Delegacia Eletrônica registra 5,5 mil casos

POSSIBILIDADE – Acionar a Polícia Civil pela internet tem encorajado vítimas, especialmente no período de isolamento social (Foto: Divulgação)

No último sábado (1), O ECO noticiou que os municípios da área de abrangência da 5ª Cia da Polícia Militar (Lençóis Paulista, Agudos, Borebi, Cabrália Paulista, Duartina, Lucianópolis, Paulistânia e Ubirajara) haviam registrado aumento de 13% nos casos de violência doméstica. Na ocasião, o comandante da corporação, Capitão Marcelo Paes, comentou que os números poderiam ser ainda maiores em decorrência da subnotificação. Um dos motivos seria o medo da exposição.
Nesta semana, um balanço feito pela Polícia Civil do Estado de São Paulo, revelou que, só de boletins eletrônicos foram registrados um total de 5,5 mil denúncias dessa natureza de um total de 29,1 mil registros. Ou seja, do total de comunicações feitas à Polícia Civil, quase 20% foram realizadas por meio da internet – mais de 60 registros por dia.
Os dados consideram apenas o período de quarentena (desde o final de março), quando foi anunciada a possibilidade de registro eletrônico de diversos crimes que antes só poderiam ser comunicados presencialmente. O registro de ocorrências de violência doméstica foi incluído na lista no dia 3 de abril como mais uma forma de proteger as mulheres.
A iniciativa da Polícia Civil de ampliar os crimes que podem ser registrados por meio da Delegacia Eletrônica tem encorajado vítimas de violência doméstica a denunciarem seus agressores, especialmente neste período de quarentena. Outro dado importante ao tratar de violência doméstica são as medidas protetivas de urgência feitas pela Polícia Civil, que se referem às solicitações à Justiça para que diversas medidas sejam determinadas contra os agressores, como sua proibição de se aproximar da vítima. 
Esta ação, prevista na Lei Maria da Penha, em vigor desde 2006, foi colocada em prática em mais da metade dos casos comunicados de abril a junho deste ano. Foram 14,7 mil medidas protetivas solicitadas, sendo que a maior parte, 5,7 mil, foi requerida no mês de junho.
DENUNCIE
Além do Boletim de Ocorrência realizado pela Polícia Militar do município, onde o chamado pode ser feito pelo telefone 190, denúncias podem ser feitas pelo ligue 180, especializado no atendimento à mulher em situação de violência; e pela internet, através da Delegacia Eletrônica disponível no site da Secretaria de Segurança Pública (SSP) do Governo do Estado de São Paulo (www.ssp.sp.gov.br). As vítimas desse tipo de violência também podem solicitar medidas protetivas sem sair de casa e garantir sua segurança em relação aos agressores. 

destaques