Movimentação no comércio deve ser intensa até sexta

Últimos dias de venda antes do Natal chegam com grande expectativa dos lojistas

Faz parte do famoso “jeitinho brasileiro” deixar as coisas para a última hora, e com as compras de Natal não é diferente. Muitas pessoas deixam para ir em busca dos presentes e afins nos dias que antecedem a data, correndo contra o tempo para encontrar os produtos que querem e precisam. Nessa pressa toda, quem sai ganhando são os lojistas, que, apesar de trabalharem mais neste período, também comemoram o aumento considerável nas vendas.

O proprietário da Lojas Silva Calçados, Joel Fernandes da Silva, conta que a movimentação foi boa durante as últimas semanas, com um fluxo de pessoas dentro do esperado pela loja. Parte disso se deve ao horário estendido do comércio, que está funcionando até às 22h, permitindo que as pessoas que trabalham durante o dia consigam andar pelas lojas com calma durante a noite. A expectativa é de que o fluxo seja intenso às vésperas do Natal.

“Nessa reta final, não tem tempo ruim para os clientes, mesmo nos dias de chuva. Os consumidores podem ficar dentro dos estabelecimentos comprando, aproveitando crediário, cartão”, comenta. “Aqui, nas Lojas Silva, a nossa expectativa é que o movimento ainda aumente até o dia 24, e também do dia 27 ao 31, quando as pessoas procuram produtos para passar o réveillon. Esperamos um aumento de 5% em relação à venda da mesma época no ano passado”, acrescenta.

Isabela Damasceno e Souza, sócia-proprietária da loja de roupas Cúmplice, explica que dezembro é sempre sinônimo de aumento nas vendas em todo o comércio e revela que neste ano não foi diferente. “Não está sendo aquele Natal que tem vendas explosivas, mas perto do que passamos com a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) em dois anos, está sendo um Natal tranquilo e normal”, avalia a comerciante.

Ela afirma que está notando uma procura maior por peças de roupa versáteis, que sirvam tanto para uma festa quanto para uma ida à pizzaria. A loja também vende acessórios, que transformam as roupas e ajudam a compor diversos looks, e os clientes adoram. “Geralmente o brasileiro espera até os últimos dias, então estamos na torcida de que nesses últimos dias tenhamos um ápice de vendas”, ressalta.

A proprietária da Casa da Vó, loja de brinquedos em Lençóis Paulista, Regina Garrido Gabriel, conta que as vendas foram boas durante todo o mês de dezembro, mas considera que a movimentação foi normal. Questionada a respeito da expectativa da loja em relação às vendas nestes últimos dias, ela comenta que não consegue prever qual será a movimentação no estabelecimento.

“Claro, existe a procura por brinquedos. O Papai Noel vem neste ano, mas não sabemos exatamente em que quantidade. É difícil projetar um resultado porque esses últimos dois anos foram um tanto quanto atípicos. Então, é sempre uma surpresa e chega a ser perigoso arriscar. Mas estamos preparados para atender os clientes e esperando para ver o resultado”, finaliza.


A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade.

Valorize o jornalismo profissional. Fuja das Fake News. Clique aqui e assine O ECO!

destaques