Ao grande e velho amigo Abobrinha

E lá se foram mais de 30 anos de amizade. Como o tempo passa! O que falar desse amigo/irmão de coração que a vida me deu? O José Cláudio Laurindo, ou o Abobrinha, como a maioria conheceu, eu tive o prazer de conhecer no Jornal O ECO, minha segunda casa, na época em que a gestão ainda era do Ideval Paccola (em memória).

De meados de 1999 até 2008, quando ainda circulava paralelamente Folha Popular, trabalhamos juntos, um sempre ajudando o outro com os conhecimentos e experiências que adquirimos na vida profissional e pessoal.

Mas a amizade foi além do ambiente profissional, o Abobrinha se tornou meu melhor amigo e grande parceiro de pescaria. Nos momentos de lazer, a pescaria era o que ele mais gostava de fazer, apreciava a natureza e os encontros alegres com os amigos.

Prestativo, o Abobrinha estava sempre pronto para acolher um conhecido, ajudar um amigo, cuidar da família. Todas as vezes que eu precisei dele, ele estava lá, não media esforços para me dar o suporte necessário que eu precisasse no momento.

Hoje, eu só posso agradecer por todos esses momentos, pelos anos de amizade dedicados. Grande ser humano, profissional, filho, pai, irmão, amigo, pessoas assim permanecerão em nossas vidas, vivas em nossas memórias.

Considero que sou uma pessoa de sorte por ter lhe conhecido. Mas a vida nos prega surpresas. É o risco que a gente corre, de chorar um pouco, quando se faz bons amigos.

Para nós, que aqui estamos, o que fica no coração é a saudade da conversa longa e da boa pescaria ao lado do grande e velho amigo Abobrinha.


WANDERLEY PLACIDELI – Gerente administrativo de O Eco


A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade.

Valorize o jornalismo profissional. Fuja das Fake News. Clique aqui e assine O ECO!

destaques