publicidade
Indústria de transformação e construção civil mantêm emprego em alta
Lençóis Paulista fechou com saldo positivo de contratações pelo sexto mês no ano; acumulado chega a 728 vagas
Indústria de transformação e construção civil mantêm emprego em alta
EM ALTA - Indústria de transformação segue contratando e liderando o índice de geração de emprego em Lençóis Paulista (Foto: Divulgação)
O nível de emprego formal registrou mais uma alta no mês de julho e contribuiu para elevar o saldo positivo do ano, em Lençóis Paulista. É o que revelam os dados mais recentes do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgados na última sexta-feira (23) pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia. No mês passado, a cidade fechou com superávit de 85 postos de trabalho, com 570 contratações e 485 demissões. No acumulado apurado desde janeiro, o total é de 728 empregos criados.
O resultado de julho é ligeiramente superior ao mês anterior, que registrou saldo positivo de 56 empregos com Carteira de Trabalho assinada, com 591 contratações e 535 demissões. Considerando o número total de pessoas alocadas no mercado formal, entre os dois meses houve crescimento de 0,48% no nível de emprego, passando de 17,74 mil para 17,82 mil trabalhadores registrados. Na comparação com julho de 2018, quando a cidade fechou com saldo negativo de 39 vagas (463 contratações e 502 demissões) e tinha 17,23 mil pessoas trabalhando formalmente, o aumento é de 3,44%.
De acordo com o Caged, a alta do mês que abre o segundo semestre foi puxada, principalmente, pela indústria de transformação, que encerrou o período abrindo 120 novas vagas (219 contratações e 99 demissões). A construção civil também teve bom desempenho, com saldo positivo de 34 postos de trabalho (77 contratações e 43 demissões). O setor de serviços e a extrativa mineral, que criaram oito (144 contratações e 136 demissões) e dois (três contratações e uma demissão) empregos, respectivamente, também fecharam o mês no azul.
O pior desempenho de julho foi registrado pelas empresas que atuam na agropecuária, que fecharam 50 postos de trabalho (20 contratações e 70 demissões) no período. Na outra ponta do gráfico também aparece o comércio, que vem oscilando no ano e continua em baixa no quesito geração de emprego, com saldo negativo de 29 vagas (107 contratações e 136 demissões) no último mês. Segundo os dados, o setor de serviços industriais de utilidade pública e a administração pública não registraram movimentação no mês passado.
André Paccola Sasso, secretário de Desenvolvimento Econômico da Prefeitura Municipal, destaca que o município tem investido na qualificação de mão de obra, o que tem contribuído para os bons resultados. “Desde o início do ano temos observando essa tendência de crescimento, não apenas pelo advento da ampliação da Bracell, mas por outras empresas que estão se instalando para suprir as demandas do mercado. Estamos investindo em formação para oferecer profissionais capacitados para quem pretende investir em Lençóis Paulista. Isso tem surtido efeito”, pontua.
ACUMULADO
Com a alta apurada em julho, o mercado formal de Lençóis Paulista acumula saldo positivo de 728 empregos em 2019, com 4.994 contratações e 4.266 demissões registradas desde janeiro. Apenas o comércio registra queda até agora, com déficit de 139 vagas (907 contratações e 1.046 demissões). No outro extremo, o destaque novamente fica com a indústria de transformação, com alta de 438 postos de trabalho (1.322 contratações e 884 demissões) no ano. Em seguida aparece o setor de serviços, com saldo positivo de 277 empregos (1.418 contratações e 1.141 demissões).
Até aqui a cidade registra alta em seis dos primeiros sete meses de 2019. Apenas maio, que fechou com saldo negativo de 62 vagas (666 contratações e 728 demissões) teve desempenho ruim. Os melhores resultados são de fevereiro e março, que tiveram superávit de 238 (727 contratações e 489 demissões) e 219 (808 contratações e 589 demissões) vagas, respectivamente. Abril e janeiro, com alta de 141 (990 contratações e 849 demissões) e 81 ocupações (602 contratações e 521 demissões), fecham a lista.
Macatuba é a única cidade da região com déficit no ano
Areiópolis é o município da área de cobertura do Jornal O ECO com melhor desempenho em 2019, com nenhum mês registrando saldo negativo. No ano, a cidade tem alta de 243 empregos, com 416 contratações e 173 demissões. Em julho, foram criados 30 postos de trabalho (57 contratações e 27 demissões), com destaque para a agropecuária, que teve saldo positivo de 28 vagas (32 contratações e 4 demissões).
Pederneiras também tem bons resultados no ano, apenas com fevereiro terminando no vermelho. De janeiro a julho a cidade criou 596 novos empregos (3.038 contratações e 2.442 demissões). No mês passado a alta foi de 104 vagas (430 contratações e 326 demissões), impulsionada pela indústria de transformação, que registrou saldo positivo de 96 empregos (179 contratações e 80 demissões).
A pequena Borebi também mantém o nível de emprego em curva crescente, com a abertura de 137 novos empregos (196 contratações e 59 demissões) neste ano, com seis meses de alta - apenas abril fechou com déficit. Em julho o saldo positivo foi de 20 vagas (29 contratações e nove demissões), puxado pela agropecuária, que abriu 21 novas ocupações (25 contratações e quatro demissões).
EM ALERTA
Não tão bem assim está Agudos, que desde o início do ano vem alternando entre meses de bom e mau desempenho. Em julho, a cidade fechou com saldo negativo de 46 empregos (230 contratações e 276 demissões), prejudicada pela indústria de transformação, que perdeu 36 vagas (39 contratações e 75 demissões). No ano o saldo é positivo, mas de apenas oito postos de trabalho (1.819 contratações e 1.811 demissões).
Preocupante mesmo é a situação de Macatuba, que é a única cidade que tem déficit no acumulado de 2019. Até agora foram fechadas 51 vagas do mercado formal (574 contratações e 625 demissões). Em julho houve baixa de 13 postos de trabalho (44 contratações e 57 demissões), com pior desempenho registrado na construção civil, que fechou 13 vagas (uma contratação e 14 demissões).
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2019 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia