Uva passa, peru e outros itens podem variar até 100%

O ECO visitou quatro supermercados para conferir o preço de 17 itens

Os preços dos itens que compõem as tradicionais ceias de Natal e Ano Novo podem variar quase 100% em Lençóis Paulista. É o que revela uma pesquisa realizada nesta semana pela reportagem de O ECO. O levantamento, feito nos quatro principais supermercados da cidade, contempla 17 produtos que estão entre os mais procurados neste período de festas.

As frutas secas, itens tradicionalmente presentes nas mesas de fim de ano, servidas como petiscos ou como ingredientes dos pratos principais, registraram as variações mais elevadas da pesquisa. A maior diferença, de 98,59%, foi encontrada na uva passa, com valores oscilando entre R$ 4,98 e R$ 9,89 no pacote de 200 g da marca Duraci.

O pacote de 180 g de castanha do Pará, também da marca Duraci, pode ser adquirido entre R$ 13,66 e R$ 23,90, com variação de 74,96%. O pacote de 100 g de nozes, da mesma marca, foi encontrado de R$ 13,90 a R$ 19,70, variando 41,73%. Já o pacote de 200 g de ameixa seca sem caroço, também Duraci, teve variação de 36,59%, vendida entre R$ 7,98 e R$ 10,90.

Para quem está em busca do prato principal para as ceias, o peru, item clássico do jantar natalino, pode ser encontrado nos supermercados com variação de até 38,49% na marca Perdigão, com o preço do quilo oscilando entre R$ 17,98 e R$ 24,90. Já o quilo do lombo suíno das marcas Sadia e Seara, equivalentes em valor e qualidade, pode ser adquirido de R$ 29,90 a R$ 35,90, com variação de 20,07%.

O consumidor que quer economizar pode optar pelo frango, que harmoniza com diversos ingredientes. O quilograma do frango inteiro, das marcas Frimesa e Sadia, podem variar 27,32%, sendo encontrado de R$ 13,98 a R$ 17,80.

O preço do pêssego em calda, ingrediente utilizado no preparo de sobremesas, pode variar até 26,49% entre os supermercados. O produto foi encontrado de R$ 7,89 a R$ 9,98 no pote de 450 g das marcas Neumann e Schramm. Já o biscoito champanhe, ingrediente do pavê e outros doces, teve a menor variação entre os produtos analisados, de 10,15%.

Entre os espumantes, o preço do produto da mesma marca Cereser pode variar até 31,01%. A garrafa de 660 ml pode ser encontrada de R$ 12,90 a R$ 16,90. Nos vinhos tinto e branco a variação é ainda maior, com a mesma bebida de 750 ml sofrendo alteração de valor de até 62,02%.

A lentilha, conhecida popularmente por trazer sorte para o Ano Novo, foi encontrada de R$ 9,90 a R$ 12,59 no pacote de 500 g das marcas Duraci e Yoki, variando 27,17%.

A azeitona verde, que pode dar um sabor a mais na receita, teve oscilação de 13,99%. A variação é ainda maior se o consumidor optar pela azeitona preta, chegando a 40,08%. Para a comparação, foram analisados os preços do pacote de 150 g das marcas Don Pepe e Tchetto.

Já os famosos panetones e chocotones encontrados nos supermercados apenas nesta época do ano, tiveram variações de 28,90% e 46,56%, respectivamente. O panetone da Bauducco foi encontrado entre R$ 16,99 e R$ 21,90. Já os preços do chocotones da mesma marca oscilam entre R$ 16,99 e R$ 24,90.

Com pesquisa, consumidor pode economizar mais de R$ 81

A ceia das festas de fim de ano sai mais barata no Supermercado 2, com os preços somados, os itens custam R$ 225,74, enquanto que, no Supermercado 1, os mesmos produtos chegam a R$ 278,32. Uma variação de 23,29%. Como notado, a diferença de preço pode ser grande de um supermercado para outro. Por isso, os consumidores revelam que têm se amparado na boa e velha pesquisa antes de comprar.

“Nós sentimos o aumento nos preços dos produtos utilizados na ceia de Natal. Para nossa reunião familiar, cada um ficará responsável pela compra de um item. Nós pretendemos deixar de comprar alguns produtos e fazer uma ceia mais simples, espumante, pernil e chocotones estarão fora”, ressalta o consumidor Laion Ricardo Nogueira de Oliveira.

Outros consumidores também perceberam o aumento nos valores dos itens, não só de Natal e Ano Novo, mas dos alimentos em geral. E, para economizar, a substituição de alguns produtos será necessária. Ainda assim, manter a tradição para alguns é importante nesta época do ano.

“Em comparação com os valores do ano passado, percebemos aumento nos preços. Pretendemos substituir o que for possível, mas mantendo algumas tradições mesmo com o valor superior que esperávamos”, explica Isadora Galli.

destaques