Outubro: o mês do educador

O mês de outubro é repleto de datas importantes que compõem o calendário anual. As eleições, com exceção do pleito atual, movimentam o cenário político. O dia das crianças impulsiona o setor comercial. O dia da Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida, é momento de comemoração religiosa.

Não menos importante, é também no décimo mês que o trabalho de professores de todos os níveis é rememorado e saudado. O papel do profissional de Educação, tão singular e complexo – especialmente no momento em que nos encontramos – é de extrema relevância, visto que ensinar e formar para a cidadania é o maior desafio do tempo presente.

Sem esquecer desta data, O ECO, em suas edições da primeira quinzena de outubro, buscou homenagear àqueles que cotidianamente se dedicam a ensinar e aprender a aprender. Em 1985, além de salientar o desenvolvimento da profissão ao longo de diferentes períodos de nossa história, demonstrando o processo de escolarização e ressaltando grandes nomes que se dedicaram à causa no âmbito local, traçou linha temporal da implementação das instituições de ensino no município.

De acordo com dados veiculados em 12 de outubro de 1985, em O ECO, o primeiro grupo escolar de Lençóis Paulista foi instalado em 1914 e denominado Grupo Escolar Lençóis, posteriormente renomeado como Grupo Escolar Esperança de Oliveira. A referência ao professor Antônio Esperança de Oliveira, nascido em Itapetininga, em 13 de junho de 1878, deve-se a seu significativo desempenho na educação municipal. Falecido em 1932, como sargento incorporado ao Batalhão de Voluntários de Professores na Revolução Constitucionalista, Esperança de Oliveira foi importante agente de promoção do ensino, cristalizado na memória coletiva local.

Se no início dos anos 1910, Lençóis ganhava sua primeira escola, na década de 1980, contava com sete grupos escolares no município, além de um no distrito de Alfredo Guedes e outro em Borebi, emancipado em 9 de fevereiro de 1990. Atualmente, a cidade contabiliza quinze creches municipais, seis escolas de Ensino Infantil, cinco de Ensino Infantil e Fundamental e outras nove de Ensino Fundamental. Ademais, possui seis escolas estaduais e nove particulares, além de escolas técnicas, profissionalizantes e faculdades.

Com número expressivo de unidades escolares distribuídas em todo o território do município, são milhares os alunos, professores e demais funcionários que movimentam o cotidiano da cidade. Em um ano letivo atípico, de grandes desafios e constante reinvenção, todos os envolvidos no processo de ensino-aprendizagem merecem, como nunca, o reconhecimento pelo trabalho realizado. Nas palavras de Alexandre Chitto: “Parabéns, professores. Que todos os seus discípulos sejam dignos dos seus mestres. Não podemos deixar de homenagear também as crianças […] Cumpram seus deveres, estudando, cooperando e amando, porque nosso amanhã, depende de vocês”. (O ECO, 1985).

Fontes consultadas:
O ECO: Órgão Semanal, Lençóis Paulista, 12 de outubro de 1985, ano 47, nº 3.918.
Secretaria de Educação de Lençóis Paulista


Eduardo Neves

EDUARDO NEVES – Graduado em História pela Unesp (Universidade Estadual Paulista), mestre em História pela Unicamp (Universidade de Campinas) e doutorando em História Social pela USP (Universidade de São Paulo), Eduardo Neves, recém-chegado a Lençóis Paulista, apresenta nesta coluna suas impressões acerca da história local, tendo como ponto de partida o acervo de O ECO.


SIGA O EDUARDO NAS REDES SOCIAIS: Facebook | Instagram

destaques