Lençóis terá de recuar na retomada da economia
Com piora nos índices, Região Administrativa de Bauru foi rebaixada para a Fase 2 do Plano São Paulo
Lençóis terá de recuar na retomada da economia
RECUO - Rebaixamento da Região Administrativa de Bauru para Fase 2 do plano São Paulo foi anunciado na quarta-feira (10) (Foto: Divulgação)
A Prefeitura Municipal de Lençóis Paulista, pautada na decisão do Governo do Estado de São Paulo de recuar a Região Administrativa de Bauru para a Fase 2 (Laranja) do Plano São Paulo, que regride as flexibilizações adotadas no início do mês, deve publicar até na segunda-feira (15) um novo Decreto Municipal para regulamentar o funcionamento das atividades não essenciais diante da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). A expectativa é de que a cidade cumpra as normas ditadas pelo estado.
Na quarta-feira (10), em coletiva de imprensa realizada no Palácio dos Bandeirantes, na capital paulista, o governador João Doria (PSDB) anunciou a reclassificação das regiões do estado e também a extensão da quarentena para o dia 28 deste mês. Com o quinto prolongamento anunciado desde o início da medida, no dia 24 de março, o estado completará pelo menos 96 dias de isolamento, caso não ocorra um novo adiamento.
“Será uma retomada consciente da economia por fases e por regiões conforme prevê o Plano São Paulo, com cuidado, com segurança e dentro dos limites determinados pela ciência e pela medicina e dessa orientação nós não nos afastaremos”, disse Doria. “A mesma disposição e firmeza que temos para avançar com o Plano São Paulo teremos também para recuar, teremos para orientar medidas restritivas na quarentena”, argumentou o governador.
Cidades do Pacto Regional farão reivindicações
De acordo com o Plano São Paulo, as prefeituras têm autonomia para flexibilizar setores estabelecidos. Com isso, municípios que estiverem nas fases 2 (Laranja), 3 (Amarela) e 4 (Verde) podem flexibilizar determinados setores anunciados anteriormente. Uma reunião por teleconferência entre os prefeitos que compõem o Pacto Regional pela Covid-19, agendada para ontem (12), definiria um pacote de reivindicações dos municípios da região ao Governo Estadual.
O documento seria encaminhado por meio do secretário-executivo do Desenvolvimento Regional, Rubens Cury, e também do secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi. A expectativa é que ainda neste final de semana ocorra um posicionamento do governador João Doria para que os prefeitos possam anunciar as medidas aos seus respectivos munícipes, que aguardam para saber de que forma deverão proceder a partir da próxima semana.
Durante coletiva de imprensa realizada na quinta-feira (11), o prefeito Anderson Prado de Lima (DEM), expôs o que foi decidido pelo governador João Dória. “O que faremos na segunda-feira? Estamos buscando a resposta”, disse o prefeito, ao anunciar que nova coletiva deverá ser convocada entre hoje e amanhã, assim que houver um posicionamento do governador. O prefeito destacou que Lençóis Paulista é uma das poucas cidades do país a testar pessoas em grande escala e divulgar claramente os números.
O presidente da Câmara, Nardeli da Silva (DEM), que também participou da coletiva, lembrou que o trabalho é constante em busca de soluções para a saúde, economia e outros setores da municipalidade. “Faz 90 dias que nós estamos aqui e eu sempre disse que tudo muda de uma hora para outra”, pontuou o vereador, que disse que ninguém sabe o que pode acontecer amanhã e pediu a união dos políticos lençoenses na luta contra a pandemia.
Entenda o porquê do recuo
A retomada gradativa segue uma série de restrições que podem ser enrijecidas ou abrandadas conforme enquadramento dos municípios em um dos cinco cenários previstos: Fases 1 (Vermelha) - somente atividades essenciais; Fase 2 (Laranja) - abertura com restrições; Fase 3 (Amarela) - ampliação das atividades; Fase 4 (Verde) - diminuição das restrições; e Fase 5 (Azul) - funcionamento total.
Após uma semana e meia de flexibilização das atividades econômicas em cidades do estado de São Paulo, o governador João Doria informou em coletiva de imprensa realizada na quarta-feira (10) que regiões do interior do estado terão que recuar a retomada da economia, o chamado Plano São Paulo.
Entre estas regiões está a de Bauru, a qual pertentem Lençóis Paulista, Macatuba e Borebi, que estava na Fase 3 e, a partir de agora, terá que recuar para a Fase 2. Areiópolis, que pertence à Região Administrativa de Sorocaba, já estava na Fase 2, na qual permanecerá.
Segundo a secretária de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen, o interior de São Paulo apresentou um aumento grande na disseminação dos casos de Covid-19, embora a taxa de ocupação dos leitos hospitalares ainda esteja sob controle. Durante a coletiva, ela destacou que a região metropolitana e o litoral registraram uma desaceleração no avanço do vírus, o que não ocorreu no interior.
As normas do estado autorizam prefeitos de cidades a conduzir e fiscalizar a flexibilização de setores segundo as características dos cenários locais. Os pré-requisitos para a retomada são adesão aos protocolos estaduais de testagem e apresentação de fundamentação científica para liberação das atividades autorizadas no Plano São Paulo. As regiões são avaliadas periodicamente de acordo com alguns critérios.
Os indicadores considerados pelo Governo do Estado para a classificação são o número de leitos UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para tratamento de Covid-19 por 100 mil habitantes; índice de ocupação de leitos; taxas de acréscimo ou decréscimo de casos, internações e mortes pela doença na comparação com a semana anterior, além do índice de isolamento social.
Com a constatação do cumprimento dos critérios as regiões podem avançar para uma fase de maior relaxamento a cada 14 dias ou voltar para uma fase mais restrita a cada sete dias (ou imediatamente, caso haja evidência da piora da situação). O objetivo da classificação é assegurar atendimento de saúde à população e garantir que a disseminação do coronavírus em níveis seguros para modular as ações de isolamento.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2020 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia