publicidade
Cidade registra mais um caso de maus-tratos a animais domésticos
Cães foram resgatados após denúncia de vizinhos no Jardim do Caju; caso gerou grande repercussão nas redes sociais
Cidade registra mais um caso de maus-tratos a animais domésticos
RESGATE - Cães doentes e em situação de maus-tratos foram resgatados pela Coordenadoria de Proteção Animal; polícia investiga o caso (Foto:Divulgação)
Quatro animais foram resgatados após uma denúncia de suspeita de maus-tratos no Jardim do Caju, em Lençóis Paulista. O registro foi feito por vizinhos do imóvel que denunciaram o local onde havia cinco animais em situação de risco. Um deles já estava morto e os outros foram levados ao Centro Veterinário Ana Gabriela Toniolo, onde passaram por cuidados veterinários, e, posteriormente, encaminhados ao Canil Municipal Natália Placca Ticianelli.
Segundo informações obtidas pela reportagem do Jornal O ECO junto a uma das vizinhas, Jaqueline Pereira Lima, várias denúncias foram feitas por moradores próximos da residência, duas, inclusive, por ela. “Eu levo comida para alimentar os animais e em dezembro do ano passado percebi a situação de abandono em que os cães se encontravam. Entrei em contato primeiramente com a Prefeitura, e na última quarta-feira (29) na Associação Protetora Amigos dos Animais do município, quando fui colocar ração e vi que tinha um cão já morto”, relatou a moradora.
Nesta semana, um vídeo e imagens que circularam nas redes sociais comoveram a população mostrando a cena triste de uma cadela morta deitada em uma lona no quintal da residência, no Jardim do Caju.
Na manhã dessa sexta-feira (31), a reportagem do Jornal O ECO entrou em contato com a Coordenadoria de Proteção Animal, órgão ligado à Secretaria de Saúde de Lençóis Paulista, que se posicionou sobre o caso.
“No dia 16 de janeiro, fomos procurados pela proprietária do imóvel sobre os animais que estavam na residência abandonados. A partir desse dia foi dado um prazo para retirada dos animais, que eram mais de 20, entre cães e gatos, porém, só uma parte foi retirada e, então, dentro da lei, agimos para retirada dos restantes dos cães que se encontravam ainda no local”, explicou Milena Mileski, coordenadora de proteção animal da Prefeitura Municipal.
Ainda segundo ela, na manhã da terça-feira (28), os quatro cães que estavam na residência, sendo um macho e três fêmeas e todos castrados, foram retirados do local por uma equipe da Coordenadoria de Proteção Animal. Inicialmente, os cães foram levados ao Centro Veterinário Ana Gabriela Toniolo, no Jardim Ubirama, onde passaram por cuidados veterinários para posteriormente serem encaminhados ao Canil Municipal Natália Placca Ticianelli. Os cães estão doentes e passam por tratamento de recuperação com uma alimentação reforçada e outros cuidados necessários.
Em nota divulgada nas redes sociais, a Prefeitura Municipal comentou que o morador foi notificado junto com a inquilina, que seria a responsável pelos animais. Por se tratar de uma suspeita de crime, ainda segundo a Prefeitura, a Polícia Civil foi notificada sobre a ocorrência e um inquérito foi instaurado para investigar o caso. Caso for comprovado crime de maus-tratos, a pena é de um a quatro anos de prisão. O telefone da Coordenadoria de Proteção Animal para denúncias é o (14) 3264-8795.
Confira na íntegra o comunicado da Prefeitura 
“Hoje (28 de janeiro), nas redes sociais de Lençóis Paulista, circulou um vídeo onde era relatado um caso assustador de abandono e maus-tratos a animais. Informamos que, infelizmente, a Coordenaria de Proteção Animal, órgão ligado à Secretaria de Saúde de Lençóis Paulista, não possuía autonomia para arrombamento ou invasão da residência, visto que se trata de imóvel particular. Por isso, foi necessário um procedimento dentro do que prevê e possibilita a lei.
Desta forma, diante das reclamações apresentadas pelos vizinhos, a Coordenadoria notificou, na forma da lei, tanto a proprietária do imóvel (duas vezes), como também a inquilina, que seria a tutora dos animais e responsável legal dos mesmos (três vezes), desde o dia 16 de janeiro de 2020, quando o caso foi relatado à Coordenadoria.
A Prefeitura Municipal informa ainda que, por se tratar de suspeita de crime e por ter seguido todos os trâmites legais, acionou tanto a Polícia Militar quanto a Polícia Civil para que fosse instaurado um inquérito e para que fossem apuradas as condutas das pessoas envolvidas. A Coordenadoria, em momento nenhum, negou atendimento ou mesmo alimentação aos animais, porém, por se tratar de um imóvel particular, o órgão não poderia entrar no local e recolher os animais sem a devida autorização judicial. Nessa quinta-feira (28), a Polícia Militar auxiliou na abertura do imóvel, de onde foram retirados cinco animais, quatro com vida, que foram encaminhados ao canil municipal para receber cuidados veterinários.
A Coordenaria de Proteção Animal informa que é papel do Poder Público cuidar de animais doentes que estão nas ruas e que colocam a saúde ou a segurança da população em risco. Contudo, animais de estimação ficam sob responsabilidade de seus proprietários, incumbidos de zelar pela guarda e alimentação dos pets.”
Homem acusado de zoofilia é multado em R$ 9 mil
A reportagem do Jornal O ECO noticiou em novembro do ano passado outro caso de maus-tratos, que chamou a atenção de moradores do Jardim do Caju. Segundo um registo da Polícia Militar, um homem de 60 anos estaria praticando zoofilia por meio de carícias e relações sexuais com três cães, duas fêmeas e um macho, pertencentes a duas moradoras vizinhas do acusado. Uma das moradoras, inclusive, possuía uma filmagem onde o autor acariciava os animais na frente de sua residência.
A PM entrou em contato com a Coordenadoria de Proteção Animal e com um veterinário que passou as orientações as proprietárias dos animais e pediu para que levassem para avaliação no Centro Veterinário, já que uma das cadelas apresentava sangramento e estava prenha.
Na época, as partes foram conduzidas à Delegacia da Polícia, onde foi elaborado um Boletim de Ocorrência com base na Lei de crime ambiental conforme o Artigo 32 (praticar atos de abusos a animais). O caso também foi encaminhado para Polícia Ambiental, para providências legais e, nesta semana, o homem, que não teve a identidade divulgada, foi autuado e multado no valor de R$ 9 mil. 
“Quero destacar que fazemos o possível para trabalhar e cuidar dos animais de nossa cidade. Mas, nós não temos o poder da polícia de, por exemplo, entrar em uma residência e retirar animais que até então são domésticos e criados por alguém. Agimos sempre dentro da lei, respeitando a legislação. Neste caso registrado em novembro, passaram-se três meses, mas o autor do crime foi autuado por molestar animais e multado”, acrescentou Milena Mileski.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2020 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia