Dois morrem por falta de medicamentos na UTI Covid de Lençóis

Cidade solicitou transferência de pacientes para hospitais da região; número de óbitos chegou a 100 neste domingo (28)

Lençóis Paulista enfrenta dias tenebrosos na guerra contra a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Apesar de novas ampliações em leitos de enfermaria e UTI (Unidade de Terapia Intensiva), promovidas nos últimos dias com auxílio da iniciativa privada, o PAC-19 (Pronto Atendimento à Covid-19) segue à beira do colapso, com a capacidade de atendimento no limite e, agora, com falta de medicamentos e insumos necessários para a intubação de pacientes.

Diante do caos, a semana, que já estava marcada pelo recorde no número de mortes ocasionadas por complicações relacionadas à Covid-19, se encerra com mais um triste episódio. De acordo com o Boletim Epidemiológico divulgado pela Prefeitura Municipal na tarde deste domingo (28), com mais dois óbitos, de uma mulher de 46 anos e de um homem de 41 anos, a cidade atingiu a marca de 100 vítimas fatais, 19 apenas desde a última segunda-feira (22).

Segundo informações do Dr. Norberto Pompermayer, presidente do Comitê de Enfrentamento à Covid-19 do município, compartilhadas em um áudio em grupos de WhatsApp, os pacientes faleceram por falta de bloqueador neuromuscular. “As pessoas estão morrendo no respirador e as que tem que intubar, não vamos intubar. Acabou. Não se pode fazer tratamento precoce, não se pode fazer tratamento preventivo, não se pode intubar e ainda corremos o risco de ficar se oxigênio”, lamentou.

Na sexta-feira (26), a Secretaria de Saúde já havia solicitado ao DRS (Departamento Regional de Saúde) de Bauru a reposição de medicamentos analgésicos e relaxantes musculares do chamado kit-intubação, visto que o estoque da cidade estava no limite. Neste domingo, no entanto, foram enviadas apenas 40 ampolas do medicamento midazolam, apenas um da lista, e em quantidade insuficiente, visto que a demanda diária é de 320 ampolas.

À noite, em uma live transmitida de seu perfil particular, o prefeito Anderson Prado de Lima (DEM) comentou sobre a situação crítica enfrentada pela cidade, revelou que já acionou o DRS para a transferência de pacientes do PAC-19 para hospitais de referência da região. Também afirmou que o Hospital das Clínicas da Unesp de Botucatu está enviando 700 ampolas de sedativos e relaxantes musculares.

O ECO traz mais informações sobre a situação calamitosa enfrentada por Lençóis Paulista nesta segunda-feira (29).

destaques