Lençóis fecha primeiro quadrimestre com 890 empregos criados

Abril foi o primeiro mês do ano com alta em todos os setores

O mercado de trabalho lençoense voltou a registrar bom desempenho em 2022, depois de sofrer com sucessivas baixas no segundo semestre do ano passado. Após adiar duas vezes a atualização referente ao mês de abril, o Ministério do Trabalho e Previdência divulgou os dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) na última segunda-feira (6), revelando que a cidade encerrou o primeiro quadrimestre com 890 empregos criados.

De acordo com as informações do Caged, entre os meses de janeiro e abril foram registradas 5.233 contratações e 4.343 demissões no mercado formal lençoense (com Carteira de Trabalho assinada). Com as 890 novas ocupações preenchidas no período, o número de empregados sofreu variação positiva de 3,74% em relação a dezembro de 2021, passando de 23.825 para 24.715 trabalhadores com vínculo formalizado nas empresas do município.

Entre as cinco áreas globais da economia de Lençóis Paulista, a que mais emprega continua sendo a indústria, com 10.301 vagas ocupadas. Na sequência, aparecem o setor de serviços (6.034), o comércio (4.312), a construção (2.191) e a agropecuária (1.877). A ordem permanece a mesma em relação a dezembro de 2021, quando os mesmos setores contabilizavam estoques com 9.274, 5.778, 4.266, 2.248 e 1.809 postos de trabalho formalizados, segundo o Caged.

ACUMULADO POR SETOR

O destaque dos primeiros quatro meses do ano é a indústria, que abriu 577 vagas (1.832 contratações e 1.255 demissões), ampliando em 5,93% o número de empregados. Em seguida, aparecem o setor de serviços, com saldo positivo de 256 (1.518 contratações e 1.262 demissões); a agropecuária, com 68 novos empregos (213 contratações e 145 demissões); e o comércio, que criou 46 postos de trabalho (915 contratações e 869 demissões) no período.

O resultado só não é mais expressivo devido ao desempenho da construção, que mantém a tendência de oscilação que vem sendo observada desde meados do ano passado, sobretudo em decorrência da conclusão das obras de ampliação da Bracell. O setor acumula saldo negativo de 57 empregos (755 contratações e 812 demissões) no ano, o que indica redução de 2,54% no número de trabalhadores com vínculo formal em relação a dezembro de 2021, de 2.248 para 2.191.

CLIMA DE OTIMISMO

Paulo Ferrari, secretário de Desenvolvimento Econômico de Lençóis Paulista, comemora os bons resultados e projeta números ainda mais positivos para os próximos meses. Para ele, as estatísticas indicam que a economia local tem se mantido aquecida e a tendência é de que o ano se encerre com um cenário bem diferente de 2021.  “Temos diversos projetos previstos para o segundo semestre e isso deve movimentar bastante o mercado e continuar refletindo nas contratações”, avalia.

Na lista de grandes empreendimentos estão as obras das termelétricas do grupos IBS Energy e Zilor Energia e Alimentos, da nova fábrica de papel tissue projetada pela multinacional Bracell, a linha férrea que a empresa vai construir até o Porto Intermodal de Pederneiras, além das obras de pavimentação da Rodovia Osni Mateus (SP-261), que estão prestes a começar. Apesar da demanda prevista, o secretário de Desenvolvimento destaca que é fundamental que as pessoas busquem qualificação.

“É preciso estar pronto para as oportunidades. Estamos oferecendo muitos cursos para isso. Criamos na Secretaria de Desenvolvimento um programa de qualificação com diversos cursos. Os jovens precisam se capacitar, mesmo que já tenham uma profissão, precisam buscar outras qualificações, fazer mais cursos. Todos são gratuitos e disponíveis para toda a população. É importante se preparar para o mercado de trabalho”, finaliza do secretário de Desenvolvimento.

ALTA EM ABRIL

Abril foi o primeiro mês em que todos os setores registram alta. A cidade encerrou o mês com 354 novos empregos (1.448 contratações e 1.094 demissões), o que representa aumento de 1,45% em relação a março. Foi o melhor resultado do ano, com diferença significativa em relação aos demais meses: foram criados 217 empregos em março (1.372 contratações e 1.155 demissões), 221 em fevereiro (1.290 contratações e 1.069 demissões) e 98 em janeiro (1.123 contratações e 1.025 demissões).

O setor de serviços registrou o melhor desempenho de abril, abrindo 160 novas vagas (496 contratações e 336 demissões). O segundo lugar ficou com a construção, que recuperou parte das perdas de meses anteriores, com 81 ocupações criadas (259 contratações e 178 demissões). Em seguida, surgiram a indústria com 64 (388 contratações e 324 demissões); o comércio, com 31 (247 contratações e 216 demissões) e a agropecuária, com 18 postos de trabalho (58 contratações e 40 demissões).


A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade.

Valorize o jornalismo profissional. Fuja das Fake News. Clique aqui e assine O ECO!

destaques