publicidade
Maestro Marcelo Maganha recebe medalha da ONU
Lençoense foi condecorado pelo brilhante trabalho desenvolvido ao longo de mais de 30 anos de carreira
Maestro Marcelo Maganha recebe medalha da ONU
COMENDADOR - Marcelo Maganha recebeu a Medalha do Cinquentenário das Forças Internacionais de Paz do Brasil (Foto: Divulgação)
O maestro Marcelo Maganha foi indicado para ser um dos homenageados com a Medalha do Cinquentenário das Forças Internacionais de Paz do Brasil, maior condecoração oferecida pela Organizações das Nações Unidas (ONU) no país.  A cerimônia aconteceu no último dia 29 de maio, em São Paulo. Segundo o ofício da Associação Brasileira das Forças Internacionais da Paz (ABFIP), a medalha entregue pelo Exército Brasileiro destina-se a premiar e reverenciar os nobres atributos daqueles que tenham praticado ações meritórias, enaltecedoras do nome da pátria brasileira e em sinal de reconhecimento aos valores militares, espírito de civismo, preservação da memória e serviços prestados ao seu estado e à pátria.
“Ser indicado para receber a Medalha Cinquentenário das Forças de Paz no Brasil, prêmio de tamanha reverência no país, é uma honra para mim”, declara o maestro Marcelo Maganha, que possui vasta experiência na área da cultura. Formado nos cursos de Trompete Erudito e Regência Orquestral pelo Conservatório Dramático e Musical Dr. Carlos de Campos, em Tatuí, se aperfeiçoou na área através de pós-graduação e mestrado em Regência de Ensino e Método Coletivo, em Chicago, nos Estados Unidos. Atualmente, é coordenador e professor universitário de pós-graduação em Regência, na Universidade Alpha, no Espírito Santo; regente da Orquestra Municipal de Sopros Maestro Agostinho Duarte Martins; além de se dedicar ao cargo de secretário de Cultura de Lençóis Paulista, que ocupa desde 2017.
“Me orgulho desses e muitos outros títulos reunidos nesses mais de 30 anos dedicados à arte musical e à cultura em si. Para isso, foi necessária muita dedicação, muitas viagens. Me apresentei e levei a música a muitas cidades e países da América Latina, países da Europa e Estados Unidos. Permanecer em Lençóis Paulista foi uma escolha para mim; em primeiro lugar, pela minha família, mas também por ser uma cidade abençoada, com uma cultura muito forte ligada à música e por possuir músicos de muito talento”, ressalta o maestro.
É por tamanha experiência que Marcelo Maganha, de 42 anos, foi condecorado com a merecida medalha decorrente da brilhante carreira desenvolvida ao longo de muitos anos de trabalho, pelo comprometimento com a sociedade e pela preservação da memória histórica e culto aos valores cívicos e patrióticos nacionais, projetando através das várias atuações seus valores para o futuro.
Maganha afirma que essa foi a maior honraria já recebida. “Tenho colecionado muitos prêmios ao longo desses 30 anos de carreira. Confesso que essa Medalha, por sua simbologia, foi a maior honraria que podia receber em vida, como reconhecimento de meu trabalho, o qual faço com muito amor e dedicação”, diz.
Para ele, são o amor e a dedicação que tornam um trabalho bem feito. Talvez essa seja a razão pela qual tenha sido indicado ao prêmio, que lhe dá o título de ‘Comendador Marcelo Ricardo Maganha’, pela Associação Brasileira das Forças Internacionais da Paz. “Ser músico ou viver de música em um país como o nosso, que não preserva e não dá importância à cultura e à arte como deveria, é um desafio. Mas essa medalha só confirma que a minha escolha sempre esteve certa. Acredito que, como em toda e qualquer profissão, se não houver dedicação, disciplina e comprometimento, nada se realiza. Ser músico sempre foi um sonho para mim, desde os 12 anos de idade; com o passar do tempo isso se tornou um objetivo. Hoje, passados tantos anos, ele se realiza todos os dias e continuo me apaixonando por essa arte cada vez mais”, finaliza.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2019 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia