Lençóis mantém retorno da rede municipal para a segunda-feira (1)

Decisão de aderir ou não às aulas presenciais é facultativa aos país, que têm a opção de deixar os filhos no ensino à distância

Lençóis Paulista foi a única cidade da microrregião de cobertura de O ECO que manteve a programação de retorno das aulas presenciais na rede municipal para a segunda-feira (1). Inicialmente, a previsão é limitar a ocupação das salas de aula a 33% da capacidade. Como havia sido antecipado, a decisão de aderir ou não ao retorno das aulas presenciais é facultativa. Para não prejudicar os alunos, o ensino remoto será mantido, bem como o envio dos materiais com as atividades aos alunos.

Segundo a Secretaria de Educação, os profissionais da rede municipal receberam orientações, manuais com protocolos de segurança, além de EPI (Equipamentos de Proteção Individual), que também devem ser entregues aos alunos. Como prevenção, as escolas ainda receberam aventais plásticos, viseiras (face shield), termômetros infravermelhos, álcool líquido e em gel, tapetes sanitizantes, máscaras infantis e dispensers para álcool em gel.

Questionado sobre a reabertura das escolas municipais aos alunos, o prefeito Anderson Prado de Lima (DEM), disse que apesar da manutenção da programação, a situação será avaliada constantemente e, caso haja alguma situação fora de controle, tudo será revisto pelo Comitê de Enfrentamento. “Se for preciso retornar ao ensino remoto, retornaremos, mas tudo está sendo feito para a garantir a segurança de alunos, professores e funcionários”, destacou.

Sobre as perspectivas para os próximos meses, o chefe do Poder Executivo foi enfático ao dizer que todos precisam aprender a conviver com o contexto atual, pois, mesmo com vacina, o mundo não estará totalmente livre do vírus “O que precisa ser dito, é que todos devem aprender a conviver com a pandemia, incluir os protocolos de segurança no cotidiano, porque ainda conviveremos com isso algum tempo, mesmo com o avanço da vacinação”, completa.

Nas demais cidades as escolas permanecem fechadas aos alunos. Em Borebi, ainda não há definição de data, porém, um decreto municipal impossibilita o retorno, pelo menos, até o dia 7. Em Macatuba, o retorno foi adiado para o dia 15. Já em Areiópolis, conforme revelado pelo prefeito Antonio Marcos dos Santos, o Toni (PL), as escolas não devem reabrir até o dia 5 de abril. Em todas as cidades, os alunos seguem atendidos nos mesmos moldes do ano passado, com atividades remotas.

destaques