“Para o que for pelo bem da cidade, temos que andar juntos”

Presidente da Câmara de Macatuba quer um mandato de diálogo entre Legislativo e Executivo

Em continuidade à série de entrevistas com os prefeitos e presidentes das Câmaras Municipais da microrregião, O ECO publica neste sábado a entrevista com vereador Julio Cesar Saes, o Julinho Saes (PTB), que no dia 1 deste mês foi reconduzido pelos colegas à presidência do Poder Legislativo, posto que já ocupou em outras duas oportunidades.

Formado em direito, Julinho Saes exerce a profissão de corretor de imóveis, é casado e tem uma filha. Está na política há oito anos. Se candidatou pela primeira vez em 2012, pelo PP, sendo eleito com 293 votos. Quatro anos mais tarde, em 2016, foi reeleito pelo mesmo partido, com 319 votos. Nas eleições de novembro, já filiado ao PTB, garantiu a reeleição com apoio de 317 eleitores.

Foi presidente da Câmara Municipal de Macatuba pela primeira vez no biênio inicial da legislatura 2013/2016, algo pouco comum para vereadores ‘estreantes’. Exerceu o cargo pela segunda vez no último biênio da legislatura 2017/2020 e, com a troca de mandato, foi reconduzido ao posto pelos colegas, que aprovaram seu nome por unanimidade. Confira os principais trechos da entrevista:

O ECO – Você foi reeleito para seu terceiro mandato em novembro e, atualmente, é um dos vereadores há mais tempo em exercício. O que te motivou a entrar para a política e a seguir nessa carreira?

Julio Saes – Meu pai, Anesio Carlos Saes, sempre esteve envolvido com a política e, por conta disso, eu o acompanhei desde pequeno. Ele já tinha sido vereador por dois mandatos e, em 2012, iria sair novamente candidato, mas acabou desistindo de última hora. Como eu estava filiado ao PP, resolvi me candidatar e acabei sendo eleito com 293 votos. Depois disso, fui dando sequência na trajetória política, me aperfeiçoando, sempre estudando Regimento Interno (da Câmara Municipal) e a Lei Orgânica do Município. Em 2016, consegui a reeleição como o vereador mais votado, com 319 votos. Nessa terceira, obtive 317 votos, apenas dois a menos que na eleição passada.

O ECO – Iniciando seu terceiro mandato, você também assumiu pela terceira vez a presidência do Poder Legislativo. O que pode falar desse trabalho? Como é estar à frente da Câmara Municipal novamente?

Julio Saes – O desafio é sempre muito grande. Não ficou mais fácil só porque assumi como presidente pela terceira vez. Mudou tudo, inclusive o prefeito e a maioria dos vereadores, temos seis novos neste mandato. O trabalho do presidente é diferente. Estou na Câmara todo dia despachando, vendo os problemas que chegam, falando com o prefeito, fazendo reunião com vários setores da Administração, inclusive por conta da pandemia, em decorrência do aumento dos casos de Covid-19 não apenas em Macatuba como em toda a região. Também faço parte do comitê que foi reformulado agora.

O ECO – Seguindo nessa questão, como você avalia que tem sido o enfrentamento ao novo coronavírus em Macatuba, desde a gestão passada, do ex-prefeito Marcos Olivatto (PL), até agora, no início do governo do Anderson Ferreira (PODE), seu ex-companheiro de Legislativo?

Julio Saes – A gestão passada fez um ótimo trabalho em relação à pandemia. Chegamos quase a zerar os casos em Macatuba, mas estamos enfrentando uma nova onda. Muitas pessoas se acomodaram, pararam de usar máscaras e álcool em gel e estão achando que está tudo certo. Muitas pessoas ainda nem tomaram a vacina e estão achando que a cura chegou. As pessoas foram se acomodando, por isso, estamos vendo os casos aumentando cada vez mais, principalmente em grupos familiares, com diversos membros infectados.

O ECO – A expectativa em relação às vacinas é muito grande, mas sabemos que vai levar algum tempo até que a população esteja imunizada em larga escala, a ponto de trazer uma segurança em relação ao contágio. Na sua opinião, como membro do comitê de enfrentamento em Macatuba, qual será o maior desafio em relação à pandemia em 2021?

Julio Saes – O maior desafio é voltar a conscientizar a população em relação aos protocolos de segurança, como uso de máscara, álcool em gel, distanciamento pessoal, principalmente em nossa rodoviária, com aglomeração de muitos jovens que estão achando que está tudo normal. Infelizmente, muitos deles acabam levando o vírus para suas casas.

O ECO – Em três mandatos no Poder Legislativo, você já passou pelas gestões dos prefeitos Tarcisio Abel (PTB), de 2013 a 2016, Marcos Olivatto (PL), que assumiu em 2017 e deixou o cargo no final de 2020, e agora com o prefeito Anderson Ferreira. O que pode falar de sua relação com os chefes do Poder Executivo? Estendendo um pouco a pergunta, sabemos que um dos grandes problemas da gestão do ex-prefeito Marcos Olivatto foi a falta de diálogo na Câmara Municipal, o que acabou criando, em determinados momentos, alguns conflitos que, para quem vê de fora, foram até mesmo desnecessários. Qual sua opinião?

Julio Saes – Com o prefeito Tarcisio, como éramos do mesmo partido (na época o PP), sempre tive uma relação muito boa. Também sempre me dei muito bem com o Marcos, só que existiram problemas entre alguns vereadores e secretários, a ponto de não conseguirmos mais reestabelecer o diálogo com o Executivo. Com o Anderson tem sido diferente. Por ele ter sido vereador e saber dos problemas que tivemos, ele tem dado atenção ao Poder Legislativo. Já fez algumas reuniões com os vereadores e está tentando quebrar os problemas da legislatura anterior. Disse que pretende estar todo mês aqui para conversar sobre os problemas da cidade. Está se aproximando bastante e tem uma visão diferente dos outros prefeitos.

O ECO – Aproveitando o gancho, em entrevista recente o prefeito Anderson Ferreira comentou sobre a devolução de R$ 440 mil feita pela Câmara Municipal do orçamento do ano passado e adiantou que os vereadores solicitaram que o dinheiro fosse usado na compra de um ônibus. É isso?

Julio Saes – Sim. Conversamos com o prefeito e ele aceitou a indicação dos vereadores para a compra de um ônibus para o transporte intermunicipal de estudantes. Muitas pessoas pararam de estudar devido ao aumento do custo do transporte. Esperamos que, com isso, seja possível baixar o valor das parcelas. A ideia, aliás, é comprar outros ônibus futuramente.

O ECO – Esse é um problema que se estende há muitos anos. A melhoria das condições do transporte de estudantes universitários é uma demanda requerida a um bom tempo. Você acredita que a compra do ônibus alivia a situação?

Julio Saes – Com certeza, porque o valor da mensalidade deve cair bastante no transporte intermunicipal.

O ECO – Em relação à economia, o que levou a Câmara Municipal a conseguir devolver esses R$ 440 mil?

Julio Saes – Foram vários fatores, começando pela economia de modo geral, pois reduzimos muitas despesas. Também tivemos um servidor que aposentou e extinguimos o cargo para não ter que contratar um substituto. Na verdade, a economia não é de agora, há cinco anos, recebemos o mesmo valor do duodécimo, não promovemos aumento nem da inflação. Esse é outro ponto que ajuda.

O ECO – Fazendo um balanço da legislatura passada, a Câmara Municipal conseguiu viabilizar diversas emendas a partir de pedidos feitos a deputados estaduais e federais. Qual o valor total?

Julio Saes – No último mandato foi a Câmara que mais trouxe recursos desde que estou aqui. Foram quase R$ 8 milhões em emendas. O mérito também é do Executivo, mas os vereadores lutaram muito para conseguir a liberação com seus deputados.

O ECO – Obviamente, a pandemia ainda não acabou, mas, já projetando o depois, sabemos que teremos um período de dificuldade econômica, principalmente para as administrações públicas, que devem enfrentar problemas de queda de repasse dos governos Federal e Estadual, e também de impostos. Como a participação dos vereadores pode contribuir?

Julio Saes – Com recursos. Alguns vereadores já estão fazendo contatos com os deputados mais próximos para pedir emendas, embora estejamos em recesso. Alguns deputados, inclusive, já estão mandando verbas.

O ECO – Em sua opinião, qual deve ser o maior desafio do Poder Legislativo nos próximos quatro anos?

Julio Saes – Penso que em relação ao nosso sistema de saneamento. A Câmara tem ajudado bastante, já fizemos até uma CEI (Comissão Especial de Inquérito) para apurar a situação. Termos que fazer muita mudança para melhorar o serviço entregue à população. É um desafio tanto do Executivo quanto do Legislativo.

O ECO – Esse assunto também foi abordado na entrevista com o prefeito Anderson Ferreira. O contrato com a empresa que administra o serviço tem validade até o final deste ano e o Executivo já sinalizou que pretende rever o modelo. Isso terá participação efetiva da Câmara?

Julio Saes – A Câmara Municipal tem sempre uma participação muito importante. Não será diferente. Percebemos que muita coisa pode melhorar e vamos, sim, discutir o assunto.

O ECO – Falando da questão pessoal, você completou oito anos como vereador em 2020 e, até o final da atual legislatura, terá 12 anos de trajetória política. Diante disso, você tem a pretensão, de repente, de tentar uma candidatura ao Executivo, senão como prefeito, como vice-prefeito?

Julio Saes – No momento, isso não passa pela minha cabeça. Não tenho essa pretensão agora, talvez no futuro. Quem sabe? O Anderson está começando. Pode fazer um ótimo mandato e ir para a reeleição. Sendo um bom prefeito, acho que tem que dar sequência. Penso que não é o momento de pensar nisso.

O ECO – Mesmo você sendo do partido de um dos concorrentes do prefeito Anderson Ferreira nas eleições de novembro (Tarcisio Abel), o que, teoricamente, te colocaria como um vereador de oposição, tem se mostrado muito aberto ao diálogo. O que espera da relação com seu ex-colega de Câmara Municipal nos próximos quatro anos?

Julio Saes – Eu penso que temos que colocar o município em primeiro lugar, esquecer partido, eleição, reeleição. Para o que for positivo, para o que for pelo bem da cidade, temos que andar juntos. Pode ter certeza que tudo que for para beneficiar Macatuba terá nosso apoio.

O ECO – Para encerrar, qual mensagem você deixa para a população macatubense?

Julio Saes – Em primeiro lugar, agradeço ao Jornal O ECO pela oportunidade e peço para a população levar mais a sério os protocolos, o uso de máscaras, álcool em gel, o distanciamento. A pandemia não acabou. Sei que todo mundo está cansado. Está difícil para todos, não só para os comerciantes. Reforço para que todos sigam os protocolos e pensem na população de Macatuba. Também agradeço a todas as pessoas que novamente confiaram em mim e que me ajudaram a estar aqui. Digo que estou aqui como vereador para todos, não apenas para quem votou em mim. Vou seguir trabalhando para toda a população macatubense.

destaques