Sindcovelpa completa 30 anos de fundação
Em meio à instabilidade no sindicalismo brasileiro, entidade segue com atuação consolidada em prol da categoria
Sindcovelpa completa 30 anos de fundação
ANIVERSÁRIO - Sindicato completou 30 anos de fundação no dia 11 deste mês (Foto: Divulgação)
Agora é a hora em que os sindicatos vão ter que provar o seu valor”. A frase foi dita pelo presidente do Sindcovelpa (Sindicato dos Condutores de Veículos de Lençóis Paulista), José Pintor, em meados de 2017, quando mudanças na Lei Trabalhista e um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) do Ministério do Trabalho dificultaram o recolhimento das contribuições sindicais - como era garantido pela Constituição Federal. A medida impactou na receita de todos os sindicatos brasileiros, que tiveram que se reinventar para continuar atuando. 
“Aqui nós também sentimos esse golpe. Pessoalmente, achei que foi um desserviço do Ministério do Trabalho para com o trabalhador. Na medida em que se dificulta o funcionamento dos sindicatos, eles perdem força na negociação de melhores condições de trabalho”, avalia. “Mas aqui continuamos trabalhando, como sempre trabalhamos. Nossa base tem quase três mil associados que reconhecem o nosso valor. Além de negociar junto ao patrão, o Sindcovelpa tem uma série de serviços prestados ao trabalhador, como dentista e cabeleireiro. E não estamos diminuindo o atendimento, pelo contrário, estamos ampliando. Temos novos gabinetes dentários prestes a serem entregues ao associado”, destaca. 
Foi assim que no dia 11 de fevereiro o Sindcovelpa completou 30 anos de atuação em prol do trabalhador rodoviário de Lençóis Paulista, Macatuba, Borebi, Areiópolis e Pederneiras. Passado o susto e já se adaptando à nova realidade do sindicalismo brasileiro, José Pintor enxerga um futuro promissor pela frente. “O sindicalismo nunca deixará de existir. Enquanto houver pessoas trabalhando em uma única categoria, elas vão se unir para ter mais força e cobrar melhores condições de trabalho dos seus empregadores”, afirma. “Esses tempos de dificuldade que vem pela frente servirão para dizer quais são os sindicatos que realmente pensam e trabalham pela categoria. E esses sindicatos servirão de referência para os outros. No Brasil, sindicalistas de todas as categorias já passaram por inúmeras dificuldades ao longo dos tempos. Essa é só mais uma”, completa.
Pintor reforça, inclusive, que a atividade sindical já começa a colher os frutos de um trabalho sério. “As próprias pessoas que dificultaram o recebimento das contribuições sindicais, que fizeram todos os sindicatos do Brasil perderem receita, hoje reconhecem o valor do nosso trabalho. Dia após dia, acompanhando a Justiça do Trabalho, vemos decisões que só o trabalhador que for sindicalizado tem direito aos benefícios conquistados pela atividade sindical”, menciona. 
Como parte das comemorações pelos 30 anos de Sindcovelpa, José Pintor vai lançar um livro contando a história da entidade, dos primórdios até os dias de hoje, passando pelas grandes negociações com a agroindústria que impactaram de forma positiva a vida de muita gente. “Temos grandes histórias para contar de todos esses anos, e grandes amigos para homenagear nesse livro”, diz. “Se não existisse o sindicato e um empregador precisasse contratar alguém para operar veículos na lavora, quanto essa pessoa ia ganhar? Um salário mínimo, talvez dois. E hoje temos pisos salariais excelentes, em muitos casos, chegam perto de R$ 3 mil e uma categoria valorizada pela sua importância. Graças à nossa luta, a realidade dos companheiros na nossa área de atuação é bem melhor que a de muitos trabalhadores Brasil afora”, finaliza. 
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2019 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia