A arte da interpretação
Atriz Ana Cecília Moretto conta um pouco sobre a paixão pelo teatro e a vida dedicada aos palcos
A arte da interpretação
AMOR PELO TEATRO - Ana Cecília exerce outras atividades, mas sonha em um dia poder viver apenas da arte (Foto: Arquivo Pessoal)
Neste domingo (19), comemora-se o Dia Mundial do Artista de Teatro, data que homenageia todos aqueles que fazem o espetáculo incorporando outras vidas e levando a essência das emoções humanas ao palco, para os grandes e pequenos públicos, e que encaram isto como uma forma de ser. É deste modo que a lençoense Ana Cecília Moretto Ribeiro, de 27 anos, decidiu viver sua vida. 
O amor pela arte surgiu bem cedo. Com sete anos de idade Ana Cecília já começava a subir nos palcos da Casa da Cultura de Lençóis Paulista, onde diz ter aprendido muitas coisas importantes que carrega consigo até hoje. “Lembro que a primeira vez que senti uma vontade imensa de fazer teatro foi quando assista à peça “A Sopa de Pedras”, com a atriz Leda Fernandes. Me encantei e uma semana depois comecei a fazer as aulas”, lembra a jovem, que depois de dez anos de idas e vindas ficou um breve período afastada dos palcos, mas, quando percebeu a falta que aquilo fazia em sua vida, decidiu voltar com a certeza de que ser artista era o que ela queria.
Mesmo com o sonho de ser atriz, após se formar no ensino médio a jovem começou a cursar a faculdade de Matemática, em Bauru, mas interrompeu os estudos após um ano e meio para fazer o que gostava. “Como dizem por aí, quando o ‘bichinho do teatro te pica’ você já está contaminado e sabe que é isso que você deve seguir. Então, decidi parar com os estudos na área de exatas e fui atrás do meu sonho”, explica. 
Em 2012, Ana Cecília se mudou para São Paulo, onde deu início ao curso profissionalizante na Escola de Atores Wolf Maya. Após sua formação participou do grupo “Teatro do Incêndio”, no qual atuou em várias peças e pode aprender mais sobre a produção de teatro e também sobre a luta para se conseguir patrocínios para projetos na área. Com o grupo chegou a apresentar temporadas em algumas unidades do Sesc (Serviço Social do Comércio), com um projeto do ProAC (Programa de Ação Cultural).
Depois disso entrou para o grupo de teatro “Sátyros”, que apresentava textos autorais. Sua peça mais recente foi a de produção independente chamada “Estroboscópio”. Além do teatro, Ana Cecília participou de gravações e comerciais. Durante este período também esteve ligada ao grupo de teatro infantil “Entre Estrelas”, dando vida a diversos personagens da Disney e encantando muitas crianças e adultos com sua beleza, simpatia e interpretação. 
Sempre muito focada em tudo o que faz, hoje ela que divide o tempo entre o trabalho fixo e o curso recém-iniciado de Direito, mas ainda busca realizar seu sonho de viver apenas da arte, mesmo sabendo das dificuldades e dos desafios da profissão. Nada a desmotiva, pelo contrário, a atriz Ana Cecília continua apaixonada pelos palcos e acredita que o sucesso está na dedicação. 
 “Espero seguir essa carreira por toda a minha vida, espero também que a situação para os artistas no Brasil melhore e que tenhamos mais oportunidades de levar a arte para o mundo. Afinal, a arte transforma pessoas, transforma a sociedade e, muitas vezes, subestimamos seu poder. O ator é um mensageiro capaz de transmitir esse ato inovador e transformador. E eu faço isso com muito orgulho e amor”, finaliza a atriz.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2018 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia