Campanha Nacional de Multivacinação segue até o final do mês

Com foco em crianças e adolescentes menores de 15 anos, ação visa aumentar a cobertura

O Ministério da Saúde decidiu prorrogar até o final deste mês a Campanha Nacional de Multivacinação. O foco da ação é a atualização da caderneta de vacinação de crianças e adolescentes menores de 15 anos de idade (até 14 anos, 11 meses e 29 dias). A mobilização nacional, terminaria no dia 29 de outubro, mas agora segue até o dia 30 com o objetivo de ampliar a cobertura vacinal e contribuir para o combate de diversas doenças. Além da vacina Tríplice Viral, que protege contra sarampo, rubéola e caxumba, e da Tetraviral, que também imuniza contra varicela, serão aplicadas as vacinas BCG, Hepatite A e B, Penta (DTP/Hib/HepB), Pneumocócica 10 valente, VIP (Vacina Inativada Poliomielite), VRH (Vacina Rotavírus Humano), Meningocócica C (conjugada), VOP (Vacina Oral Poliomielite), Febre Amarela, DTP (Tríplice Bacteriana) e HPV Quadrivalente (Papilomavírus Humano).

Em Lençóis Paulista, o atendimento ao público acontece em todas as unidades de saúde, de segunda a sexta-feira, das 8h às 11h. Para se vacinar, é necessário apresentar a caderneta de vacinação (quem tiver), Cartão Cidadão e documento de identificação com foto. A campanha visa contribuir para o controle, eliminação e erradicação de diversas doenças, como o sarampo, que, recentemente, teve dois casos suspeitos na cidade, ambos descartados.

O PNI (Plano Nacional de Imunizações), criado em 1973, é apontado por autoridades internacionais de saúde como uma das políticas de saúde mais bem-sucedidas no mundo, sendo responsável, por exemplo, pela erradicação da poliomielite do país em 1989. Desde 2015, no entanto, a cobertura vacinal tem caído. Como resultado, houve a volta do sarampo em 2018, doença que havia sido erradicada do território nacional em 2016, e o aumento de outras enfermidades.

Todas as vacinas sofreram queda de cobertura nos últimos anos. Segundo o IPES (Instituto para Políticas Públicas de Saúde), a cobertura vacinal contra a poliomielite, por exemplo, era de 98,3% em 2015, passou para 84,2% em 2019 e chegou a 75,9% em 2020. A campanha tem como objetivo oportunizar o acesso às vacinas e, consequentemente, contribuir para o controle, eliminação e erradicação das doenças imunopreveníveis no público compreendido.


A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade.

Valorize o jornalismo profissional. Fuja das Fake News. Clique aqui e assine O ECO!

destaques