Bombeiros fazem alerta para riscos de incêndios até outubro

Sargento Bergamasco alerta para a importância da prevenção para minimizar o número de ocorrências

As queimadas, comuns nos meses mais secos do ano, apresentam riscos enormes para as pessoas e o meio ambiente. O sargento Tadeu Bergamasco Urréa, comandante do Corpo de Bombeiros local, que responde por Lençóis Paulista, Borebi e Macatuba, afirma que o número de ocorrências vem crescendo desde o início de agosto. Felizmente, com as chuvas que vem ocorrendo, mesmo que em pequenos volumes, a tendência é que as queimadas diminuam por um tempo.

“Às vezes o tempo contribui e nos ajuda, então, temos um período mais demorado até a próxima ocorrência. A tendência, agora, é inverter o quadro e diminuir o número de queimadas na região”, comenta o sargento. Ele acrescenta que, apesar da chuva melhorar a qualidade do ar e hidratar a vegetação por um tempo, o Corpo de Bombeiros não pode abaixar a guarda. De acordo com as estatísticas, a região ainda tem a possibilidade de vivenciar grandes incêndios até o mês de outubro.

Nesse ano, buscando minimizar os impactos das queimadas e capacitar os profissionais para respostas mais rápidas às ocorrências, um treinamento foi organizado para as Defesas Civis que atuam na região. “No mês de julho, tivemos um nivelamento de conhecimento, uma troca de informações, que acontece um pouco antes da época mais crítica. Essa comunicação melhorou nossa proximidade”, completa Bergamasco.

Ele acrescenta que grandes empresas da região se prepararam para situações de emergência e a Ascana (Associação dos Plantadores de Cana do Médio Tietê) também realizou um trabalho de treinamento e entrosamento entre seus parceiros. Com equipamentos adequados e funcionários capacitados para lidar rapidamente com eventuais queimadas nas áreas rurais, a atuação dos bombeiros pôde se concentrar nas áreas urbanas.

“Infelizmente, onde há incidência do ser humano é onde acontece o maior número de ocorrências. Há aqueles que ateiam fogo por maldade, com intenção de fazer limpeza do terreno ou economizar tempo da carpa. O fogo encontra combustível, que é a vegetação seca, e nessa época do ano há mais vento, ou seja, mais oxigênio, que aumenta a velocidade de propagação. Essa é a fórmula perfeita para incêndios de grande porte, por isso, é necessário evitar qualquer situação que possa sair do controle”, explica o sargento.

Bergamasco ressalta que a população deve manter seus terrenos limpos, com aceiros largos, e não deve atear fogo à vegetação em nenhuma hipótese. De acordo com ele, as pessoas devem conhecer aquilo que têm que proteger, seja sua residência, um pomar ou uma área preservada. Elas devem se precaver antes da época crítica e, no caso de empresas, ter equipamentos e funcionários para lidar com eventuais ocorrências. O sargento ainda reforça que, ao ligar para o Corpo de Bombeiros, a população deve explicar as informações exatas do incêndio. Também é importante entrar em contato quando o fogo ainda estiver no início.

“A maior missão dos bombeiros é proteger a vida, o meio ambiente e o patrimônio, nessa ordem. Toda a vez que houver vida envolvida, a ocorrência vai receber nossa prioridade. Em seguida, nos preocupamos com o meio ambiente, que pode demorar anos para se recuperar das queimadas. Por fim, direcionamos nossos esforços para o patrimônio. É necessário que a população tenha consciência dos enormes prejuízos causados pelos incêndios, que não têm cura. O ideal é evitar ao máximo que aconteçam”, finaliza.  


A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade.

Valorize o jornalismo profissional. Fuja das Fake News. Clique aqui e assine O ECO!

destaques