publicidade
Baiuca: de Lençóis para o Brasil
Prestes a completar 29 anos, loja vem se destacando nacionalmente pela diversidade de produtos, organização e atendimento
Baiuca: de Lençóis para o Brasil
CORAGEM - “São 29 anos de muito desafio, mas com a mesma dosagem de coragem e desejo de fazer dar certo", diz Sara Palma Andreoli, sócia-proprietária
Empreender no Brasil não é uma tarefa fácil! Todo mundo, empresário ou não, já deve ter ouvido esta frase em algum momento da vida. É a mais pura realidade. Infelizmente, nosso país não é o terreno mais fértil para quem pretende plantar uma semente esperando, obviamente, colher bons frutos no futuro. Entraves burocráticos, altas cargas tributárias, instabilidade da economia e dezenas de outros fatores, muitas vezes, atuam como inibidores para quem planeja colocar em prática algum projeto, ainda que o mesmo tenha grandes chances de sucesso.
Por este motivo, não é exagero dizer que empreender é para os fortes. Pessoas determinadas que não têm medo da luta diária que a decisão de ser dono do próprio negócio exige. Pessoas obstinadas que não se curvam às adversidades, levantam a cabeça e seguem em frente em busca de seus objetivos. Pessoas resilientes que enxergam tudo como aprendizado e que, por isso, são capazes de transformar os obstáculos em degraus para a escalada rumo ao sucesso. Pessoas como a lençoense Sara Palma Andreoli, exemplo de dedicação e motivação.
Sócia-proprietária da Baiuca ao lado do esposo Ederaldo Andreoli, Sara iniciou sua trajetória empresarial em 1990 e, desde então, nunca mais deixou de empreender. Após muito trabalho, o negócio da família, que começou de forma quase que despretensiosa, hoje, prestes a completar 29 anos (no dia 31), é referência não apenas em Lençóis Paulista, mas também a nível nacional, principalmente pela diversidade de produtos, organização e atendimento ao cliente. O reconhecimento é motivo de orgulho, mas traz ainda mais responsabilidade.
“São 29 anos de muito desafio, mas com a mesma dosagem de coragem e desejo de fazer dar certo, antes do acontecer é preciso acreditar. O acontecer é consequência daquilo que se faz e, quando vem o reconhecimento, você percebe que tudo valeu a pena. Algo que me proporciona imenso prazer é ver a gratidão e o carinho dos clientes que acompanham a loja desde o início e de outros que chegaram depois. Isso nos motiva a continuar buscando sempre o melhor”, pontua Sara.
Quem visita o amplo e moderno espaço de 1,6 mil metros quadrados da Baiuca, no Centro comercial de Lençóis Paulista, nem imagina que a história de sucesso começou com um modesto negócio montado na garagem da casa da empresária, na Vila Éden. Empreendedora nata, a lençoense, na época com apenas 19 anos, não pensou duas vezes ao aceitar uma proposta do marido, até então namorado, que sugeriu investir em algo junto.
Papelaria, materiais de escritório, itens para artesanato, artigos para festas, brinquedos, roupas e diversos outros produtos podiam ser encontrados nas prateleiras do local, que ficou conhecido pela variedade e logo cativou a clientela do bairro, que não precisava mais se deslocar sempre ao Centro para encontrar algo que precisava. A mesma essência permanece no DNA da Baiuca até hoje. Com exceção da linha de vestuário, que ganhou uma loja própria (Baiuca Complete-se), o espaço segue disponibilizando as mesmas linhas, hoje com um mix muito mais amplo e diversificado. 
“Naquela época, trabalhar com a variedade de produtos era uma necessidade para atender às demandas dos clientes do bairro. Hoje, procuramos diversificar para abranger um público maior. O período de volta às aulas, obviamente, continua sendo a nossa melhor época, mas trabalhamos de acordo com a sazonalidade, em todas as datas do ano. Se não tem data, criamos alternativas e promoções para manter o fluxo de clientes, a loja é grande, com muitos funcionários e pesadas despesas fixas ”, comenta a empresária.
Em sua história de quase três décadas, a Baiuca já passou por outros endereços antes de se estabelecer no número 600 da Rua Geraldo Pereira de Barros. Da garagem na Vila Éden, onde funcionou por cerca de cinco anos, a loja foi transferida para um espaço maior, no mesmo bairro. Em 2005, devido à necessidade de expandir o negócio, Sara e Ederaldo trouxeram a loja para a Rua Quinze de Novembro. A mudança mais recente ocorreu em 2013, quando foi inaugurada a nova Baiuca, planejada para atender a todas as necessidades do consumidor de Lençóis Paulista e região.
Gerenciando uma equipe composta por quase 40 colaboradores diretos e atuando diariamente nas duas ‘extremidades’ do negócio - relacionamento com o cliente e negociação com os fornecedores - a lençoense relata que a decisão de investir para crescer não foi uma tarefa fácil e veio acompanhada de muita apreensão e medo de errar. No entanto, ela ressalta que o segredo para o sucesso, além de muito trabalho, coragem e determinação, é o tamanho da vontade de realizar um sonho e, claro, muito planejamento para colocar as ideias em prática.
“Sempre deixei o pensamento fluir, viajar, naquilo que ainda não me é possível. Almejar e desejar algo além é a força que nos alimenta. Alimento-me dessa fórmula todos os dias, mas sempre com os pés no chão. Tenho autoconfiança, acredito no meu trabalho, no que sei fazer e, daquilo que eu não sei, corro atrás e não fico na zona de conforto, só assim que as coisas acontecem, sonhando e traçando objetivos seguros e com planejamento.
Um pouco da experiência adquirida ao logo de todo esse tempo à frente da Baiuca, a empresária teve a oportunidade de compartilhar no início deste mês, quando foi convidada para integrar o corpo de palestrantes em um fórum realizado dentro da 33ª Escolar Office Brasil, maior feira do segmento de papelaria do país, realizada entre os dias 4 e 7 em São Paulo, capital. Na ocasião, Sara falou sobre relacionamento e automotivação com foco no atendimento humanizado, que ela considera um dos maiores diferenciais de seu negócio.
“Foi ótimo poder dividir com outras pessoas um pouco da minha experiência de vida. São 29 anos de luta, mas também de muitas conquistas e aprendizado pessoal. Vim de uma família humilde que não tinha nada. Fui órfã de pai aos dois anos, de mãe aos 22, mas tive a felicidade de encontrar uma pessoa que me apoiou em tudo o que idealizava, com quem eu construí não apenas um negócio de sucesso, mas uma família linda, com dois filhos. As coisas foram acontecendo no seu tempo. Hoje, além do reconhecimento profissional, também estou realizada como mulher”, finaliza.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2019 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia