Coronavírus: veja as recomendações do Procon-SP

DIREITOS DO CONSUMIDOR – Saiba o que fazer em tempo de pandemia (Foto: Divulgação)

Desde o avanço da pandemia do novo coronavírus as suspensões, cancelamentos e prorrogações de viagens, eventos, aulas, cursos, serviços, entre outros, estão acontecendo de acordo com as orientações e diretrizes fornecidas pelas autoridades, como Organização Mundial da Saúde, Ministério da Saúde e Governo do Estado de São Paulo.

Para orientar o consumir sobre quais são seus direitos, a Fundação Procon-SP divulgou algumas informações. Confira!
Passagens aéreas
O Governo Federal adotou Medida Provisória nº 925, de 18 de março de 2020, que dispõe sobre medidas emergenciais para a aviação civil brasileira em razão da pandemia da Covid-19. Fica definido que o prazo para o reembolso do valor relativo à compra de passagens aéreas será de doze meses, observadas as regras do contrato e mantida a assistência material.
Os consumidores que aceitarem crédito para utilização no prazo de doze meses, contado da data do voo contratado, ficarão isentos das penalidades contratuais. A diretriz vale para as passagens compradas até 31 de dezembro de 2020.
O Procon-SP já vinha conduzindo as negociações com as aéreas na linha adotada pela medida provisória e seguirá, desse modo, respaldado por esse ato normativo específico. A medida provisória também servirá de base para as negociações com os demais setores, obedecidas as respectivas peculiaridades.
Escolas, cursos e faculdades
As escolas regulares e faculdades seguem regras do órgão competente (Ministério da Educação) e estão obrigadas a ministrar todo o conteúdo pedagógico definido pela legislação. Assim, o conteúdo e as aulas devem ser repostos ou ministrados por outro meio (online, por exemplo), sem que haja perda de qualidade.
Cursos de línguas e outros cursos livres também devem repor o conteúdo mantendo a qualidade.
Shows, festas e eventos
A orientação para situações em que há aglomeração de pessoas, como shows, eventos, festas, congressos, entre outros, é para que sejam cancelados. Desse modo, a empresa pode oferecer a prorrogação do evento para uma data em que a situação já esteja normalizada. Caso essa não seja uma opção viável para o consumidor, ele pode pedir o reembolso dos valores.
Academias e outros cursos
As empresas podem suspender contratos por um prazo determinado e compensar o período quando a situação for normalizada, sem que seja imposto nenhum custo (multa, por exemplo).
Caso o consumidor não possa usufruir do serviço posteriormente, pode pedir o cancelamento do contrato. Apesar de nos contratos haver previsão de cláusula de cancelamento, por se tratar de situação excepcional, cliente e empresa devem compor acordo para cancelamento sem multas.
Assistência técnica, garantia e serviços 
Em função do momento excepcional pelo qual estamos passando, o órgão estadual entende que alguns prazos ficam suspensos.
Acatando as orientações das autoridades, o consumidor não deve se deslocar para levar, por exemplo, o seu veículo para a concessionária autorizada para fazer a revisão prevista na garantia, ainda que esteja dentro do prazo estipulado originalmente. O serviço deve ser realizado assim que a situação for normalizada, sem que o consumidor tenha prejuízo.
É recomendável fazer o contato por escrito com o fornecedor, deixando registrado o motivo pelo não comparecimento.
Pacote Premiere
No caso de contratação de pacotes Premiere (para assistir a campeonatos esportivos que foram cancelados), caso o consumidor não queira aguardar pela retomada dos eventos, é direito dele pedir o cancelamento do serviço e a devolução dos valores pagos.
Negociação entre as partes
É importante que o consumidor registre por escrito tudo o que for acordado com o fornecedor, guardando os e-mails e as informações e orientações fornecidas pela empresa.
No caso de cancelamento com devolução de valores, se o pagamento pelo contrato ainda estiver sendo feito, de forma parcelada, a empresa deve devolver o que já tiver sido pago e cancelar as parcelas ainda em aberto. Se a empresa afirmar que irá cobrar multa pelo cancelamento alegando que já teve gastos, por exemplo, o consumidor poderá pedir o detalhamento e comprovação desses gastos.
Caso haja alguma imposição ou cobrança que o consumidor entenda como abusiva ou indevida, ele pode procurar os canais de atendimento do Procon-SP para receber orientação e, se for o caso, registrar uma queixa.
O órgão estadual ressalta que, neste momento de crise, não é produtivo ter posturas radicais, mas sim buscar equilíbrio e harmonia. Tudo precisará ser negociado e acordado até que a normalidade volte.
“Trata-se de situação extraordinária de pandemia mundial que exige serenidade, bom senso, boa-fé e agilidade para atender o direito do consumidor sem os riscos de excessiva judicialização. É fundamental a solidariedade e a harmonia nas negociações.”, afirma Fernando Capez, diretor-executivo do Procon-SP.
Preços abusivos
De acordo com o CDC, é caracterizado como prática abusiva elevar sem justa causa o preço de produtos ou serviços. Dessa forma, se o consumidor se deparar com algum valor de produtos ou serviços relacionados ao coronavírus que considere abusivo, poderá registrar reclamação junto ao Procon-SP.
A Diretoria de Fiscalização irá solicitar esclarecimento junto ao fornecedor que poderá responder a processo administrativo e até ser multado, caso a infração seja constatada.
Com informações de: Governo do Estado de São Paulo.

destaques

Caixa paga R$ 2,6 bilhões de auxílio a 4 milhões de beneficiários

A Caixa Econômica Federal realiza hoje o pagamento de R$ 2,6 bilhões do auxílio emergencial para 4 milhões de pessoas nascidas em...

INSS fará reagendamentos automáticos

A reabertura parcial das agências do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) tem congestionado a Central de Atendimento via telefone, um dos...

GAPSDownLP completa nove anos

A realidade das pessoas com Síndrome de Down pode ser muito difícil. Além de olharem o mundo de uma forma diferente e...

TST concede reajuste a funcionários e determina fim da greve dos Correios

Após 35 dias em greve, nesta terça-feira (22) funcionários dos Correios devem voltar ao trabalho. Ontem (26), no julgamento do dissídio da...

Caixa paga auxílio residual para beneficiários do Bolsa Família

A Caixa realiza hoje (22) o pagamento de R$ 428,7 milhões da primeira parcela do auxílio emergencial residual para 1,6 milhão de...

LEIA MAIS

GAPSDownLP completa nove anos

A realidade das pessoas com Síndrome de Down pode ser muito difícil. Além de olharem o mundo de uma forma diferente e...

São Paulo receberá 5 milhões de doses de CoronaVac

O estado de São Paulo deve receber, já em outubro, 5 milhões de doses da vacina CoronaVac, que está sendo desenvolvida pelo...

Depois de queda, procura por atendimento médico aumenta na UPA

A UPA (Unidade de Pronto Atendimento) de Lençóis Paulista tem registrado aumento no número de pacientes. Só nos 16 primeiros dias de...

Banco de sangue de Bauru pede doações urgente

O Banco de Sangue do Hospital Beneficência Portuguesa de Bauru (Hemovida) precisa de doações urgentes de sangue. Para doar...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui