Secretários acionam Ministério para resolver problemas da Saúde
Promotor de Justiça de Bauru recebeu representantes municipais em audiência realizada na segunda-feira (13)
Secretários acionam Ministério para resolver problemas da Saúde
ENCONTRO - Reunião mensal entre secretários municipais de Saúde foi realizada na última quarta-feira (15), em São Paulo (Foto: Divulgação)
Na última segunda-feira (13), uma audiência realizada no Ministério Público de Bauru discutiu a situação da saúde pública nos hospitais do município vizinho, que atende às demandas de toda a região. O encontro reuniu diversos secretários de saúde, que apresentaram o problema ao promotor Enílson Komono, que decidiu instaurar um inquérito civil para apurar os problemas dos hospitais administrados pelo Governo do Estado de São Paulo.
A comitiva contou com a presença do secretário de Saúde de Lençóis Paulista, Ricardo Conti Barbeiro, que lidera um grupo de representantes de 19 cidades. Também compareceram os secretários de Bauru, José Eduardo Fogolin, de Pederneiras, Dr. Pedro Luiz Pereira, e de Arealva, Sandra de Fátima Menegueti. Segundo Barbeiro, o principal problema é a situação do parque tecnológico sucateado, com equipamentos quebrados ou antigos que não suprem a demanda de exames dos pacientes dos municípios.
“Há cerca de dois anos estamos solicitando uma atenção especial do Governo do Estado em relação ao parque tecnológico dos hospitais de Bauru, que oferecem esses exames. Em todas as reuniões mensais que realizamos, esse problema vem sendo pautado por todos os secretários de saúde da região. Alguns equipamentos estão sucateados, como é o caso dos aparelhos de endoscopia e colonoscopia, paralisados desde 2017”, explica Barbeiro.
No dia 21 de março, o secretário de Saúde, acompanhado da vice-prefeita e secretária de Turismo de Lençóis Paulista, Cintia Duarte, já havia participado de uma reunião com o secretário estadual de Saúde, Dr. José Henrique Germann Ferreira. Na ocasião, foram feitas várias solicitações para a manutenção de aparelhos para procedimentos de litotripsia, com demanda reprimida de mais de 450 cirurgias; endoscopia e colonoscopia, paralisados desde 2017; ressonância magnética, com quebras constantes; mamografia e tomografia, trabalhando acima da capacidade suportada.
Além disso, foram cobradas ações relacionadas ao projeto desenvolvido pelo Departamento Regional de Saúde (DRS) para o Hospital Manoel de Abreu; a liberação do recurso para 21 leitos para o Hospital de Base (HB); a abertura do Hospital das Clínicas (HC) e seu perfil de atendimento; oferta de serviços compatível com a demanda dos municípios; reposição dos servidores aposentados e exonerados nos últimos anos e que não foram repostos e a divisão da DRS de Bauru com Botucatu.
Na quarta-feira (15), na sede da Secretaria de Estado de Saúde, em São Paulo, mais uma reunião mensal foi realizada junto ao Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo (COSEMS/SP), órgão responsável por debater políticas de saúde pública em suas áreas de atuação. Além de Barbeiro, estiveram presentes, os secretários de Pederneiras, Dr. Pedro Luiz Pereira, Lucianópolis, Elaine Cristina Toni Xavier, Bauru, José Eduardo Fogolin, presidente do COSEMS/SP.
Lençóis Paulista tem mais de 360 pacientes aguardando exames
Mais de 360 pacientes de Lençóis Paulista aguardam para realizar exames oferecidos pelo Hospital de Base e pelo Hospital Estadual de Bauru. Segundo Ricardo Conti Barbeiro, a grande maioria, 350 pacientes, está na fila da ressonância magnética. O restante espera para fazer cateterismo. Alguns aguardam há mais de seis meses, como o mototaxista Luiz Guilherme dos Santos.
“Em 2016, eu fiz uma cirurgia cardíaca, tenho quatro pontes de safena, desde então, tomo remédios para o coração e para pressão alta. Por conta disso, faço acompanhamento com cardiologista com frequência. Em outubro do ano passado, em uma dessas visitas, o médico descobriu que tenho outra artéria entupida e fez o encaminhamento, mas fui informado pelo hospital que a máquina estava quebrada e não há previsão para ser atendido”, conta Santos.
Quem enfrenta o mesmo problema é o idoso Anízio Izidoro, de 77 anos, que toma remédios para hipertensão e diabetes e espera para fazer cateterismo há quase três meses. “Fui informado pelo hospital que a máquina estava quebrada e não havia previsão de concerto. Agora, com todos esses meses sem realizar um exame, imagina a fila de pacientes que devem estar aguardando”, comenta Izidoro. 
Por conta disso, segundo a Secretaria de Saúde, Lençóis gasta cerca de R$ 45 mil por mês com exames mais simples para evitar que a fila aumente e o estado de saúde de certos pacientes se agrave ainda mais. “Todos esses procedimentos deveriam ser garantidos pelo Estado. Quem perde com isso é a população”, completa Barbeiro.
Pressionado, Governo do Estado garante novos recursos
Com a situação insustentável, o Governo do Estado foi obrigado a agir e, em uma coletiva de imprensa realizada nessa quinta-feira (16) no auditório da Departamento Regional de Saúde (DRS-6) de Bauru, anunciou um pacote de medidas para a região. Além do secretário estadual de Saúde, Dr. José Henrique Germann Ferreira, e de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, estava presente o vice-governador Rodrigo Garcia (DEM), governador em exercício - João Doria (PSDB) está nos EUA.
Entre as medidas está o repasse de R$ 2,5 milhões ao Hospital de Base de Bauru. Com o investimento, serão implantados 16 novos leitos de clínica médica, que ampliarão em 10% a capacidade do hospital. Além disso, também está prevista a aquisição de novo aparelho de hemodinâmica, utilizado em procedimentos como cateterismos e angioplastias.
Também foi anunciada a reforma do Hospital Manoel de Abreu, também em Bauru, que servirá de retaguarda para outras unidades de saúde da região e contará com 79 leitos, com perfil assistencial focado no atendimento a pacientes crônicos e especialidades como Fisioterapia, Psicologia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional, entre outras. A expectativa é de que até o final do ano seja iniciado o processo de licitação para as obras.
Ainda no encontro, o governador em exercício revelou que segue trabalhando na implantação do novo Hospital das Clínicas (HC) de Bauru, que, até final deste ano, deve ter licitado um projeto arquitetônico para adequação de um dos prédios do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais, o Centrinho. A perspectiva é que as obras sejam iniciadas no primeiro trimestre de 2020.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2019 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia