Dor de cabeça e vômito podem ser sinais de alerta para crianças
Sintomas podem indicar um tumor cerebral raro chamado craniofaringioma
Dor de cabeça e vômito podem ser sinais de alerta para crianças
CRANIOFARINGIOMA - Doença pode ocorrer em qualquer idade, mas na infância representa até 13% dos tumores intracranianos (Foto: Divulgação)
É um dia comum, seu filho acorda, faz as mesmas atividades, mas, de repente, sente uma dor de cabeça repentina, e, sem ter náuseas, passa mal com vômito que não tem razão aparente e não cessa. Estes e outros sintomas podem indicar um tumor cerebral chamado craniofaringioma, uma doença grave que é mais comum em crianças do que em adultos.
De acordo com o neurocirurgião Mariano Ebram Fiore, o craniofaringioma é um tumor benigno que acontece no sistema nervoso central e que se desenvolve ao redor ou na sela turca (lugar em que está a hipófise). Ele pode ocorrer em qualquer idade, sendo que, na infância, representam até 13% dos tumores intracranianos. “Os craniofaringiomas não são descobertos até que comprimam estruturas cerebrais importantes, por isso, quando detectados, infelizmente, já estão grandes demais”, alega.
Estima-se que, por se tratar de uma doença incomum, seus números são de até 2,5 casos novos por ano em 1 milhão de habitantes. Em crianças, apresenta-se com cinco novos casos por ano em 1 milhão de habitantes. Porém, a incidência pode variar em porcentagem na geografia mundial, atingindo seus maiores percentuais na China e menores índices na Austrália.
Além da cefaleia e das alterações visuais, que podem atingir 80% das crianças e adultos, outros sinais podem aparecer, como vômitos, alteração de crescimento (em crianças), atraso de puberdade, alteração na pressão arterial, ganho de peso, diabetes insipidus, alterações de humor, alterações do ciclo menstrual, entre outros.
Segundo Fiore, o quanto antes esses sinais forem percebidos, melhores serão as chances de tratamento. “É preciso ficar atento a esses sinais para um diagnóstico antecipado e o correto tratamento para cada caso. A cefaleia, por exemplo, que aparece na maioria dos casos, pode acontecer devido ao aumento da pressão intracraniana e acompanhada por vômitos”, destaca.
TRATAMENTO
Segundo o especialista, os tumores podem ser tratados separadamente ou de forma combinada entre cirurgia, radioterapia e, dependendo do caso, combinando com a quimioterapia. Quando feita a remoção cirúrgica, procura-se preservar as funções da hipófise. “Devemos sempre respeitar a individualidade da doença, ou seja, optamos pela melhor conduta naquele indivíduo”, diz Fiore.
Sobre as técnicas cirúrgicas atuais, pode-se destacar a grande contribuição obtida nas últimas duas décadas, com o desenvolvimento da cirurgia endoscópica da base do crânio, que fortaleceu o armamentário de combate a este tipo de tumor.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2019 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia