publicidade
Compartilhando a arte pelo mundo
Artista plástica Sílvia Jacon Bolen realiza exposição em Bauru
Compartilhando a arte pelo mundo
AS QUATRO ESTAÇÕES - Sílvia Jacon Bolen estará com sua exposição até o dia 9 de agosto em galeria de Bauru (Foto: Arquivo Pessoal)
Com mais de 40 anos de profissão e após participar de uma longa temporada de exposições na Europa, a artista plástica Sílvia Jacon Bolen chegou hoje (29) ao Brasil para preparar sua nova exposição “As Quatro Estações”, que tem início na próxima semana na cidade de Bauru. Neste trabalho, a artista, através de seus quadros, convida o público a buscar dentro de si o que a natureza expressa em seu grande show das estações, equinócios e solstícios.
Nascida em Agudos, Sílvia Jacon Bolen, de 61 anos, viveu toda sua infância em Lençóis Paulista. Ainda jovem, mudou-se para São Paulo, onde se formou em psicologia, ao mesmo tempo em que frequentava a Escola Panamericana de Artes. Em Brasília, teve a oportunidade de aprender a técnica de pintura a óleo, dedicando-se, também, à psicoterapia. Mais tarde mudou-se para Londres, na Inglaterra, onde se estabilizou na área de psicoterapia integrativa. Segundo ela, foram anos valiosos em que teve a oportunidade de visitar os melhores museus e galerias da Europa. Atualmente, a artista e psicóloga, que se dedica às duas áreas, mora em Viena, na Áustria.
“Eu trabalho como psicoterapeuta na terra do Freud, em Viena, desde 1997, quando me mudei. Paralelamente ao meu trabalho com o consultório, sempre trabalhei com artes plásticas. Minhas primeiras exposições foram em Brasília, na década de 1980”, conta Sílvia, que tem sua arte ligada ao movimento impressionista, no qual a luz e o movimento de pinceladas soltas tornam-se o principal elemento da pintura. 
Em “As Quatro Estações”, a artista apresenta ao público uma analogia à questão do permanente mudar, nascer e morrer, brotar, desabrochar, aquecer, esfriar, luzes e sombras que se fazem retratadas em um mundo de cores em permanente estado de mudança. Pela mão da artista, as estações do ano adquirem um sentido existencial.
“Meu trabalho como artista plástica tem uma grande influência do impressionismo e, nessa exposição, em Bauru, essa influência é bastante visível. ‘As Quatro Estações’ apresenta primavera, verão, outono e inverno não somente como aspectos vitais de transição e evolução de nosso planeta, mas como meio de evolução da consciência humana. Olhando para nossos ciclos de vida através do simbolismo de cada estação do ano, vamos nos reconhecer na explosão da nova vida na primavera; na luz, jovialidade e vitalidade do verão; no momento de mudanças e provisões do outono e na reclusão e silêncio do inverno. Tudo isso para depois voltar a renascer em um novo ciclo”, explica.
Filha do Dr. Hermínio Jacon e Maria Isabel Mattos Jacon, Sílvia diz que nunca perdeu o contato com os conterrâneos e se sente feliz em trazer um pouco de seu ‘mundo’ austríaco para o lugar onde tudo começou. Nas palavras do poeta Fernando Pessoa, ela define seu trabalho e sua trajetória até aqui. “Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já têm a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos”, finaliza.
EXPOSIÇÃO
A exposição “As Quatro Estações” tem abertura na próxima sexta-feira (5), a partir das 20h, na Galeria Municipal Angelina W. Messenberg, que fica na Avenida Nações Unidas, 8-9, no Centro de Bauru. A mostra fica aberta ao público até o dia 9 de agosto. Seu trabalho ainda pode ser visitado através de seu website www.silviabolen.net.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2019 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia