Fase Emergencial tem impacto significativo no comércio

Lojistas relatam grande queda no número de vendas presenciais

A Fase Emergencial, que restringe ainda mais as regras impostas pela Fase Vermelha do Plano São Paulo, como forma de tentar conter o avanço da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), está sendo sentida significativamente pelos comerciantes de Lençóis Paulista. As medidas, que passaram a vigorar a partir do último sábado (13), permitem apenas o atendimento do comércio nos formatos delivery e drive-thru, o que, para os lojistas, dificulta a efetivação das vendas.

“Isso afetou negativamente as vendas porque, sem que os clientes possam entrar na loja, o desejo de comprar diminui. Então estamos tendo uma queda”, explica Rosana Santos, gerente da loja de roupas Hot Wear, que afirma que o estabelecimento está buscando alternativas para continuar a atender a população e investindo nas mídias sociais e no atendimento no formato delivery. Segundo a gerente, os clientes estão procurando mais produtos pelo WhatsApp e Instagram, o que tem ajudado a loja a se manter durante a pandemia.

Esse também é o caso da Baiuca. Sara Palma Andreoli, proprietária do estabelecimento, conta que o serviço de compras on-line da loja foi aperfeiçoado para dar conta da demanda, que aumentou durante a quarentena. “Nós já tínhamos o serviço de entrega na cidade, mas aumentamos o número de entregadores. Muitos também preferem comprar on-line e estamos avançando no mercado digital: melhoramos a qualidade e, hoje, temos quatro números atendendo pelo WhatsApp”, pontua a proprietária.

Sara ressalta que as vendas digitais, infelizmente, não são o suficiente para suprir a enorme queda das vendas presenciais. Nos primeiros meses do ano, época em que a Baiuca costuma ter o seu pico de vendas, foram comercializados apenas 50% do que era previsto. A proprietária diz que 2021 já está se mostrando pior do que 2020. “É terrível, mas temos que ter paciência e seguir com as vendas. O impossível não existe para quem é lojista; temos que nos reinventar. Não estamos impossibilitados, precisamos achar lacunas, outras formas e maneiras de não deixar o cliente se esquecer de nós. Temos que mostrar que estamos presentes e que podemos atendê-lo”, completa.

20 locais já foram multados desde fevereiro

As barreiras sanitárias contra a Covid-19, como o uso de máscara dentro de estabelecimentos e aglomerações, são fiscalizadas pela Vigilância Sanitária Municipal. Ela intervém apenas em aglomerações dentro de estabelecimentos ou causadas por estabelecimentos. De acordo com Paulo Henrique Campanholi, encarregado da Vigilância Sanitária, a maioria dos comerciantes do município está seguindo as medidas impostas pelos decretos estaduais e municipais. Mesmo assim, os fiscais já aplicaram 20 multas desde o dia 26 de fevereiro.

A fiscalização, no momento, é realizada durante toda a semana, de domingo a domingo, durante o horário comercial e com rondas noturnas. Novas medidas estão sendo tomadas para evitar a movimentação das pessoas nas ruas. “O Ministério Público, Polícias Civil e Militar, além das Vigilâncias Epidemiológica e Sanitária e os membros do Comitê de Combate à Covid-19 decidiram que menores de idade flagrados nas ruas após às 20h serão identificados e os responsáveis serão penalizados por descumprimento dos deveres inerentes ao poder familiar, como previsto pelo artigo 249 do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente). A multa prevista é de três salários mínimos – R$ 3.300,00”, finaliza.

Novas medidas estão valendo desde ontem

A Prefeitura Municipal de Lençóis Paulista segue tentando conter o avanço do novo coronavírus (Covid-19). Em pronunciamento realizado na quarta-feira (17), o prefeito Anderson Prado de Lima (DEM) anunciou novas medidas que entraram em vigor a partir das 20h dessa sexta-feira (19) e valem para os próximos finais de semana, com o objetivo de conter o tráfego de pessoas e impedir aglomerações.

Com orientação do Comitê de Combate à Covid-19, presidido pelo médico e ex-secretário de Saúde, Norberto Pompermayer, a Prefeitura tomou a decisão de fechar todos os estabelecimentos comerciais e de serviços durante os finais de semana, com exceção de padarias, farmácias, postos de gasolina, mercados e serviços de saúde humana e animal. Devido a um grande número de denúncias, o Comitê também ordenou o fechamento de bares entre os dias 19 e 30 de março.

Estabelecimentos do setor alimentício podem funcionar no sistema delivery por 24h, mas o drive-thru e a retirada no balcão estão proibidos. As lojas devem ficar com portas fechadas e só é permitida a entrega de mercadoria nas casas durante os finais de semana. De segunda a sexta-feira, o comércio poderá atender os clientes no sistema drive-thru e delivery, com entrega na porta do estabelecimento, mas apenas uma pessoa por vez. As autoridades continuarão fiscalizando possíveis aglomerações e descumprimentos das regras.

destaques