Lençóis amplia oferta de vagas no ensino integral
Selecionada pelo Governo do Estado, escola Leonina Alves Coneglian atende Fundamental II e Médio
Lençóis amplia oferta de vagas no ensino integral
O DIA TODO - Escola Prof.ª Leonina Alves Coneglian deve ter cerca de 400 alunos matriculados no ensino integral neste ano(Foto:Flávia Placideli/O ECO)
Lençóis Paulista passa a contar, a partir deste ano, com mais uma escola de período integral. A Escola Estadual Prof.ª Leonina Alves Coneglian, no Jardim Cruzeiro, é uma das 247 unidades educacionais incluídas pela Secretaria de Educação do Governo do Estado de São Paulo no plano de expansão do PEI (Programa de Ensino Integral). O novo modelo contempla tanto o Ensino Médio quanto o Ensino Fundamental II, que vai do 6º ao 9º ano.
Como ocorreu na Escola Estadual Prof.ª Vera Braga Franco Giacomini (Cecap), em 2018, a mudança visa o cumprimento da Meta 6 do PNE (Plano Nacional de Educação), que pretende implantar o ensino integral em 50% das escolas públicas do país até 2024, atendendo pelo menos 25% dos alunos. Com a expansão, São Paulo eleva de 417 para 664 o número de escolas com esta modalidade de ensino, com investimento de R$ 321 milhões, segundo a assessoria de imprensa do Governo do Estado.
Outras duas escolas da área de cobertura do Jornal O ECO também passam a integrar o PEI neste ano: João Batista Ribeiro, em Agudos, e Comendador João Chammas, em Pederneiras. De acordo com Gina Sanchez, dirigente regional de Ensino de Bauru, cada unidade foi submetida à análise dos critérios técnicos estabelecidos pelo programa. O último passo foi a aprovação da mudança pelos respectivos conselhos escolares, compostos por professores, funcionários, alunos e pais de alunos.
“Para a inclusão no PEI, não basta que as escolas tenham condições estruturais para a acomodação dos alunos. Existe o cuidado de garantir que haja, na mesma região, outra opção para quem optar por não aderir ao ensino integral. A mudança ainda precisa passar pelo crivo dos conselhos escolares. Tivemos uma aprovação muito grande da comunidade. Isso é reflexo do bom trabalho que vem sendo realizado, no caso de Lençóis Paulista, na escola Vera Braga”, pontua.
ENSINO FUNDAMENTAL
A maior novidade do plano de expansão anunciado pelo Governo do Estado é a ampliação do número de escolas com período integral no Ensino Fundamental II. Em Lençóis Paulista, além da escola Leonina Alves Coneglian, a citada escola Vera Braga Franco Giacomini, que adotou o novo modelo em 2018, apenas no Ensino Médio, também passa a oferecer o integral do 6º ao 9º ano. A medida atende reivindicações de dezenas de pais insatisfeitos com a transferência dos filhos para escolas mais distantes.
“É bom saber que meu filho vai estudar mais perto de casa. Quanto ao ensino integral, acredito que a mudança vai ser positiva para a formação dele, pois contempla mais atividades”, relata Maria Cristina Silva, moradora do Jardim Itapuã. “Quando teve a alteração eu fiquei bastante apreensivo por ter que matricular minha filha em outra escola. Vou trabalhar até mais tranquilo sabendo que ela não vai precisar mais sair do bairro”, diz José Lopes, morador da Cecap.
PERÍODO NOTURNO
Outra medida que vai ao encontro de reivindicações da comunidade é a manutenção de turmas do Ensino Médio no período noturno, para atender estudantes que trabalham durante o dia. A escola Leonina Alves Coneglian deve contar com turmas do 2º e do 3º ano. Na escola Vera Braga Franco Giacomini não houve abertura devido à proximidade da Escola Estadual Prof.ª Antonieta Grassi Malatrasi, na Vila Mamedina, que já oferece a opção.
VAGAS
A contabilização das matrículas na rede estadual de ensino deve ser finalizada apenas na próxima semana, mas informações preliminares fornecidas à reportagem do Jornal O ECO pelas escolas revelam que o ensino integral vai atender aproximadamente 800 alunos nas duas escolas contempladas em Lençóis Paulista, sendo cerca de 500 no Ensino Médio e por volta de 300 no Ensino Fundamental II. As aulas têm início às 7h e terminam às 16h30.
Grades do Fundamental II e Médio ganham três novas disciplinas
As matrizes curriculares dos ensinos Fundamental II e Médio regulares também apresentam novidades. Inspirado no modelo do ensino integral, o Governo do Estado de São Paulo criou o programa Inova Educação, que inclui três novas disciplinas nas grades de todas as escolas estaduais: Projeto de Vida, que aborda questões como planejamento e organização pessoal; Tecnologia, que contempla áreas como mídias digitais, robótica e programação; e Aulas Eletivas, que abrangem temas como empreendedorismo, educação financeira e economia criativa.
Segundo Gina Sanchez, o objetivo é que as atividades sejam mais alinhadas às vocações, desejos e realidades dos estudantes, abordando questões essenciais para promover o desenvolvimento intelectual, emocional, social e cultural de cada um. “A partir da experiência de sucesso do ensino integral, surgiu a ideia de universalizar essa oferta, que, sem dúvida, vai contribuir para melhorar a qualidade da educação. Os professores que se candidataram para trabalhar com essas novas disciplinas já passaram por formação e terão atribuição dessas aulas em suas jornadas”, explica.
A inclusão das três disciplinas na grade curricular implica, obviamente, no aumento do tempo que os alunos passam na escola. Até o ano passado, as turmas da rede estadual assistiam a seis aulas de 50 minutos de duração por dia; agora serão sete aulas de 45 minutos. Os 15 minutos diários a mais resultarão no aumento de 50 horas de aula por ano. O programa Inova Educação contempla semanalmente duas aulas de Projeto de Vida, uma aula de Tecnologia e duas aulas Eletivas, cuja escolha fica a critérios dos próprios alunos.
Para dirigente, ensino em período integral é evolução
Com grade diferenciada e professores atuando em regime de dedicação exclusiva, o PEI é focado no projeto de vida dos alunos, pois, além das disciplinas que integram a Base Nacional Comum Curricular, conta com atividades complementares voltadas ao mercado de trabalho e à preparação para a vida acadêmica; aulas eletivas em diversas áreas; atividades que estimulam a elaboração de projetos voltados à comunidade; clubes juvenis no quais os alunos se autoorganizam de acordo com temas de interesse (dança, música, xadrez, etc.); entre outras coisas.
Para Gina Sanchez, o modelo é a evolução do sistema de ensino e tem comprovado isso através dos números. “Entendo que as pessoas tenham algumas reservas e dúvidas, pois é uma proposta nova. No entanto, depois que os bons resultados começam a aparecer a resistência naturalmente acaba. Eu acredito que para tudo é necessário um período de adaptação, mas o andamento é definitivo. Temos o programa na região desde 2013 e, desde então, os melhores índices educacionais estão nas escolas de ensino integral”, afirma a dirigente regional de Ensino.
Outro ponto fundamental do programa é o fortalecimento de vínculos entre alunos e professores, que tem trazido inúmeros benefícios. “Para mim, o aspecto mais importante é a humanização. Convivendo mais com os alunos, conhecendo melhor suas dúvidas e problemas, sabendo do que eles mais gostam e o que eles anseiam para o futuro temos a oportunidade de contribuir mais como aprendizado. Nesses dois anos, percebemos mudanças bem significativas em cada um deles”, comenta João Paulo Ramos, professor de história da escola Vera Braga Franco Giacomini.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2020 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia