Bracell embarca primeiro lote de celulose para a China

Navio carregado com 58 mil toneladas vai levar de 55 a 60 dias para chegar ao destino

No último dia 26 de novembro, a Bracell realizou o primeiro embarque da celulose produzida na nova fábrica em Lençóis Paulista em seu terminal localizado no Porto de Santos. Um navio carregado com 58 mil toneladas partiu com destino às cidades de Qingdao e Changshu, ambas na China, em uma viagem que deve ter de 55 a 60 dias de navegação, chegando em solo asiático em 2022.

Com a presença do ministro da Infraestrutura Tarcísio Gomes de Freitas e outras autoridades, a inauguração do terminal consolidou um novo conceito de logística voltado ao melhor aproveitamento do uso das áreas do Porto de Santos. O local deve movimentar 1,6 milhão de toneladas de celulose na fase temporária. “Hoje estamos prestigiando o primeiro embarque de celulose da Bracell. É o Brasil ficando cada vez mais competitivo, ganhando eficiência logística”, disse o ministro. 

Alberto Pagano, gerente de Cadeia de Suprimentos da Bracell, também presente no evento, ressaltou a grandiosidade do projeto. “O terminal tem um galpão com 16 mil m² e a capacidade de armazenagem de 45 mil toneladas. Trata-se do maior galpão lonado do Brasil, com 385 metros de comprimento”, diz o executivo.

Com a conclusão do Projeto Star, a celulose produzida passou a demandar uma complexa operação logística. A carga é transportada em caminhões até o Terminal Intermodal de Pederneiras. Lá são carregadas em vagões que percorrem cerca de 510 km pela ferrovia até chegar aos terminais operados pela Bracell no Porto de Santos.

“As obras do terminal, iniciadas em julho e concluídas em apenas cinco meses, foram realizadas em tempo recorde: apenas um ano após a assinatura do contrato, em novembro de 2020”, destacou Pagano. Sua operação é responsável por movimentar a economia local e regional, gerando mais de 550 empregos diretos e terceirizados em Santos e outras cidades.  


A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade.

Valorize o jornalismo profissional. Fuja das Fake News. Clique aqui e assine O ECO!

destaques