publicidade
Frigol é eleita melhor do segmento no país pelo segundo ano seguido
Empresa lençoense foi destaque no setor de produção de carne bovina em ranking da revista Exame
Frigol é eleita melhor do segmento no país pelo segundo ano seguido
TRABALHO SÉRIO - Luciano Pascon comenta sobre bom momento da empresa lençoense (Foto: Divulgação)
A Frigol foi eleita, pelo segundo ano consecutivo, como a melhor empresa do país no segmento de carne bovina. O significativo reconhecimento foi obtido no ranking Melhores & Maiores 2019, considerado o mais importante prêmio setorial do Brasil, que valoriza o desempenho das empresas das mais diferentes áreas de atuação. Para chegar ao topo da lista, o grupo lençoense deixou mais uma vez para traz algumas gigantes do segmento, como JBS, Marfrig e Minerva Foods.
Em acentuado processo de desenvolvimento há pelo menos três anos, a Frigol se tornou a quarta maior produtora de carne bovina do Brasil em 2017, após a incorporação de um frigorífico na cidade de Cachoeira Alta, em Goiás, que elevou o número de abates para mais de 50 mil cabeças por mês. No ranking Melhores & Maiores 2019, que é feito anualmente pela conceituada revista Exame, do Grupo Abril, a empresa ainda melhorou sua colocação em relação a 2018 em outras duas listagens.
Na classificação geral das 1000 melhores e maiores empresas do país, a Frigol aparece na 451ª posição, o que representa um salto de 37 degraus em relação ao ano passado, quando ocupou a 488ª colocação. Já na classificação que considera apenas as empresas do agronegócio, que é um dos setores mais importantes para a economia nacional, o grupo lençoense surge na 106ª posição, melhorando em oito colocações o desempenho obtido em 2018, quando foi inserida na 114ª posição do ranking.
Para Luciano Pascon, presidente executivo do Grupo Frigol, o reconhecimento é resultado de um intenso trabalho que vem sendo feito nos muitos anos. “É um trabalho que agora vemos externado com sucesso, mas que vem sendo construído a muito tempo. Começou lá atrás com vários pontos que reorganizamos, desde processos internos até a melhoria de portfólio de produtos e abertura de novos mercados. São coisas que foram evoluindo que fazem que a empresa hoje colha os resultados. O segundo ano de conquista mostra ainda mais a consolidação desses avanços”, pontua Pascon.
Abertura de mercado chinês deve refletir em aumento de exportação
O presidente da Frigol também comenta sobre a perspectiva de crescimento para os próximos anos, principalmente diante da abertura do mercado chinês para outra unidade do grupo, localizada na cidade de Água Azul do Norte, no Pará. O frigorífico é um dos 25 que está na lista de unidades habilitadas para a exportação de carne bovina para a China, que foi divulgada na última segunda-feira (9) pelo Ministério da Agricultura.
“Atualmente, a China é o maior e também o melhor mercado para a carne bovina brasileira. O chinês é o maior consumidor de carne do mundo em volume nominal, entretanto, per capta ele ainda é um consumidor iniciante. Nós consumimos no Brasil, em média, 31 quilos de carne por ano, enquanto que a China consome apenas de três a quatro quilos. É um mercado com muita perspectiva de crescimento de demanda”, avalia o executivo.
Com a nova abertura do mercado chinês, tanto a planta de Lençóis Paulista, que já era habilitada, quanto a planta de Água Azul do Norte, devem aumentar consideravelmente a produção para atender a demanda, já que a expectativa é que o volume de exportação, que hoje é de cerca de 2 mil toneladas por mês alcance 4,5 mil toneladas mensais. As exportações, que em 2018 representaram 32% do volume de produção da Frigol, devem chegar a 55% no ano que vem.
Empresa investe em melhorias e na contratação de funcionários
Para atender a demanda e acompanhar o bom momento do mercado, Pascon revela que a Frigol tem investido sistematicamente em todas as suas unidades. De acordo com o presidente, apenas a planta de Lençóis Paulista recebeu investimento de R$ 5 milhões neste ano para melhorar a capacidade de resfriamento, aumentar as câmaras de congelamento e otimizar o trabalho em outros setores. Outra boa notícia é que a empresa está contratando 100 novos funcionários para estender o turno de produção e, com a medida, vai ultrapassar a casa dos 1050 colaboradores na cidade.
Com seis plantas em operação, sendo quatro de processamento de carne bovina (Lençóis Paulista/São Paulo, Água Azul do Norte/Pará, São Félix do Xingu/Pará e Cachoeira Alta/Goiás), uma de processamento de carne suína e uma de processamento de farinha e óleo (ambas em Lençóis), a Frigol teve faturamento de R$ 1,6 bilhão em 2018 e deve elevar a marca para R$ 1,9 bilhão neste ano. Caso a perspectiva de mercado se mantenha otimista, a previsão é de que em 2020 a empresa obtenha faturamento de R$ 2,5 bilhões.
Para Pascon, o bom momento não é apenas reflexo das oportunidades de mercado, mas também de visão estratégica. “A cada dia que passa as coisas mudam de forma cada vez mais intensa. A única certeza que temos é que as coisas vão mudar. Por isso, o olhar da companhia é sempre um olhar para frente, tentando se antecipar às novas tendências, oportunidades de mercado e demandas dos consumidores. Isso nos ajuda a sair na frente de alguns concorrentes e conseguir apresentar produtos melhores, ter relacionamento melhor com fornecedores e colaboradores. Isso faz toda a diferença”, finaliza o presidente.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2019 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia