Prefeitura licita construção de rotatória no dia 23

Dispositivo entre Monte Azul e Cachoeirinha visa aumentar a segurança e dar fluidez ao trânsito

A Prefeitura Municipal de Lençóis Paulista abriu mais uma importante licitação na última terça-feira (7), dessa vez, visando a contratação da empresa responsável pela construção de uma nova rotatória no cruzamento das ruas Guaianazes e José Veloso, entre o Jardim Monte Azul e a Vila Cachoeirinha. A obra está orçada em pouco mais de R$ 526 mil, mas deve ter o valor reduzido no certame. A abertura dos envelopes está marcada para o próximo dia 23, às 8h.

Reivindicada por moradores da região há vários anos, a implantação do dispositivo visa aumentar a segurança e dar mais fluidez ao trânsito no local, que, de acordo com estudo realizado pela Secretaria de Planejamento e Urbanismo, chega a receber uma média de 850 veículos por hora nos períodos de pico, das 7h às 9h e das 17h às 19h, que coincidem com os horários em que as pessoas estão se deslocando ao trabalho ou retornando para suas casas.

A implantação da rotatória foi viabilizada por meio de convênio firmado no primeiro semestre com a Secretaria de Desenvolvimento Regional do Governo do Estado de São Paulo. Para o custeio das obras, o município recebeu uma verba de R$ 500 mil, intermediada pelo deputado federal Júnior Bozzella (PSL), por solicitação do vice-prefeito Manoel dos Santos Silva, o Manezinho (PSL), que também está à frente da Secretaria de Convênios e Captação de Recursos.

O vice-prefeito explica que, caso o valor contratado ultrapasse o teto do convênio, a Prefeitura Municipal entrará com a contrapartida necessária para a execução do projeto, mas avalia que a tendência é de que o custo fique abaixo do orçado. “Temos que esperar a licitação, mas, a julgar pelo que vem ocorrendo nos últimos processos, esperamos que a proposta vencedora esteja dentro dos R$ 500 mil transferidos pelo Governo do Estado”, comenta.

Segundo o secretário de Obras e Infraestrutura Emanuel Fidelis Serutti, a expectativa é de que a homologação do processo ocorra no início de janeiro, possibilitando que as obras comecem dentro do mesmo mês. Na primeira etapa, o trabalho deve se concentrar em uma faixa de cerca de 1,2 mil metros quadrados de área verde às margens do Rio da Prata, que será utilizada com a devida aprovação da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo).

O edital prevê prazo de 135 dias para a execução após a assinatura do contrato, mas o trabalho deve ser concluído antes, já que não requer nenhuma intervenção considerada complexa, apenas serviços como terraplanagem, drenagem, pavimentação, iluminação e sinalização. “O início das obras deve coincidir com um período de maior incidência de chuvas, o que pode resultar em algum tipo de atraso, mas nada que comprometa o cronograma”, relata Serutti.

Mesmo com várias alternativas de desvio para quem segue tanto no sentido Centro/bairro quanto no sentido bairro/Centro, não deve haver interdição total do local durante a maior parte do trabalho. “A ideia é causar o mínimo de transtorno possível aos usuários. Faremos tudo por etapas, deixando pelo menos parte da via liberada para o tráfego. Precisaremos fechar para a pavimentação, mas é um trabalho que não deve levar mais do que três dias”, completa. 


A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade.

Valorize o jornalismo profissional. Fuja das Fake News. Clique aqui e assine O ECO!

destaques