Região segue na Fase Vermelha

Manutenção das restrições mais rígidas se deve ao alto índice de ocupação hospitalar

Depois de duas semanas com regras mais rígidas em relação ao funcionamento do comércio, desde que o Governo do Estado rebaixou a região da DRS (Diretoria Regional de Saúde) de Bauru para a Fase Vermelha do Plano São Paulo, havia a expectativa de que a reclassificação dessa sexta-feira (5) levasse as cidades para a Fase Laranja, mais branda. Mas este não foi o entendimento do Comitê de Contingência criado pelo governador João Doria (PSDB).

Em coletiva de imprensa realizada no Palácio dos Bandeirantes, na capital paulista, Doria anunciou que a região segue no nível mais restritivo do plano de retomada da economia durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Entre os motivos apontados para a manutenção da Fase Vermelha está o alto índice de ocupação hospitalar, de 90,1% dos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), que coloca a DRS com a situação mais crítica do estado no momento.

Na última quarta-feira (3), uma reunião com a participação de diversos prefeitos da região, entre eles Anderson Prado de Lima (DEM), de Lençóis Paulista, discutiu justamente a necessidade de ampliação da oferta de vagas. No encontro, que também contou com o vice-governador Rodrigo Garcia (DEM), o secretário de Desenvolvimento Regional Marco Vinholi, do deputado federal Rodrigo Agostinho (PSB), e os deputados estaduais Fernando Cury (CIDA) e Ricardo Madalena (PL), o Governo de São Paulo se comprometeu a reforçar a rede.

Com investimento de mais de R$ 20 milhões de reais, o Estado anunciou que irá custear a implantação de mais 112 leitos de UTI e 90 leitos de enfermaria para o enfrentamento à pandemia, arcando com os custos de manutenção pelo período de três meses. Com a medida, a região deve passar a contar, nas próximas semanas, com 277 leitos de UTI, o que pode contribuir para a melhora nos índices e, consequentemente, progressão para uma fase menos restritiva.

Enquanto isso não ocorre, o prefeito Anderson Prado, que já promoveu algumas flexibilizações em relação às regras de funcionamento da Fase Vermelha, permitindo, por exemplo, o atendimento nos formatos delivery (24 horas) e drive-thru (até as 22h), sem acesso interno de clientes aos estabelecimentos e consumo no local, estuda outras medidas para fomentar a economia, visto que, pelo menos pelos próximos 15 dias, não deve ser feita reclassificação para uma fase mais permissiva.

“A região de Bauru, da qual Lençóis Paulista faz parte, foi mantida na Fase Vermelha do Plano São Paulo, em grande parte, por conta da ocupação dos leitos de nossa região. Lençóis Paulista está com uma condição hospitalar sob controle e, diante disso, tenho conversado nesta semana com comerciantes, com o Comitê de Enfrentamento e seguiremos com essas conversas neste final de semana para buscar uma solicitação”, revela o prefeito.

Além da região de Bauru, foi mantida na Fase Vermelha do Plano São Paulo a região de Franca. A região de Araraquara, que estava na Fase Laranja, regrediu. As regiões de Barretos, Marília, Ribeirão Preto e Taubaté, que estavam na Fase Vermelha, avançaram para a Fase Laranja. Já as regiões de Araçatuba, Baixada Santista, Campinas, Grande São Paulo, Presidente Prudente e Registro, que estavam na Fase Laranja, avançaram para a Fase Amarela.

Em reunião, comerciantes cobram reabertura
ENCONTRO – Prefeito Anderson Prado de Lima se reuniu com comerciantes na manhã dessa sexta-feira (5) (Foto: Divulgação)

Na manhã dessa sexta-feira (5), antes da coletiva de imprensa em que o governador João Doria anunciou a manutenção da região na Fase Vermelha, o prefeito Anderson Prado de Lima se reuniu com um grupo de comerciantes na Sala de Sessões Mário Trecenti, da Câmara Municipal de Lençóis Paulista. Durante o encontro, foram discutidas justamente as possibilidades viáveis para a reabertura do comércio nos próximos dias.

Após a reunião, José Antonio Silva, o Neno, presidente da Acilpa (Associação Comercial e Industrial de Lençóis Paulista), se manifestou por meio de nota dizendo que a reunião foi muito produtiva e trouxe resultados positivos aos lojistas. De acordo com ele, o assunto seguirá em pauta durante o final de semana. A classe quer autorização para voltar atender os clientes dentro dos estabelecimentos, mas tudo depende do aval do Comitê de Enfrentamento.

Para Neno, apesar do momento crítico na região, a realidade local é outra. “Desde o começo da pandemia, eu sempre disse que a saúde é a prioridade. E o comércio de Lençóis entendeu e respeitou isso. Graças ao empenho de todos, os índices de ocupação de leitos em nossa cidade estão baixos e é momento de pensarmos e planejarmos, com muita responsabilidade, a reabertura do comércio. Também é preciso preservar os empregos na cidade”, finaliza.

destaques