publicidade
Construção do ginásio do Jardim América deve ser retomada
Com ajuste do convênio com o Governo Federal, obras paradas há três anos estão em processo
Construção do ginásio do Jardim América deve ser retomada
ABANDONADO - Paralisadas há quase três anos, obras do ginásio do Jardim América devem ser retomadas no segundo semestre (Foto: Elton Laud/O ECO)
A construção do ginásio de esportes da Praça Devanir Moretto, entre o Parque Residencial Rondon e o Jardim América, em Lençóis Paulista, deve ser retomada no próximo semestre. Paralisadas há quase três anos em decorrência de uma série de problemas, as obras estão em processo de licitação para a escolha da empresa responsável pela conclusão. Orçado inicialmente em R$ 1,527 milhão, o ginásio agora deve custar por volta de R$ 2,282 milhões.
O convênio para a construção do ginásio, que deve receber o nome de Edemir Coneglian (Edemirzão), foi firmado com o Ministério do Esporte (hoje Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania) em 2012, por intermédio do vereador Manoel dos Santos Silva, o Manezinho (PSDB), junto ao então ministro Aldo Rebelo (SDD). Pelo documento original, o Governo Federal destinaria R$ 1,4 milhão para a obra, enquanto que a Prefeitura Municipal entraria com a contrapartida de R$ 127 mil.
As obras foram iniciadas em junho de 2014 pela empresa EAR Construções e Instalações, que em setembro do ano seguinte, depois de concluir parte das fundações, rescindiu o contrato alegando falta de repasses. Após um novo processo licitatório, vencido pela empresa JF Engenharia, a construção foi retomada em março de 2016, porém, depois de poucos avanços no cronograma, um novo rompimento de contrato por falta de pagamento ocorreu em fevereiro de 2017.
Com a paralisação das obras pela segunda vez, o convênio firmado por meio do Programa Esporte e Lazer na Cidade ficou suspenso. A retomada só ocorreu neste ano, após um longo e burocrático processo iniciado ainda em 2017. Segundo Ana Paula Balsi Goes, nova secretária de Convênios e Captação de Recursos da Prefeitura Municipal, nos últimos meses diversos ajustes precisaram ser feitos para adequação do projeto.
 “Por conta de tudo o que ocorreu foi necessária uma nova análise. Além do levantamento do que já havia sido executado e do que ainda estava pendente, tivemos que fazer algumas alterações no projeto para cumprir algumas exigências que não existiam quando o convênio foi firmado, em 2012. Tudo isso precisou ser submetido novamente à aprovação, o que demandou certo tempo, porque o projeto foi e voltou algumas vezes. Esse processo estava em tramitação até alguns dias”, pontua.
Com os ajustes no projeto, as obras orçadas inicialmente em R$ 1,527 milhão devem custar cerca de R$ 2,282 milhões. Desse montante, R$ 350 mil corresponde ao que já foi executado e pago; o restante, R$ 1,931 milhão, se divide entre R$ 1,247 milhão de repasse do Governo Federal e R$ 684 mil de contrapartida do município. Segundo José Denílson Nogueira, secretário de Suprimentos e Licitações da Prefeitura Municipal, a licitação para a contratação da empresa para a conclusão das obras deve ser concluída nos próximos dias.
“Estamos com o processo em andamento, no final do prazo para que as empresas interessadas façam a visita técnica e entreguem as propostas. Os envelopes serão abertos na próxima terça-feira (28) e tudo deve ser finalizado até na semana seguinte. Com a licitação concluída, os documentos vão para avaliação da Caixa Econômica Federal e, depois da aprovação, está tudo liberado para a retomada da construção”, explica Nogueira, que revela que o prazo para a conclusão da obra é de 270 dias após a emissão da ordem de serviço.
Para Ana Paula Balsi Goes, com todos os trâmites burocráticos superados, a expectativa é de retomada imediata da construção do ginásio. “O que tinha de mais complicado para resolver já foi resolvido. O único entrave que pode ocasionar um novo problema é o atraso na liberação de recursos por parte do Governo Federal, mas, como a contrapartida da Prefeitura é um valor razoável, vai ser possível dar andamento imediato, porque os recursos já estão reservados e previstos no orçamento vigente”, completa.
O GINÁSIO
De acordo com o projeto, o ginásio Edemirzão terá cerca de 2 mil metros quadrados de área construída em um terreno de 18,4 mil metros quadrados. Além da quadra poliesportiva de dimensões oficiais (40 x 20 metros) e arquibancadas com capacidade para cerca de 500 pessoas (dados não oficiais), o local contará com cozinha, refeitório, vestiários e sanitários. Até o momento, apenas parte da estrutura dos vestiários, fundações e pilares de sustentação foi concluída.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2020 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia