Pesquisa aponta aumento de até 7,12%

Maior reajuste do mês foi do quilo da cebola, que subiu entre 25,82% e 150,75% nos supermercados

O aumento de preço dos itens básicos de consumo segue importunando as finanças das famílias lençoenses, mantendo uma tendência que se estende há meses. De acordo com o acompanhamento mensal feito nos quatro principais supermercados da cidade pela reportagem de O ECO, entre dezembro e janeiro houve reajuste de até 7,12% no custo total da lista de 50 itens utilizada como referência.

Dos quatro estabelecimentos visitados na última quarta-feira (13), três registraram elevação geral de preços. A maior, de 7,12%, foi observada no Supermercado 2, onde o valor dos produtos passou de R$ 980,69 para R$ 1.050,50. A variação fez com que o estabelecimento, que em dezembro comercializava os itens com o custo mais baixo entre os concorrentes, se tornasse o mais caro do mês.

Mesmo com reajuste de 2,59%, que aumentou o valor da lista de R$ 993,52 para R$ 1.019,27, o Supermercado 1 teve o menor preço. No Supermercado 4, com alta de 2,30%, o custo passou de R$ 1.009,75 para R$ 1032,99. Já no Supermercado 3, único com variação negativa em janeiro, mesmo com a lista 0,98% mais barata, foi contabilizado o segundo maior preço, de R$ 1.042,56, contra R$ 1.052,87 de dezembro.

Também houve aumento na lista dos produtos mais baratos encontrados em cada estabelecimento. Em dezembro, o consumidor que se dispusesse a pesquisar poderia economizar até R$ 145,80 nas compras, pagando R$ 907,07. Neste mês, com reajuste de 3,85%, a soma dos produtos de menor valor totalizou R$ 941,98, o que garantia economia de R$ 108,52 em relação à lista mais cara.

Setor de hortifrutigranjeiros teve reajuste mais alto

Na separação por setores, o reajuste mais alto foi encontrado na parte de hortifrutigranjeiros, que teve aumento de 7,38% a 29,80%, dependendo do estabelecimento. No Supermercado 3, onde houve a maior alta, a lista dos 10 produtos que compõem a pesquisa O ECO, que custava R$ 119,72 no mês passado, passou a ser vendida a R$ 155,40. O menor preço foi observado no Supermercado 4, onde os mesmos produtos passaram de R$ 127,05 para R$ 136,43.

O maior aumento percentual do mês foi do quilo da cebola, que subiu em todos os supermercados. Com elevação de preço entre 25,82% e 150,75%, ela passou a ser vendida entre R$ 3,99 e R$ 4,99. No mês passado o quilo custava entre R$ 1,97 e R$ 3,95. Também houve alta significativa no preço do quilo do tomate, que subiu de 15,31% a 33,39% e passou a custar de R$ 6,95 a R$ 7,99. A dúzia de ovos teve elevação de 6,07% a 16,69%, sendo vendida de R$ 6,89 a R$ 6,99.

A única exceção do mês no setor foi a cenoura, que havia sido a grande vilã do mês anterior, mas teve o preço reduzido em três locais. A maior queda, de 33,44%, se deu no Supermercado 2, onde o quilo baixou de R$ 2,99 para R$ 1,99. Em dezembro, com aumento de até 102,03% em relação à pesquisa do mês anterior, o quilo do legume foi encontrado entre R$ 2,99 e R$ 3,98, valor que, aliás, se manteve no Supermercado 4, único a não aplicar redução neste mês.

Produtos de açougue oscilam entre altas e baixas no mês

Entre os produtos de açougue, o destaque negativo deste início de ano ficou por conta da calabresa, que subiu em todos os supermercados. Com variação entre 0,31% e 25,13%, o quilo do produto foi encontrado entre R$ 24,90 e R$ 25,98. O segundo maior percentual de aumento foi do frango inteiro, que subiu 18,83%, passando de R$ 7,49 para R$ 8,90 no Supermercado 1. Nos demais estabelecimentos, porém, o preço se manteve estável em relação a dezembro.

O setor também teve alguns produtos sendo vendidos mais baratos que no mês anterior. Foi o caso do quilo do pernil suíno, que diminuiu nos supermercados 1 (-5,29%), 3 (-23,49%) e 4 (-14,67%) e se manteve estável no supermercado 2, sendo vendido entre R$ 15,99 e R$ 21,90. Já o quilo do acém em pedaço baixou nos supermercados 3 (-12,54%) e 4 (-3,18%) e não sofreu alteração nos supermercados 1 e 2, custando entre R$ 25,90 e R$ 27,98.

Considerando a soma dos 10 itens do setor, os supermercados 3 e 4 registraram queda de preço na comparação com dezembro. No Supermercado 3, o custo total da lista passou de R$ 460,81 para R$ 415,70 (-9,79%). Já no Supermercado 4, os produtos passaram de R$ 419,16 para R$ 417,72 (-0,34%). Os demais estabelecimentos tiveram aumento. No Supermercado 1, a lista subiu de R$ 400,68 para R$ 413,26 (3,14%). No Supermercado 2, o valor subiu de R$ 434,15 para R$ 452,90 (4,32%).

Entenda como funciona a pesquisa

A pesquisa de preços feita pela reportagem de O ECO considera 50 itens básicos encontrados com bastante frequência nos carrinhos de compra dos consumidores locais. A relação, elaborada com a proposta de representar da forma mais fidedigna possível os hábitos de consumo da população, inclui 20 produtos de mercearia, 10 de açougue, 10 do setor de hortifrutigranjeiros e 10 de higiene e limpeza.

Para o comparativo são analisadas marcas encontradas em todos os estabelecimentos ou, em caso de indisponibilidade, equiparáveis em qualidade e preço. Todas estão descritas na tabela, que apresenta preços unitários e totais de cada item, considerando como referência o consumo médio mensal de uma família de classe média composta por quatro pessoas adultas.

destaques