Meio ambiente quer passar administração à Cooprelp

CONDIÇÕES – Cooprelp diz que só assumirá administração se prefeitura garantir estrutura – Foto: Gabriel Cochi/OECO

Os Ecopontos têm acumulado desde sua implantação uma série de problemas e, por vezes, causado transtornos à população de Lençóis Paulista. O principal deles, conforme já relatado em outras reportagens publicadas pelo Jornal O ECO, é o descarte irregular de materiais, como lixo doméstico, resíduos industriais e entulho de construção acima do limite permitido, que é de 0,5 metro cúbico. Agora, a Diretoria de Agricultura e Meio Ambiente espera acabar com o problema passando a administração dos locais à Cooprelp (Cooperativa de Reciclagem de Lençóis Paulista).
De acordo com o diretor da pasta, Claudemir Rocha Mio, o Tupã, a ideia é que a cooperativa mantenha diariamente em cada Ecoponto pelo menos uma pessoa para fazer o controle de entrada e a triagem dos materiais descartados, tendo como contrapartida os direitos sobre todo tipo de recicláveis e sucata separados, o que contribuiria para a complementação da renda das cerca de 40 cooperadas associadas atualmente.
"É uma medida que pode refletir em dois sentidos, solucionando o problema que enfrentamos com o descarte irregular nos Ecopontos e contribuindo para melhorar a renda das cooperadas", ressalta Tupã, que estima que cerca de 10 toneladas de materiais recicláveis sejam descartadas por mês nos Ecopontos da Cecap (ao lado do Clube da Terceira Idade) e do Jardim das Nações (atrás do Senai).
ESTRUTURA
Para a presidente da Cooprelp, Marilza Rodrigues de Oliveira, a parceria pode, de fato, ser boa para ambas as partes, mas é preciso que antes a prefeitura providencie melhorias na estrutura dos Ecopontos para possibilitar a realização do trabalho. "O Ecoponto da Cecap já é cercado, mas isso precisa ser feito no do Jardim das Nações. A prefeitura se comprometeu a providenciar isso e disponibilizar containers e caçambas para que a gente possa trabalhar. Também temos que deixar tudo que for acertado, nossas responsabilidades e as do município, no papel para que não tenha nenhum problema depois", comenta.
CATADORES
Um impasse que caberá à prefeitura resolver é a questão dos catadores autônomos que atuam nos locais. Além de um morador de rua que estaria vivendo no Ecoponto da Cecap, também existe a resistência de uma catadora que trabalha no Ecoponto do Jardim das Nações. Segundo Tupã foi sugerida à incorporação dela ao quadro de cooperadas da Cooprelp, mas a presidente Marilza relata que estaria dificuldades para convencê-la.
 
Região do Caju pode receber terceira unidade
Até 2015 Lençóis Paulista contava com quatro Ecopontos, um na rua Colômbia, atrás do Senai; um no final da rua Umberto Peregrino, atrás da horta comunitária da Cecap; um no final da rua Luiz Boso, no Jardim Primavera, e um no Jardim Itamaraty, no final do Parque do Povo. Os dois últimos foram desativados porque estariam instalados em propriedades privadas, o da Cecap foi transferido para o terreno ao lado do Clube da Terceira Idade.
Diversas indicações têm sido apresentadas ao Executivo por vereadores da atual legislatura sugerindo a implantação em outros locais. Segundo Tupã, os pedidos foram analisados e, por hora, a possibilidade mais concreta é a da implantação de um terceiro Ecoponto na região do Jardim do Caju. "Nosso foco é inicialmente trabalhar na estruturação dos dois Ecopontos existentes. Depois poderemos implantar esse na região do Caju, que atenderia a toda essa parte alta da cidade, mas ainda não temos um prazo para que isso aconteça, pois tudo depende de vários fatores", explica o diretor.

destaques