Omi do Brasil demite 250 empregados

EMPREGO – Empresa demitiu quase um terço dos empregados de unidade de Lençóis

A Omi do Brasil Textil S/A demitiu 250 empregados do final de dezembro até os últimos dias. A informação é corrente na cidade, mas a empresa, procurada pela reportagem de O ECO, não se pronunciou a respeito, aliás, um procedimento habitual daquela organização em momentos como este. Conforme informações prestadas pelos próprios demitidos a vários segmentos, a empresa decidiu desativar sua linha de produção de fios de algodão destinados ao mercado nacional, dispensando os trabalhadores nela empregados. Pouco mais de uma dezena deles homologou a rescisão contratual na representação do Ministério do Trabalho e Emprego, e outros o fizeram no Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Texteis, segundo revelaram fontes daqueles órgãos. 
A decisão de fechar a linha de produção estaria ligada a dois motivos principais. O aumento da conta de eletricidade, que subiu de R$ 500 mil para R$ 1,8 milhão por mês, e a alta do preço do algodão no mercado internacional, que torna mais vantajosa a venda da fibra para o exterior, em vez de colocá-la no mercado brasileiro em crise. Segundo informações, também extraoficiais, o presidente da empresa deverá vir a Lençóis Paulista nos próximos dias. 
MISTÉRIO
A existência da demissão em larga escala e a falta de informações acabam por deixar a comunidade apreensiva. Ninguém é capaz de prever como será o futuro da empresa na cidade e até mesmo se tem planos para manter nos moldes atuais a outra linha, destinada aos fios para o mercado externo, se vai ampliá-la ou tem planos para, em algum tempo, reativar as instalações ora desativadas. Antes de começar o processo de demissões em curso, a Omi possuía 680 empregados em sua planta local. Apesar de o sindicato estar homologando demissões, o funcionário que lá se encontrava ontem e havia prometido à nossa reportagem o número do telefone celular da presidente Maria Goreth Santana, nos disse que ela teria mandado nos dizer que “o sindicato não vai se pronunciar sobre as demissões sem a autorização da empresa”. Com o celular conseguido por outras fontes, tentamos com ela falar, mas só fomos atendidos pela caixa postal.
Nem mesmo o diretor municipal de Desenvolvimento e Geração de Emprego, Altair Aparecido Toniolo, o Rocinha, que tem por tarefa o fomento ao trabalho no município, foi comunicado sobre as demissões na indústria de fiação. “Eu também fiquei sabendo das demissões através do comentário de terceiros, não por informação da empresa” – disse ele, ontem, a O ECO. Rocinha disse que a ocorrência de demissões nesse nível é preocupante, mas deve ser tributada à crise nacional, já que o mercado é recessivo em todo o país e não só em Lençóis Paulista. “Aqui nós temos desenvolvido todas as ações para treinar as pessoas para o mercado de trabalho e facilitar a instalação, funcionamento e ampliação das empresas, e vamos continuar nessa linha de trabalho” – acentuou.

destaques

Reino Unido aprova vacina Pfizer/BioNTech contra Covid-19

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, classificou a aprovação pelo órgão regulador britânico como uma vitória global e um raio de esperança em...

Polícia Militar registra dois furtos ocorridos entre a segunda e terça-feira (1)

A Polícia Militar de Lençóis Paulista registrou em menos de 24 horas, duas ocorrências de furto, praticados em uma residência e uma...

Farmácia é roubada no Centro de Lençóis

Uma farmácia localizada na Rua Geraldo Pereira de Barros, no Centro de Lençóis Paulista, foi alvo da ação de um bandido na...

Plantão da Polícia Civil será transferido para Bauru

A partir da próxima terça-feira (1), o plantão da Polícia Civil de 18 cidades da região, entre elas, Lençóis Paulista, será transferido...

Comerciantes fazem balanço positivo da Black Friday

A Black Friday, ou Sexta-feira Negra, segue aquecendo o comércio de Lençóis Paulista. A campanha, que inaugura a temporada de compras natalinas...