Lençóis (38), Macatuba (16) e Areiópolis (2) – Borebi foi a única entre as quatro cidades que ainda não registrou mortes em 2021.

Também chama atenção os dados referentes aos casos ativos de infecção, ou seja, de pacientes que estão em fase de transmissão do vírus e podem disseminar a doença. No final de dezembro, as quatro cidades contabilizavam 227 casos: Lençóis (129), Macatuba (92), Areiópolis (4) e Borebi (2). Na quinta-feira, o total chegava a 1.021: Lençóis (741), Macatuba (167), Areiópolis (111) e Borebi (2).

Mais preocupante ainda são os altos índices de ocupação hospitalar, devido ao aumento dos casos graves. Lençóis Paulista tinha oito pessoas internadas em leitos de enfermaria e quatro em leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) no final de dezembro, o que representava ocupação de 25% dos 32 leitos de enfermaria e de 33% dos 12 leitos de UTI que a cidade tinha disponíveis na ocasião.

Na quinta-feira, além de nove pacientes internados em outras cidades, 55 pacientes estavam na enfermaria e 24 na UTI. Mesmo com a capacidade ampliada para 54 leitos, a enfermaria tinha um paciente a mais do que o suportado, com 101% de ocupação. Já a UTI Covid, com 18 leitos, tinha 24 ocupados, obrigando a transferência de seis pessoas para a UTI geral do Hospital Nossa Senhora da Piedade.

Governo prorroga Fase Emergencial até 11 de abril
MAIS DUAS SEMANAS – Governo de São Paulo anunciou nessa sexta-feira (26) a prorrogação da Fase Emergencial até o dia 11 de abril (Foto: Divulgação)

Em mais uma tentativa de frear o aumento de casos e mortes por Covid-19 e reduzir a sobrecarga em hospitais do estado, o Governo de São Paulo anunciou nessa sexta-feira (26) a prorrogação da Fase Emergencial do Plano São Paulo até o dia 11 de abril. As medidas mais rígidas de restrição de circulação e atividades estão em vigor em todas as 645 cidades paulista desde o último dia 15 de março.

A Fase Emergencial determina toque de recolher todos os dias da semana, entre 20h e 5h, além de impedir o acesso a parques e praias, proibir qualquer tipo de aglomeração e obrigar o uso de máscaras em qualquer ambiente interno ou externo de acesso público. As escolas públicas e privadas só estão abertas para distribuição de merenda a alunos carentes e entrega de materiais mediante agendamento prévio.

Na prática, em relação à Fase Vermelha do Plano São Paulo, que até então era a mais restritiva, a Fase Emergencial proíbe a retirada presencial de produtos em restaurantes, lanchonetes e trailers de comida; atendimento interno no comércio em geral, inclusive em lojas de materiais de construção, antes liberadas; celebrações religiosas coletivas; e atividades esportivas em grupo.

Para o fomento mínimo da economia, lojas e estabelecimentos da área gastronômica podem funcionar no sistema de drive-thru (dentro de veículos) e delivery (entrega em domicílio). As exceções às restrições se aplicam a farmácias e outros estabelecimentos da área de saúde, bem como a supermercados, padarias e mercearias, desde que não haja consumo no local.

Na coletiva dessa sexta-feira, foi informado que nos próximos dias haverá intensificação da fiscalização contra aglomerações, eventos clandestinos e descumprimento dos protocolos sanitários nos estabelecimentos que têm o funcionamento permitido. A ação será feita em conjunto com as Prefeituras Municipais, Centro de Vigilância Sanitária e forças policiais do estado.

Com apoio da Bracell, PAC-19 ganha mais oito leitos de UTI
ESFORÇO COLETIVO – Com mais oito leitos, nova ala aumenta para 26 o número de leitos de UTI COVID em Lençóis Paulista (Foto: Divulgação)

Diante da situação calamitosa, com o colapso da rede de atendimento em Lençóis Paulista, a Prefeitura Municipal, mais uma vez com apoio da Bracell, realizou obras em uma nova área no Hospital Nossa Senhora da Piedade para ampliação do PAC-19 (Pronto Atendimento ao Covid-19). Segundo a assessoria de imprensa, a intervenção foi feita no local que abrigava a recepção e sala de espera, que em apenas uma semana receberam a infraestrutura necessária para a implantação de mais oito leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), que elevam para 26 o total.

Segundo Pedro Stefanini, diretor-geral da Bracell, que na manhã deste sábado (27) concede uma coletiva de imprensa para tratar deste e outros assuntos, ao saber da demanda, a empresa prontamente se comprometeu a ajudar. “Nosso compromisso como empresa é estar atuante junto as comunidades onde estamos presentes e, neste momento, acreditamos que contribuir com esses novos leitos é uma forma de reiterarmos o nosso respeito ao lençoense. É preciso somar forças para combater o coronavírus. Entendemos que também temos que fazer nossa parte”, ressalta.

Esta não é a primeira ação da Bracell para ajudar no enfrentamento à pandemia. Segundo informações da assessoria de imprensa, desde março do ano passado, quando os primeiros casos foram registrados na região, a empresa vem realizando uma série de doações junto ao Poder Público local. Entre as ações estão a própria construção do PAC-19, inicialmente com 12 leitos; a doação de respiradores ao Hospital Nossa Senhora da Piedade, além de outros 81,6 mil itens de saúde que estão sendo utilizados pelos profissionais no atendimento a pacientes com Covid-19.

Para o prefeito Anderson Prado de Lima (DEM), a participação da iniciativa privada tem sido fundamental para o enfrentamento à pandemia. “Com a união de esforços da Prefeitura Municipal, Hospital Piedade e iniciativa privada, Lençóis Paulista se transformou em uma das maiores referências de estrutura hospitalar contra à Covid-19 do Centro-Oeste do estado de São Paulo. Neste momento sombrio, em que faltam leitos por todo o país, aumentamos a oferta de UTI e enfermaria para cuidar da nossa gente”, pontua o prefeito.

Na mesma linha segue João José Dutra, provedor do Hospital Piedade, que é responsável pela estrutura de atendimento na parte de recursos humanos, com subsídios da Prefeitura Municipal. “Essa não é a primeira vez que a Bracell vem apoiar o Hospital Piedade nas suas horas de maior necessidade. E agora com a terceira unidade de UTI Covid, a empresa se faz presente em um investimento de grande valor para nós e, principalmente, para a cidade de Lençóis Paulista. Nosso muito obrigado a diretoria e colaboradores Bracell”, finaliza.

destaques