Primeiras movimentações do ano no cenário político

ABRINDO OS COFRES

O ano começa com movimentações em todas as esferas da política nacional. No âmbito local, o destaque fica para um anúncio feito pela Prefeitura Municipal de Lençóis Paulista na quinta-feira (6): o pagamento de um bônus de R$ 1 mil a todos os servidores da Prefeitura Municipal e autarquias como SAAE (Serviço Autônomo de Água e Esgotos) e CMFP (Centro Municipal de Formação Profissional).

PARA TODOS

O benefício, que deve ser recebido com festa por cerca de 2,2 mil funcionários, também se estende aos serviços de urgência e emergência administrados pelo Hospital Nossa Senhora da Piedade, como UPA (Unidade de Pronto Atendimento), SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), RI (Resgate Integrado), Pronto Atendimento do Núcleo Habitacional Luiz Zillo e PAC-19 (Pronto Atendimento Covid-19).

ABONO

Outra novidade é a extensão do rateio de recursos remanescentes do Fundeb (Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica) a todos os profissionais da educação, não só aos professores. A mudança foi possível por conta de uma alteração na legislação federal feita na semana passada. Os novos beneficiados vão receber até R$ 2 mil. Para os professores, o valor está sendo calculado, mas será bem superior.

EXTRAORDINÁRIA

Em razão das bonificações, que a Prefeitura Municipal pretende pagar até o final deste mês, o prefeito Anderson Prado de Lima (DEM) se reuniu com vereadores na quinta-feira para solicitar a realização de uma sessão extraordinária visando a aprovação dos projetos. Por conta disso, os parlamentares devem interromper suas férias na segunda-feira (10) para a apreciação das pautas em regime de urgência.

CORRIDA ELEITORAL

No âmbito estadual, que também se estende ao contexto federal, tem repercutido uma aparente tomada de decisão do ex-governador Geraldo Alckmin (sem partido) em relação ao seu futuro político. De acordo com o PSD, que era um dos partidos que flertavam com o ex-tucano por uma candidatura ao Governo do Estado de São Paulo, ele teria deixado claro estar mais interessado na sucessão presidencial.

SÓ EM FEVEREIRO

Neste caso, o provável destino de Alckmin seria o PSB, visando a composição de uma chapa majoritária como vice ao lado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mas, por enquanto, tudo não passa de especulação. O que se sabe é que o ex-governador ainda tem conversas em andamento com pelo menos outros dois partidos, PV e Solidariedade. A expectativa é de que uma definição ocorra em fevereiro.

LANÇAMENTO

Também em fevereiro, inclusive, o PT pode oficializar, com ou sem a aliança com Alckmin, a pré-candidatura de Lula à presidência. A informação ainda não é oficial, mas algumas fontes ligadas à legenda têm relatado nos bastidores que o anúncio deve ser feito entre os dias 10 de 12, no evento que vai comemorar os 42 anos de fundação do partido, que será realizado em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais.

BASTIDORES

As articulações entre os antigos adversários políticos são um tanto quanto complexas, pois envolvem os interesses de outros personagens que miram o Palácio dos Bandeirantes: Fernando Haddad (PT) e Márcio França (PSB). Se migrar para o PSB com o intuito de ser vice de Lula, Alckmin já deixa o caminho aberto para França, mas Haddad teria que desistir de sua candidatura, o que tem sido um entrave.

DE VOLTA À ATIVA

Já em relação à política nacional, depois de passar um período de férias se divertindo no litoral de Santa Catarina e ficar dois dias internado em um hospital de São Paulo por conta de uma obstrução intestinal, o presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a Brasília na quarta-feira (5) e não demorou para causar polêmica em relação à vacinação de crianças de cinco a 11 anos de idade contra a Covid-19.

À DERIVA

Na quinta-feira (6), em entrevista a uma TV nordestina, Bolsonaro atacou a vacinação infantil contra a Covid-19, minimizando o número de mortes nessa faixa etária dizendo não conhecer nenhum caso, o que, mais uma vez, demonstra desinformação, já que dados do próprio Ministério da Saúde contabilizam 308 óbitos entre crianças de 5 a 11 anos de idade desde o início da pandemia, há quase dois anos.

TARADAS POR VACINAS

Além disso, o presidente voltou a direcionar críticas à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), questionando os interesses da agência reguladora, maior autoridade do país na área, ao aprovar a aplicação de doses contra a Covid-19 em crianças, como já fizeram órgãos dos Estados Unidos e União Europeia. Para completar, classificou as pessoas que defendem a imunização como “taradas por vacinas”.

SEM NOVIDADE

Como tem feito desde sempre, Bolsonaro continua prestando um enorme desserviço à sociedade brasileira ao se colocar do lado oposto ao da ciência, contrariando dados como os apresentados pela SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria), que atestam contundentemente que nenhuma doença imunoprevenível, ou seja, que pode ser prevenida por meio de vacinas, vitimou tantas crianças quanto a Covid-19.


A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade.

Valorize o jornalismo profissional. Fuja das Fake News. Clique aqui e assine O ECO!

destaques