Médicos cubanos deixam Lençóis nesta quarta-feira
Segundo Secretaria de Saúde, atendimento nas ESF será mantido por outros profissionais
Médicos cubanos deixam Lençóis nesta quarta-feira
PLANTÃO - Após saída repentina de cubanos, outros médicos serão realocados nas ESF, garante Ricardo Conti (Foto: Elton Laud/O ECO)
Lençóis Paulista já não conta, a partir desta quarta-feira (21), com o atendimento dos médicos cubanos que integravam o Programa Mais Médicos, do Ministério da Saúde. O grupo de três profissionais que atuava na rede de atenção básica de Saúde do município foi convocado nessa terça-feira (20) para se apresentar na embaixada de Cuba, em Brasília, e deve retornar imediatamente ao país. Com o impasse, a Secretaria de Saúde informou a reportagem do Jornal O ECO que adotou medidas em caráter emergencial para não prejudicar o atendimento.
O anúncio da saída de Cuba do Programa Mais Médicos, foi feito na última quarta-feira (14), em comunicado encaminhado pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) ao Governo Federal. O rompimento se deu após o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), revelar que pretende modificar termos do acordo firmado entre os dois governos feito por intermédio da Opas. A notícia pegou o país todo de surpresa e causou bastante apreensão na população, que teme ficar desassistida com a partida dos mais de 8,5 mil profissionais cubanos.
Em Lençóis Paulista, a saída dos três médicos que até ontem prestavam atendimento por meio do programa deve impactar o funcionamento de três importantes unidades de Estratégia de Saúde da Família (ESF) da cidade: ESF Antonio Benedetti, no Jardim Monte Azul; ESF Dra. Irene Alcídia da Costa Andrade, no Jardim das Nações; e ESF Winter Malatrazi, no Conjunto Habitacional Maestro Júlio Ferrari.
À reportagem, o secretário de Saúde, Ricardo Conti Barbeiro, revelou que esperava contar com os profissionais por mais alguns dias e que com a convocação repentina do governo cubano foi necessário adotar algumas medidas em caráter emergencial para afetar o ‘mínimo possível o atendimento e, sobretudo, para priorizar os casos de maior urgência nas três unidades.
Segundo ele, nesse primeiro momento devem ser mantidos os atendimentos de livre demanda ou com agendamentos, que serão feitos por outros médicos remanejados para os locais. Já o atendimento dos pacientes de grupos de risco que fazem acompanhamento por conta de doenças como diabetes e hipertensão será suspenso nos próximos dias, até a reorganização do quadro.
“Nós já estamos trabalhando com estratégias para que as unidades não fiquem desassistidas. Caso seja necessário, nós iremos trabalhar com uma carga horária diferenciada com alguns médicos para garantir o atendimento. Nossa maior preocupação é a assistência à população que não pode, de forma alguma, ser prejudicada por este problema”, completou Barbeiro.
NOVOS MÉDICOS
Em relação ao edital lançado na segunda-feira pelo Ministério da Saúde e publicado na edição de ontem do Diário Oficial da União, o secretário relatou que espera que as três vagas abertas com a saída dos médicos cubanos sejam preenchidas normalmente, já que alguns profissionais locais já haviam manifestado interesse em aderir ao programa.
“Temos aqui mesmo, em Lençóis Paulista, alguns médicos que demonstraram interesse em participar (do programa). Já conversamos com todos e orientamos que eles se cadastrem no sistema do Mais Médicos para fazer a adesão ao programa. Esse é um grande passo, visto que o Ministério da Saúde dá preferência para os médicos que residem na localidade, até por conta de redução de custos”, explica o secretário.
Além das três vagas para Lençóis Paulista, o edital da nova fase do Mais Médicos prevê a contratação de outros 13 profissionais nas cidades da área de cobertura do Jornal O ECO, seis em Agudos, quatro em Pederneiras, dois em Macatuba e um em Areiópolis. O salário oferecido aos profissionais é de R$ 11,8 mil. Para os médicos que se descolam para outras cidades, a moradia e alimentação é custeada pelos municípios.
Governo espera substituir 8,5 mil médicos até o final do mês
Para minimizar os efeitos do impasse criado com a saída de Cuba do Programa Mais Médicos, na tarde da segunda-feira (19), o Ministério da Saúde revelou em coletiva de imprensa realizada na Capital Federal os detalhes do novo edital do programa, que pretende substituir em tempo recorde os 8.517 profissionais cubanos em 2.824 municípios e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI), haja vista que muitos já deixaram o país nos últimos dias e boa parte já foi convocada para retornar a Cuba.
As inscrições começaram a ser realizadas na manhã desta quarta-feira (21) e seguem até o domingo (25) para os médicos brasileiros com registro nos Conselhos Regionais de Medicina (CRM) do país ou com diploma revalidado (Revalida - Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos). Caso haja vagas remanescentes, um novo edital deve ser lançado na próxima terça-feira (27) para médicos brasileiros formados no exterior e estrangeiros. A expectativa é que os novos profissionais iniciem as atividades no dia 3 de dezembro.
 
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2019 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia