Rotatória entre Monte Azul e Cachoeirinha sai do papel nos próximos meses

Com investimento estimado em R$ 530 mil, obra pode resolver problema antigo da região; após estudo, trânsito também deve ser alterado

Deu entrada na Câmara Municipal de Lençóis Paulista, na sessão do último dia 23, um projeto de lei de autoria do Executivo, que autoriza a abertura de crédito especial para a construção de uma nova rotatória na Rua Guaianazes, entre o Jardim Monte Azul e a Vila Cachoeirinha. Com investimento estimado em R$ 530 mil, a obra deve ser custeada quase que integralmente com recursos estaduais.

O Projeto de Lei 81/2021, que foi para análise das comissões internas do Legislativo e deve ser apreciado pelos vereadores nas próximas sessões, permite a transferência de um montante de R$ 500 mil ao orçamento da Secretaria de Obras e Infraestrutura mediante convênio firmado entre a Prefeitura Municipal e a Secretaria de Desenvolvimento Regional do Governo do Estado de São Paulo.

A verba, intermediada pelo deputado federal Júnior Bozzella (PSL), foi pleiteada no primeiro semestre pelo vice-prefeito Manoel dos Santos Silva, o Manezinho (PSL), que responde pela Secretaria de Convênios e Captação de Recursos. Segundo ele, a partir da aprovação pela Casa de Leis, a expectativa é de que o repasse seja efetivado em algumas semanas, possibilitando a abertura do processo licitatório.

“A parte burocrática está sendo superada. O projeto foi finalizado e encaminhado com todos os documentos necessários à Secretaria de Desenvolvimento Regional. Já está tudo aprovado, dependendo apenas da abertura do crédito especial para a formalização do convênio. Acredito que, entre o final de setembro e o início de outubro, já será possível licitar a obra”, comenta o vice-prefeito.

Com custo estimado em R$ 530 mil e repasse de R$ 500 mil em recursos estaduais, a previsão de contrapartida do município para a construção da rotatória é de R$ 30 mil. No entanto, o valor total da obra pode ficar abaixo do estipulado, dependendo do desconto proposto pelas empresas participantes da licitação, o que pode diminuir ou até mesmo zerar o aporte da Prefeitura Municipal.

Manezinho lembra que a rotatória é uma demanda antiga da população, que reivindica melhores condições de segurança, visto que o local de implantação do dispositivo, na interseção da Rua Guaianazes com a Rua José Veloso e a Avenida Emílio Pelegrin, é conhecido pelo grande volume de tráfego de veículos e pedestres, principalmente em horários de pico, o que aumenta bastante os riscos de acidente.

“É uma solicitação de muitos anos que, felizmente, conseguiremos atender em breve. Durante a campanha para as eleições do ano passado, essa foi uma das reivindicações feitas com mais frequência pela população, tanto a mim quanto ao prefeito – Anderson Prado de Lima (PSDB). A rotatória vai melhorar muito o trânsito daquela região, proporcionando mais segurança a motoristas e pedestres”, diz.

Após estudo, trânsito será alterado no local

De acordo com um estudo realizado recentemente pela Secretaria de Planejamento e Urbanismo, nos intervalos de maior movimento, entre 7h e 9h e entre 17h e 19h, a média de veículos que circula pelo local chega a 850 por hora, o que, para Emanuel Fidelis Serutti, coordenador de Planejamento e Urbanismo, responsável pelo levantamento, comprova a necessidade da implantação do dispositivo.

“É um local muito utilizado pela ligação da área central da cidade com diversos bairros, como a Vila Cachoeirinha e os jardins Monte Azul, Açaí I e II, Europa e Maria Luiza I. O movimento é intenso nos horários de pico, de manhã, mas, principalmente, à tarde, quando muitas pessoas estão saindo do trabalho e voltando para a casa. A rotatória vai ajudar a ordenar melhor esse tráfego”, comenta.

Ainda segundo Serutti, com base no estudo, também foi definida uma mudança significativa para melhorar o trânsito. Com a implantação da rotatória, o trecho da Rua José Veloso, entre as ruas Guaianases e Aimorés, passa a ter mão única, apenas no sentido Centro/bairro, obrigando quem for para o Centro pela Vila Cachoeirinha ou pelo Jardim Europa a acessar a Rua Guaianazes a partir da segunda quadra.

“O objetivo dessa mudança é dar mais fluidez ao trânsito. Durante o estudo, identificamos tráfego intenso nos dois sentidos da Rua Guaianazes (média de 400 veículos por hora no sentido Centro/bairro e 300 no sentido bairro/Centro), enquanto que na Rua José Veloso o fluxo de veículos foi bem pequeno no sentido bairro/Centro (média de 15 veículos por hora), que deixará de existir”, explica o coordenador.

Obra pode durar entre três e seis meses

Com espaço físico limitado, a Prefeitura Municipal precisará utilizar parte da área verde às margens do Rio da Prata para a implantação da rotatória, uma pequena faixa do lado direito de quem trafega no sentido Centro/Bairro e um espaço maior no lado esquerdo. No total, serão ocupados cerca de 1,2 mil metros quadrados com a devida aprovação da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo).

Evandro Dalben, engenheiro responsável pelo projeto final, explica que o traçado do dispositivo foi projetado para interferir o mínimo possível na área verde, que, posteriormente, será recomposta. Outra preocupação foi garantir a circulação segura de pedestres e ciclistas, visto que a região é bastante utilizada por pessoas que praticam atividades físicas, já que também dá acesso ao Parque do Povo.

Em relação à obra, ele revela que a previsão de conclusão, após o início do trabalho, é até seis meses. “Estando tudo definido, com a licitação realizada, o prazo de entrega é de até 180 dias, mas acredito que a conclusão ocorra antes, pois é uma obra sem muita intervenção. Talvez, o mais complicado seja a realocação de alguns postes de energia pela CPFL (Companhia Paulista de Força e Luz)”, relata.

De acordo com o engenheiro, não deve haver interdição total do trecho durante a maior parte da execução. “A ideia é fazer a intervenção em um dos lados, com toda a parte de terraplanagem, guias, sarjetas e dispositivos para dividir o trânsito; depois alternar. Acredito que apenas na fase da pavimentação será necessário interditar completamente, pois são cerca de 2 mil metros quadrados de asfalto”, conclui.


A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade.

Valorize o jornalismo profissional. Fuja das Fake News. Clique aqui e assine O ECO!

destaques