Construção volta a impulsionar déficit de geração de emprego

Com nova baixa em outubro, saldo positivo caiu para 420 vagas em Lençóis Paulista

Outubro foi mais um mês de retração no mercado formal de emprego de Lençóis Paulista. De acordo com informações do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgadas nesta semana pelo Ministério da Economia, a cidade encerrou o mês com saldo negativo de 454 vagas com Carteira de Trabalho registrada, com 1.189 contratações e 1.643 demissões. Apesar disso, o desempenho segue positivo em 2021, com 420 ocupações criadas nos primeiros 10 meses do ano, segundo os dados.

Sem novidades, a construção mais uma vez foi a grande vilã, com saldo negativo de 598 vagas (131 contratações e 729 demissões). Já os demais segmentos tiveram desempenhos positivos. O destaque foi o setor de serviços, que criou 68 empregos (376 contratações e 308 demissões). Em seguida, com 27 postos abertos, ficaram comércio (232 contratações e 205 demissões) e agropecuária (42 contratações e 15 demissões). A indústria registrou 22 novas ocupações (408 contratações e 386 demissões).

Como tem sido dito nos últimos meses, a retração observada na construção já era algo esperado em razão da desmobilização de trabalhadores contratados por empresas terceirizadas para a execução das obras de ampliação da Bracell. Do mesmo modo que o setor impulsionou a geração de emprego desde o início do projeto, há cerca de dois anos, a tendência é de que a baixa permaneça nesta fase de conclusão dos trabalhos na unidade, que já está produzindo, mais ainda tem empreiteiras atuando.

“Os números são reflexo de uma desmobilização natural em função do término das obras para as quais esses trabalhadores foram contratados. Isso sempre ocorre em localidades que recebem empreendimentos como o da Bracell. A estimativa é de que o cenário permaneça pelos próximos meses até que tenhamos uma estabilização em relação ao emprego”, aponta Claudio da Silva Gomes, presidente do Sintracom (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil e Mobiliário).

Ainda de acordo com Gomes, as baixas do setor não podem ser atribuídas exclusivamente ao projeto da multinacional, pois a retração também tem sido observada em outras áreas da própria construção. Mas a projeção é de que haja novos momentos de alta nos próximos meses, com projetos privados, como das termelétricas da Zilor Energia e Alimentos e da IBS Energy, e públicos, do DER (Departamento de Estradas de Rodagem) e CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano).

“O contexto geral tem sido bem atípico na construção, o que impede que se tenha uma visão mais clara do mercado, mas, de modo geral, eu diria que o momento é de estagnação em todo o segmento. No entanto, a expectativa é de que haja uma retomada de contratações a partir de março ou abril, visto que outros projetos estão previstos para começar, tanto na iniciativa privada quanto na parte pública, como as já anunciadas obras da CDHU e também do DER”, analisa o presidente do Sintracom.

AINDA NO AZUL

Apesar do quarto mês consecutivo de déficit de emprego no mercado formal (seria o quinto, mas ajustes feitos pelo Ministério da Economia apontam alta de dois empregos em junho, diferentemente da baixa de duas vagas indicadas anteriormente), Lençóis Paulista se mantém com saldo positivo no acumulado de 2021. De acordo com o Caged, entre janeiro e outubro, o município criou 420 novas ocupações com registro em Carteira de Trabalho (15.194 contratações e 14.774 demissões).

Os dados indicam aumento de 1,79% em relação aos empregos de dezembro de 2020, com o estoque passando de *23.434 para 23.854. O setor que mais empregou foi serviços, com 981 vagas (3.528 contratações e 2.547 demissões), seguido por indústria, com 685 (5.123 contratações e 4.438 demissões) e comércio, com 273 (2.102 contratações e 1.829 demissões). A agropecuária perdeu 20 postos (309 contratações e 329 demissões). Já a construção encerrou 1.499 (4.132 contratações e 5.631 demissões).  

Falhas do Ministério Economia comprometem dados anteriores

O ECO acompanha há vários anos a evolução do nível de emprego formal como forma de levar aos leitores informações confiáveis que demonstram como o mercado de trabalho reage à conjuntura econômica ao longo de cada período. Porém, desde o ano passado, com uma modificação no Caged promovida pelo Ministério da Economia, sucessivos ajustes têm sido feitos após a divulgação dos dados, comprometendo eventuais apontamentos comparativos com base em meses anteriores.

Por conta disso, cabe dois adendos para quem acompanha as atualizações mensais. Em relação ao estoque de 2020, até o balanço de setembro o banco de dados do Caged apontava que a cidade tinha encerrado o ano passado com 23.659 pessoas com vínculo empregatício formal. A partir deste mês, os números oficiais indicam que o estoque era de 23.434 pessoas registradas ao final do ano passado, ou seja, houve um erro de processamento que resultou no aumento de 225 vagas.

Diante disso, o comparativo de evolução feito anteriormente ficou severamente comprometido, pois utilizou como parâmetro dados incorretos publicados por falha do Governo Federal. Como exemplo, se fossem considerados os números tidos como certos até setembro, o saldo positivo atual de Lençóis Paulista seria de apenas 195 vagas e não de 420, além disso o aumento percentual do número de trabalhadores formalmente empregados em relação a 2020 seria de apenas 0,82% e não de 1,79%.

Outro ponto importante é que ajustes têm sido feitos em longos períodos retroativos, também ocasionando divergência em relação às matérias já publicadas. No mês passado, por exemplo, o Caged apontava (já com ajustes) os seguintes saldos nos últimos quatro meses: setembro (-447), agosto (-566), julho (-414) e junho (-4). O balanço atual apresenta os seguintes indicadores: setembro (-434), agosto (-572), julho (-409) e junho (2). A diferença desde janeiro é de 106 vagas para menos.


A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade.

Valorize o jornalismo profissional. Fuja das Fake News. Clique aqui e assine O ECO!

destaques