Preços dos produtos de Natal podem variar 118% entre supermercados
Levantamento foi realizado na quinta-feira (20) pela reportagem do Jornal O ECO
Preços dos produtos de Natal podem variar 118% entre supermercados
NO BOLSO - Consumidor que não pesquisar pode pagar mais caro nos itens da ceia de Natal (Foto: Divulgação)
O consumidor lençoense deve ficar atento se não quiser gastar mais do que o previsto neste final de ano. Os preços de alguns dos principais produtos da ceia de Natal podem variar mais de 100% entre os supermercados da cidade. É o que revela a pesquisa realizada na quinta-feira (20) pela reportagem do Jornal O ECO, que cotou o valor de 12 itens bastante procurados nesta época em três supermercados locais.
De acordo com a pesquisa, o maior percentual de variação de preços foi encontrado na uva passa. Um recipiente de 200 gramas (produto a granel embalado pelos próprios estabelecimentos) é vendido entre R$ 4,07 e R$ 8,90, o que representa uma diferença de 118,67%.
No ranking de variação de preços quem ocupa o segundo lugar é o grão que é conhecido por dar sorte e dinheiro no ano que se inicia, a lentilha. O pacote com 500 gramas da marca Yoki varia 93,86% (entre R$ 7,99 e R$ 15,49) de um mercado para o outro. Da marca Duraci, a diferença chega a R$ 84,54% (entre R$ 6,99 e R$ 12,90).
Outros itens que nunca faltam nas ceias natalinas, são a ameixa, a castanha do Pará e o pêssego em calda.  O consumidor pode encontrar o recipiente de 200 gramas da ameixa preta seca entre R$ 4,42 e R$ 7,49 de um estabelecimento para o outro, com variação de 69,45%. Um recipiente com a mesma quantia de castanha do Pará pode ser encontrado entre R$ 11,13 e R$ 17,95, uma variação de 61,3%.
A menor variação registrada foi do pêssego em calda, que oscila entre 6,6% e 12,53%, respectivamente nas marcas Schramm (vendida entre R$ 7,49 e R$ 7,98) e Olé (vendida entre R$ 7,98 e R$ 8,98).
ATENÇÃO ÀS MARCAS
A variação pode ser ainda maior quando comparadas marcas diferentes em um mesmo supermercado. A maior diferença foi registrada no valor do panetone de frutas tradicional, de 500 gramas, que pode chegar a 244,26% entre um produto de uma marca menos conhecida e uma mais popular no mercado, vendidos entre R$ 5,49 e R$ 18,90.
Nos congelados, o quilo do pernil e do peru, bastante requisitados para as ceias, apresentam variação de 81,71% e 14,30%, respectivamente, dependendo da marca. O quilo do pernil é vendido entre R$ 8,75 e R$ 15,90 nos locais visitados. Já o quilo do Peru foi encontrado ente R$ 13,98 e R$ 15,98.
O mesmo se repete no setor das bebidas, onde a garrafa de sidra pode variar até 180,80%, de uma marca para outra. O valor mais em conta encontrado foi da marca Pulmann, vendida a R$ 4,95. O mais alto foi da marca Chuva de Prata, que custa até R$ 13,90.
Uma das orientações do Procon (Programa de Proteção e Defesa do Consumidor) é para que os consumidores, além de realizarem uma cuidadosa pesquisa de preços, estejam atentos às informações contidas nos rótulos, como peso, data de fabricação, prazo de validade e condições de conservação.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2019 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia