Legislatura começa quente em Lençóis

POSSE

A última sexta-feira (1) foi marcada pela posse dos prefeitos, vice-prefeitos e vereadores eleitos no pleito do dia 15 de novembro, que, em decorrência da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), assumiram seus cargos em eventos fechados ao público, apenas com a presença de alguns convidados.

MUDANÇA

Em Lençóis Paulista, a cerimônia estava prevista para acontecer de manhã, no Teatro Municipal Adélia Lorenzetti, mas foi transferida para a Câmara Municipal. Além do prefeito Anderson Prado de Lima (DEM) e do vice Manoel dos Santos Silva, o Manezinho (PSL), foram empossados os 12 vereadores.

PROVISÓRIO

Conforme determinação do Regimento Interno da Casa de Leis, a solenidade de posse foi presidida por Nardeli da Silva, vereador mais votado com 1.390 votos, que, por sua vez, designou para secretariar os trabalhos da Mesa provisória Damião Augusto Xavier de Oliveira, o Professor Guto (MDB).

REELEITOS

Além de Nardeli e Guto, reeleitos, também reassumiram suas cadeiras Francisco de Assis Naves, o Chico Naves (MDB), Jucimário Cerqueira dos Santos, o Bibaia (PODE), Leonardo Henrique de Oliveira, o Dudu do Basquete (CIDA), Luiz Gonzaga da Silva, o Luizinho do Açougue (PL) e Mirna Adriana Justo (PSDB).

CARAS NOVAS

Os demais empossados, que não estavam em exercício foram Andreia Bernardo Zaratini Martinelli (PSL), Renato da Silva Góis, o Papa Góis (DEM), Rômulo Paulon Pegolo (PP), Valdivino Miguel Barbosa (PSC) e Irani Gorgonio (PSDB), que retorna como efetiva, depois de ter exercido o cargo como suplente.

CLIMA QUENTE

O destaque do dia foi a eleição da Mesa Diretora, marcada por uma acalorada discussão entre Nardeli e Mirna. O motivo foi a tentativa de impugnação da chapa única apresentada por Nardeli, que tentava se reeleger para a presidência, com Guto como vice, Bibaia e Luizinho como primeiro e segundo secretários.

IMPASSE

Amparando-se na legislação local, Mirna alegou que Nardeli, Bibaia e Luizinho não poderiam ser reconduzidos aos mesmos cargos que ocuparam no biênio anterior. Nardeli se defendeu com base em uma decisão do STF (Superior Tribunal Federal), que abriu brecha para a prática na esfera federal.

SOLUÇÃO

Sem que houvesse um consenso, ambos trocaram muitas farpas até que Bibaia, tentando acalmar os ânimos, sugeriu a formação de uma nova chapa, colocando seu nome à disposição para a presidência, com Nardeli como vice, Guto e Chico Naves como primeiro e segundo secretários, respectivamente.

CONTRASTE

Depois de muita tempestade, a nova composição foi aceita por unanimidade pelos demais edis e Bibaia, foi aclamado presidente. Logo em seguida, foi à tribuna discursar e, em tom conciliador, pregou harmonia no Legislativo, dizendo que não adianta iniciar o ano desejando paz e promover a guerra.

GUERRA DE EGOS

Mas quem acompanha esse universo de perto sabe que, na prática, o jogo político é complexo. Certamente Bibaia terá que aparar incontáveis arestas nos próximos dois anos. Não está no Regimento Interno, mas talento para lidar com egos inflados é requisito para o cargo, principalmente nos bastidores.

BASTIDORES

E por falar em bastidores, talvez algo explique o conflito entre Nardeli e Mirna. Segundo fontes consultadas pela Terceira Coluna, nos dias que antecederam a votação Mirna teria tentado viabilizar uma chapa para disputar a presidência, mas precisaria de mais tempo para tentar obter o apoio necessário.

TEMPO

Como a oposição conta com apenas quatro vereadores, para fazer frente à chapa de Nardeli, ela precisaria convencer pelo menos dois vereadores da situação, além de Dudu, Irani e Rômulo. Para a fonte, com a tentativa de impugnação e adiamento da votação ela estaria tentando ganhar tempo.

ALVOS

Entre os alvos estariam Andreia Zaratini, Valdevino Miguel e Chico Naves. O último, inclusive, teria despertado a ira da vereadora após supostamente ter dado certa abertura para uma aliança e desistido. Mesmo que tudo se resuma a burburinhos de bastidores, a movimentação indica que teremos um mandato tenso.

destaques