Elas por elas

O prefeito Anderson Prado de Lima (DEM) e sua equipe de governo resolveram colocar em prática um projeto muito significativo, com investimento substancial de R$ 6,8 milhões, mas que, no fim das contas, acabará trazendo pouco ou nenhum impacto aos cofres públicos da Prefeitura Municipal. Algo até difícil de se imaginar nos dias de hoje, mas muito simples de compreender, principalmente com uma calculadora na mão.

A substituição da iluminação pública de toda a cidade por lâmpadas com tecnologia LED, que ainda depende de aprovação da Câmara Municipal e o avanço de outras questões um tanto quanto burocráticas, deve resultar em uma substancial economia que, a curto prazo, será suficiente para cobrir os custos do próprio financiamento bancário necessário para a viabilização do referido projeto.

Apesar disso, não há dúvida que muitos ainda dirão que tal iniciativa não deveria ser tratada como uma prioridade, que seria melhor se a atual administração olhasse com atenção para outras demandas, etc. e tal. De fato, há muito para se fazer em uma cidade com 70 mil habitantes, mas tudo deve ser entendido como necessário por quem detém o poder da ‘canetada’. É preciso cuidar de tudo, e simultaneamente.

Não é preciso nem citar o problema da grave crise hídrica que assola o país de norte a sul para entender a importância da economia de energia elétrica. Tudo que contribua para isso deve ser aplaudido e apoiado. De tão significativo que é, o projeto em questão merece uma crítica: poderia ter levado menos tempo para sair do papel – isso, já contando que haverá aprovação pelo Legislativo.


A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade.

Valorize o jornalismo profissional. Fuja das Fake News. Clique aqui e assine O ECO!

destaques