Lista com 50 itens básicos de consumo ultrapassa valor do salário mínimo

Pesquisa de dezembro aponta variação de até 6,78%, com custo total atingindo R$ 1.052,87

O consumidor de Lençóis Paulista está pagando cada vez mais caro para abastecer a despensa. Com mais um mês de alta, o custo total da lista com os 50 produtos mais consumidos pelas famílias locais atingiu pela primeira vez barreira dos quatro dígitos, chegando a superar o valor do salário mínimo (R$ 1.045,00) em um dos quatro principais supermercados da cidade.

De acordo com a pesquisa de preços realizada pela reportagem de O ECO na quarta-feira (2), de novembro para dezembro, houve aumento de 2,81% a 6,78%, com o custo total da lista de compras variando de R$ 980,69 a R$ 1.052,87. Entre os meses de outubro e novembro, o levantamento havia apontado alta um pouco menor, de 0,33% a 2,14%, com o valor dos produtos oscilando entre R$ 953,92 e R$ 986,06.

O menor aumento do mês, de 2,81%, foi registrado no Supermercado 2, onde o custo da lista foi de R$ 953,92 para R$ 980,69. O maior reajuste, de 6,78%, ocorreu no Supermercado 3, onde o valor total subiu de R$ 986,06 para R$ 1.052,87. Com alta de 3,07%, a lista do Supermercado 1 foi de R$ 963,97 para R$ 993,52. No Supermercado 4, com elevação de 3,94%, o preço saltou de R$ 971,47 para R$ 1.009,75.

A PESQUISA

A pesquisa de preços feita pela reportagem de O ECO considera 50 itens básicos encontrados com bastante frequência nos carrinhos de compra dos consumidores locais. A relação, elaborada com a proposta de representar da forma mais fidedigna possível os hábitos de consumo da população, inclui 20 produtos de Mercearia, 10 de Açougue, 10 do setor de Hortifrutigranjeiros e 10 de Higiene e Limpeza.

Para o comparativo são analisadas marcas encontradas em todos os estabelecimentos ou, em caso de indisponibilidade, equiparáveis em qualidade e preço, considerando como referência o consumo médio mensal de uma família de classe média composta por quatro pessoas adultas.

Apenas setor de higiene e limpeza não teve aumento geral

Na separação por setores, apenas a lista de produtos de higiene e limpeza não teve aumento em todos os estabelecimentos, sofrendo redução de 5,76% no Supermercado 2 (de R$ 116,92 para R$ 110,19), de 3,35% no Supermercado 3 (de R$ 122,46 para R$ 118,36) e de 0,27% no Supermercado 4 (de R$ 115,49 para R$ 115,18). No Supermercado 1, porém, houve reajuste de 1,66% (de R$ 119,16 para R$ 121,14).

A lista com os produtos de açougue teve a maior média de elevação de preço entre os meses de novembro e dezembro, de 6,33%, com reajustes de 2,02% no Supermercado 1 (de R$ 392,76 para R$ 400,68), de 6,31% no Supermercado 2 (de R$ 408,38 para R$ 434,15), de 13,12% no Supermercado 3 (de R$ 407,36 para R$ 460,81) e de 3,87% no Supermercado 4 (de R$ 403,54 para R$ 419,16).

Os produtos de mercearia e hortifrutigranjeiros tiveram médias similares de reajuste, de 3,79% e de 3,62%, respectivamente. No setor de mercearia o aumento foi de 5,19% no Supermercado 1 (de R$ 328,61 para R$ 345,67), de 0,63% no Supermercado 2 (de R$ 308,16 para R$ 310,10), de 4,50% no Supermercado 3 (de R$ 338,74 para R$ 353,98) e de 4,85% no Supermercado 4 (de R$ 332,25 para R$ 348,36.

Já no setor de hortifrutigranjeiros o acompanhamento mensal de preços feito pela reportagem de O ECO, revelou alta de 2,10% no Supermercado 1 (de R$ 123,44 para R$ 126,03), de 4,81% no Supermercado 2 (de R$ 120,46 para R$ 126,25), de 1,89% no Supermercado 3 (de R$ 117,50 para R$ 119,72) e de 5,70% no Supermercado 4 (de R$ 120,19 para R$ 127,05).

Cenoura pode ser achada pelo dobro do preço de novembro

Na parte de mercearia, a maior variação do mês foi encontrada no sachê de 340g de molho de tomate, da marca Fugini, que aumentou 60,61% no Supermercado 1 (de R$ 0,99 para R$ 1,59). Outro item com elevação significativa na pesquisa foi o achocolatado em pó de 500 g, da marca Nescau, que subiu 42,74% no Supermercado 2 (de R$ 4,89 para R$ 6,98).

No setor de açougue, a maioria dos produtos teve aumento em relação a novembro – no Supermercado 3 todos os itens ficaram mais caros. O maior reajuste foi o do quilo de acém em pedaço, que subiu 28,11% no Supermercado 3 (de R$ 24,90 para R$ 31,90). A segunda posição ficou com o quilo do filé de merluza, também no Supermercado 3, que aumentou 27,81% (de R$ 21,90 para R$ 27,99).

No setor de hortifrutigranjeiros a vilã foi a cenoura, que teve o quilo aumentando em todos os estabelecimentos, entre 33,22% no Supermercado 4 (de R$ 2,98 para R$ 3,97) e 102,03% no Supermercado 1 (de R$ 1,97 para R$ 3,98). Também subiram bastante o quilo da cebola, 51,78% no Supermercado 2 (de R$ 1,97 para R$ 2,99), e da banana nanica, 64,65% no Supermercado 1 (de R$ 2,97 para R$ 4,89).

No setor de higiene e limpeza, o maior reajuste foi encontrado no pacote de 1 kg de sabão em barra, da marca Ypê, que subiu 50,07% no Supermercado 1 (de R$ 6,99 para R$ 10,49). Outro produto de primeira necessidade com alta no levantamento do mês foi o sabonete de 90g, da marca Lux, que sofreu elevação de 25,21% no Supermercado 1 (de R$ 1,19 para R$ 1,49).

Apenas o tomate baixou em todos os supermercados

Da lista de 50 itens, apenas um produto ficou mais barato em todos os estabelecimentos, o tomate, que teve o preço do quilo baixando 5,81% no Supermercado 1 (de R$ 6,89 para R$ 6,49), 14,31% no Supermercado 2 (de R$ 6,99 para R$ 5,99), 14,31% no Supermercado 3 (de R$ 6,99 para R$ 5,99) e 13,06% no Supermercado 4 (de R$ 6,89 para R$ 5,99).

No setor de mercearia, a maior queda foi do pacote de 1kg de sal, da marca Cisne, que baixou 24,94% no Supermercado 4 (de R$ 3,97 para R$ 2,98). No açougue, a maior redução foi do quilo da calabresa Sadia, que diminuiu 20,08% no Supermercado 4 (de R$ 24,90 para R$ 19,90). Na parte de higiene e limpeza, o tubo de 90g de creme dental Colgate, baixou 22,01% no Supermercado 2 (de R$ 3,59 para R$ 2,80).

destaques