Pederneiras obtém licença de operação do aterro sanitário
Cetesb também autorizou previamente aterro de resíduos inertes e da construção civil
Pederneiras obtém licença de operação do aterro sanitário
ATERRO - Local está operando há dois anos e está com 15% de sua capacidade ocupada em uma das duas valas (Foto: Divulgação)
A Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura de Pederneiras obteve a Licença de Operação do Aterro Sanitário Municipal. O documento, solicitado há sete anos, foi liberado no final do ano passado, após o atendimento das exigências técnicas da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), órgão do Governo do Estado de São Paulo responsável pelo controle, fiscalização, monitoramento e licenciamento de atividades geradoras de poluição, com o objetivo de preservar e recuperar a qualidade das águas, do ar e do solo. O aterro municipal já estava sendo utilizado com toda a operação correta e sob licença de instalação e vistoria semanal da própria Cetesb.
 “O processo para obtenção da licença depende de diversos documentos emitidos por órgãos diferentes. Porém, a atual gestão se empenhou bastante para colocar tudo em ordem e esse trabalho resultou no êxito da licença obtida. É um avanço na gestão de resíduos sólidos em Pederneiras”, explica Eliel Pacheco Júnior, secretário adjunto de Meio Ambiente.
O aterro sanitário está operando há dois anos e está com 15% de sua capacidade ocupada em uma das duas valas. O local recebe todo o resíduo doméstico diário gerado pela cidade. “Não precisamos mais nos preocupar com as questões burocrática e documental, porém o trabalho continua. Agora precisamos reduzir a quantidade desses resíduos depositados e vamos precisar da ajuda de toda a população, separando o lixo comum do reciclável”, completa o secretário.
Além da Licença de Operação do Aterro Sanitário Municipal, a Prefeitura conseguiu também a Licença Prévia do Aterro de Resíduos Inertes e da Construção Civil, também emitida pela Agência de Bauru da Cetesb. “A partir de agora deverá ser ampliado o controle dos resíduos recebidos, que passarão por uma triagem antes de serem aterrados definitivamente, sendo imprescindível a participação dos caçambeiros particulares que atuam na cidade, bem como de toda a população que utiliza essas caçambas durante a construção e reforma de imóveis”, destaca Eliel.
Novas instalações também devem ser implantadas no local, como guarita e balança e banheiros para a melhoria das condições de trabalho.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2019 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia