Após um mês, Governo de São Paulo anuncia fim da Fase Emergencial

A partir da segunda-feira, diversas atividades voltam a ser flexibilizadas

Depois de quase um mês, o Governo do Estado anunciou o encerramento da Fase Emergencial do Plano São Paulo, que regulamenta a retomada da economia durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). A medida, que restringiu ainda mais o funcionamento das atividades consideradas não essenciais em relação à Fase Vermelha, começou a vigorar no dia 15 de março em todo o estado – no dia 13 em Lençóis Paulista, que decidiu antecipar devido ao agravamento da situação.

O anúncio foi feito na coletiva de imprensa realizada no início da tarde dessa sexta-feira (9), sob o comando do vice-governador Rodrigo Garcia (DEM). A partir da segunda-feira (12), diversas atividades que estavam paralisados ou funcionando de forma parcial voltam a ser flexibilizadas dentro das regras da Fase Vermelha. Entre as mudanças, está a retomada das aulas presenciais nas redes pública e privada, a critério de cada município, e as competições esportivas profissionais.

A Prefeitura Municipal de Lençóis Paulista publicou no final da tarde o Decreto Executivo 262/2021, apresentando todos os detalhes das novas regras de acordo com cada setor, que pode ser acessado, na íntegra, pelo QR Code ao lado. No comércio, segmento mais afetado, o atendimento pode ser feito, a partir da segunda-feira (12), nos sistemas de delivery (entrega em domicílio), drive-thru (retirada por veículo) e take away (retirada na porta dos estabelecimentos).

Nas padarias, restaurantes e bares, o consumo interno segue proibido, sendo permitido o delivery 24 horas, drive-thru e take away até às 20h. Barbearias, clínicas estéticas e cabeleireiros seguem com o atendimento, mas com necessidade de agendamento prévio e sem sala de espera. Já os setores considerados essenciais pelos decretos dos governos Federal e Estadual mantém o funcionamento, mas com restrições e medidas sanitárias.

Atividades esportivas individuais ao ar livre estão liberadas, mas o uso de máscara e respeito às demais medidas sanitárias é obrigatório. Academias também retomaram o atendimento, por força de decreto do Governo Federal, que classifica o segmento nos serviços essenciais. Feiras livres e varejões também estão liberados para o funcionamento, mas sem consumo de alimentos no local. Eventos culturais, celebrações religiosas e outros tipos de atividades que possam gerar aglomeração seguem proibidos.

Apesar da flexibilização e da sensível melhora nos índices pandêmicos, que incluem as infecções, mortes e hospitalizações, o prefeito Anderson Prado de Lima (DEM) destaca que a situação ainda é delicada e reforça o pedido para que a população continue respeitando as recomendações das autoridades sanitárias, como da máscara, higienização com álcool em gel e distanciamento social, que visam diminuir a circulação do vírus e contribuir para que os números sigam em queda.

“Não há mudanças acentuadas entre a Fase Vermelha e a Fase Emergencial. Os protocolos de segurança sanitária e os horários de restrição entre 20h e 5h permanecem válidos por força de decreto do Governo de São Paulo. As liberações ocorrerão de forma gradativa e dentro dos limites e liberações existentes entre os decretos do Governo Federal e do Governo Estadual, dentro da legalidade e segundo entendimento técnico do Comitê de Combate à Covid-19 de Lençóis Paulista”, diz.

Em relação ao comentário do prefeito, vale ressaltar que, mesmo com o fim da Fase Emergencial do Plano São Paulo, segue valendo o Toque de Recolher implantado no final de fevereiro – inicialmente foi adotado um Toque de Restrição entre 23h e 5h, mas depois as regras foram endurecidas. A medida restringe a circulação de pessoas, em qualquer dia da semana, entre 20h e 5h. A Polícia Militar e outros órgãos têm atuado para coibir a violação das regras.

BALANÇO

De acordo com o Boletim Epidemiológico divulgado na tarde dessa sexta-feira (9), a cidade contabilizava 306 casos ativos e outros três casos suspeitos. Desde março do ano passado, já foram confirmados 8.790 casos, incluindo 112 óbitos em decorrência de complicações da doença. A boa notícia é que, pela primeira vez nas últimas semanas, não foram confirmados óbitos em um período de quatro dias. A última morte, de um homem de 74 anos, foi confirmada na segunda-feira (5).

A ocupação hospitalar, porém, segue alta. Com 20 pessoas internadas na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do PAC-19 (Pronto Atendimento à Covid-19) e uma na UTI geral do Hospital Nossa Senhora da Piedade, a ocupação referente aos casos graves estava 105%. Os leitos de enfermaria tinham 70% de ocupação, com 39 das 55 vagas ocupadas. Outros 17 pacientes estavam internados no CMU (Centro Médico Unimed) e hospitais de outros municípios da região.

destaques