Clubes de serviço de Lençóis empossam diretorias

Novos presidentes assumem Lions Clube, Rotary Club Lençóis Paulista e Rotary Club Cidade do Livro

Tradicionalmente, os meses de junho e julho são uma época de mudança para os clubes de serviço da cidade, que empossam suas novas diretorias. Neste ano, como nos anteriores, o Lions Clube, o Rotary Club Lençóis Paulista e o Rotary Club Cidade do Livro já definiram seus novos presidentes.

André Minetto, que assumiu a presidência do Lions Clube no dia 23 de junho de 2021, é o único que continua por mais um ano, sendo reconduzido para seu segundo mandato pelos companheiros de clube. 

No próximo sábado (18), é a vez de Fernando Capucho Germano, que assume a diretoria do Rotary Club de Lençóis Paulista pela primeira vez, entrando no lugar de Alexandre Gilioli Ivo. Apesar de estar tomando posse pela primeira vez, ele já participa do clube desde 2018 e já auxiliou em diversas comissões. Neste ano, inclusive, atuou como secretário, auxiliando o presidente e adquirindo conhecimento.

Fernando afirma que seus planos para a presidência são dar continuidade e finalizar os vários projetos que já estão em andamento no Rotary, como as doações de sangue, projetos de ação social e eventos. Ele também planeja realizar novos projetos. “Nosso objetivo, em conjunto com os companheiros rotarianos, é fomentar a sociedade para que possamos ajudar as entidades de nossa cidade”, comenta.

Já no Rotary Cidade do Livro, quem toma posse da presidência é uma mulher: Adriana Lini. Assumindo o mandato no dia 1 de julho, ela entra no lugar de Alex Pereira de Godoy. Sendo uma das sócia-fundadoras, ela participa do clube desde que ele foi criado em Lençóis Paulista, em junho de 2016.  

Ela afirma que tem muitas ideias de projetos para ajudar o município e os lençoenses e, para isso, é necessário arrecadar dinheiro e procurar parceiros, utilizando as conexões do Rotary para conseguir auxílio. Adriana também explica que, nesse ano em que estará à frente da diretoria, pretende focar no empoderamento de meninas e mulheres.

“Eu tenho a intenção de realizar palestras, com profissionais, nas escolas para crianças de até 12 anos sobre assuntos como abuso, assédio, pedofilia, não para tratar uma pessoa que já passou por isso, mas para prevenir. Eu quero fazer projetos para que as crianças saibam que aquilo que está acontecendo e incomodando é errado, e ensinar quem elas têm que procurar”, finaliza.


A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade.

Valorize o jornalismo profissional. Fuja das Fake News. Clique aqui e assine O ECO!

destaques