Zilor aumenta faturamento em 41% no primeiro trimestre da safra

Impulsionada pela valorização do etanol e do açúcar, empresa registrou receita líquida de R$ 754,6 milhões, com lucro de R$ 197,4 milhões

Beneficiada pela valorização do etanol e do açúcar, a Zilor Energia e Alimentos divulgou um balanço expressivo para o primeiro trimestre da safra 2021/2022. A multinacional lençoense, que também possui unidades em Macatuba e Quatá, registrou, na comparação com o mesmo período da safra anterior, aumento de 41% na receita líquida consolidada: R$ 754,6 milhões. O lucro líquido foi de R$ 197,4 milhões, frente aos R$ 5,2 milhões do ano passado.

Os números foram impulsionados pela elevação de 96% no preço do etanol, principalmente em decorrência da valorização do petróleo em razão da expectativa de retomada na economia em países mais desenvolvidos e do avanço da vacinação contra a Covid-19. Outro fator foi o crescimento da demanda de açúcar, que resultou em novos contratos firmados, aliado ao aumento de 33% no preço do produto em relação ao mesmo período da safra 2020/2021.

No início da safra, a Zilor processou 3,9 milhões toneladas de cana, o que refletiu em perda de 8% de produtividade em relação ao mesmo período do ano passado. O principal fator foi a pior seca dos últimos anos, que, por outro lado, com investimentos direcionados ao ganho de produtividade, contribuiu para o aumento da concentração de sacarose da cana, com o ATR (Açúcar Total Recuperável) registrando aumento de 1,7%, atingindo ATR de 134,1 kg/ton.

O etanol apresentou receita de R$ 328 milhões, com aumento de 105% em relação ao primeiro trimestre da safra 2020/2021. A receita de açúcar registrou aumento de 45%, chegando a R$ 221,8 milhões. A Biorigin, divisão de ingredientes naturais para alimentação humana e nutrição animal, teve aumento de 14% na produção, mas queda de 11% na receita, somando R$ 175,4 milhões. Já a receita de energia elétrica, com aumento de 7%, atingiu R$ 27,8 milhões.

Segundo o diretor financeiro Marcos Arruda, o período apresenta um cenário importante para a construção de resultados da safra atual. “Essa trajetória demonstra os avanços da eficiência operacional, combinados com diversas ações de melhoria implementadas ao longo dos últimos três anos e manutenção da disciplina na gestão de custos e despesas, que resultou na redução expressiva da alavancagem e aumento na posição de caixa”, destaca.

O diretor-presidente Fabiano Zillo destaca que as medidas adotadas resultaram na receita expressiva combinada com preços interessantes de mercado. “As ações permitiram ainda a conquista do projeto de expansão na produção de energia elétrica na unidade Barra Grande, com investimento de R$ 250 milhões, que trarão benefícios de modernização para todo o parque industrial, permitindo ampliar ainda a diversificação de receitas”, afirma.


A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade.

Valorize o jornalismo profissional. Fuja das Fake News. Clique aqui e assine O ECO!

destaques