Perda de peso rápida e seus riscos

No Brasil, uma a cada cinco pessoas são obesas, o que torna-se mais preocupante agora, já que pessoas obesas estão no grupo de risco do novo coronavírus.

A obesidade reduz as ações anti-inflamatórias do organismo e, consequentemente, compromete a eficiência do sistema imunológico, deixando-o mais vulnerável ao vírus. Sem contar que a obesidade leva ao diabetes, hipotireoidismo e pressão alta, doenças que também estão associadas a esta vulnerabilidade.

Com isso, a busca pela perda de peso, controle dos índices glicêmicos e da pressão arterial aumentou consideravelmente, o que, infelizmente, aumentou também a busca por cirurgias, dietas restritivas, medicamentos e métodos radicais, indo na contramão da situação atual.

O ideal é que, ao corrigir a alimentação, possamos perder vários quilos de gordura, mantendo a massa muscular para então melhorar o metabolismo. Para isso, o correto é que, além dos cuidados com a alimentação, se pratique exercícios físicos.

Quando fazemos uma dieta restrita sem orientação, o corpo sofre com as consequências e a saúde e a imunidade ficam em risco. Outro problema é combinar dietas extremas com o uso de medicamentos. A consequência é o desenvolvimento de mais problemas e mais doenças.

Outra complicação da perda de peso muito rápida é o efeito sanfona. A redução drástica de peso leva o nosso organismo a produzir hormônios que estimulam a fome, fazendo com que a pessoa compense o período de restrição alimentar com uma alimentação maior, até mesmo sem perceber, aumentando o peso rapidamente como consequência. Além do mais, dietas muito radicais raramente são seguidas por muito tempo, pois são muito difíceis de manter.

Problemas emocionais também são consequências de métodos radicais de emagrecimento. As pessoas inseridas neste contexto tendem a entrar em um ciclo vicioso tão prejudicial quanto o estado de obesidade. A obsessão, o medo e a pressa por resultados, muitas vezes influenciadas pelos milagres e ‘dicas’ da mídia, podem causar frustrações, crises de ansiedade e angústia.

Reeducação alimentar deve ser a primeira opção. Mesmo a perda de peso sendo mais lenta do que nas dietas radicais, a mudança de hábitos e a prática de exercícios, geram benefícios no organismo como um todo, evitando o desenvolvimento de doenças, regulando a imunidade e prevenindo alterações como diabetes, hipercolesterolemia e hipertensão. Saúde não deve ser colocada em risco!


Viviane Covre

VIVIANE PINHEIRO COVRE – Formada em Nutrição pela USC (Universidade do Sagrado Coração), Viviane Pinheiro Covre tem experiência de mais de 15 anos na área, atuando em diversos segmentos, desde a parte pediátrica até a de nutrição esportiva. Praticante assídua de atividades físicas, a profissional lençoense aborda em seus artigos tudo o que envolve a saúde e o bem-estar.

SIGA A VIVIANE NAS REDES SOCIAIS: Facebook | Instagram

destaques

Plantão da Polícia Civil será transferido para Bauru

A partir da próxima terça-feira (1), o plantão da Polícia Civil de 18 cidades da região, entre elas, Lençóis Paulista, será transferido...

Comerciantes fazem balanço positivo da Black Friday

A Black Friday, ou Sexta-feira Negra, segue aquecendo o comércio de Lençóis Paulista. A campanha, que inaugura a temporada de compras natalinas...

Vagas criadas até setembro representam 15% do mercado formal de Lençóis Paulista

As restrições impostas pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19) comprometeram drasticamente a economia do país neste ano. Como reflexo, o nível de...

Prefeitura de Lençóis fará nova testagem em massa em dezembro

No mês de agosto, a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) começou a dar sinais de estabilização. A falsa ideia de que isso...

Bracell realiza operação de trânsito para transporte de grandes peças

O Projeto Star, obra de expansão da Bracell, em Lençóis Paulista, deve receber nesta sexta-feira (27) peças de equipamentos para a nova...