Publicidade
Publicidade
Publicidade
Tempo seco pode agravar as crises alérgicas
Aproximação do inverno requer cuidado redobrado, diz especialista
Tempo seco pode agravar as crises alérgicas
CUIDADOS - Agravamento da alergia está relacionado a diferentes fatores existentes na estação mais fria do ano (Foto: Divulgação)
O inverno chegou, as temperaturas caíram, o ar ficou mais seco, e, com essa junção, os quadros alérgicos pioram. Difícil não coçar o nariz ou espirrar durante este período e segundo a alergologista Yara Mello, o agravamento da alergia está relacionado a diferentes fatores existentes na estação mais fria do ano.
O primeiro fator agravante do inverno é o tempo seco, que apresenta uma quantidade maior de partículas suspensas e, consequentemente, acaba sendo prejudicial ao alérgico. Yara explica que além desta característica, a secura do ar pode ‘sugar’ com mais facilidade a água do organismo, o que potencializa a irritabilidade do trato respiratório.
Outro motivo que não é nada favorável aos alérgicos, são as infecções das vias aéreas. “Nesta época do ano as pessoas costumam deixar os ambientes mais fechados, o que facilita o contagio, tanto das infecções virais quanto as bacterianas é também um gatilho para a crise alérgica”, endossa a especialista.
Apesar das alergias respiratórias possuírem sinais semelhantes aos de uma gripe, a confusão é rapidamente desfeita, como explica a médica. “Os sintomas iniciais podem ser confundidos, já que o espirro e coceira no nariz estão presentes nos dois casos. Porém, com a evolução, é possível diferenciar, pois quem está com gripe apresentará outros sinais, como febre, mal-estar e dor muscular”, completa.
Para sofrer menos com as crises não só durante o inverno, o tratamento é indispensável e, o primeiro passo, é o diagnóstico correto. “A prevenção é iniciada com o diagnóstico correto, que inclui saber qual é o tipo de sensibilidade que a pessoa tem. Após isso, é possível usar duas formas de controle, uma é cuidar do ambiente, principalmente do quarto e outra, associada à primeira, o tratamento de imunoterapia, conhecida como vacina para alergia”, enfatiza a alergologista.
O cuidado com o ambiente, citado por Yara Mello, inclui ações simples que ajudam a contornar o problema, como tirar do local, principalmente do quarto, objetos que acumulem pó, manter colchões e travesseiros encapados com tecidos específicos, a fim de impedir a saída do pó, lavar os casacos e cobertores antes de usar e deixar as roupas arejando no sol.
Cuidados começam na limpeza da casa, diz infectologista
Gripes, resfriados, problemas de pele e até diarreias são, muitas vezes, provocados pelas milhões de bactérias que vivem nos lares brasileiros. Manter uma rotina de limpeza para cada ambiente da casa é fundamental para que essas doenças fiquem bem distantes. Uma prática muito comum é o uso do mesmo pano para a limpeza de todos os cômodos. Esse costume, ao invés de higienizar o espaço, contribui para a transferência de bactérias de um local para o outro.
“As bactérias se espalham pelos ambientes, principalmente pelas mãos. Portanto, lavá-las com frequência é uma maneira de evitar doenças. A cozinha e o banheiro são os ambientes da casa com grande acúmulo de bactérias. Por isso, nessas áreas é imprescindível utilizar panos diferentes. Usar o mesmo pano para limpar vários cômodos tornam as bactérias mais resistentes”, ressalta Artur Timerman, mestre em infectologia pela USP.
A umidade e a sujeira criam um ambiente propício ao desenvolvimento de bactérias. Para ter uma limpeza da casa eficaz é necessário prestar atenção no tipo de pano utilizado, uma vez que eles têm funções diferentes. Assim como há produtos químicos específicos para cada área, também há panos com finalidades diferentes e que podem trazer mais praticidade, agilidade e economia. 
A recomendação é que os panos sejam lavados logo após o uso. Quanto mais tempo com sujeira, mais difícil fica para removê-la. O ideal é deixá-los de molho em uma solução com cloro ou água sanitária. Para a lavagem em máquina é preciso retirar primeiramente a sujeira mais grossa no tanque, e depois colocá-lo no equipamento. Nunca misture com outras peças de roupas. Já para a secagem, o pano não deve ficar exposto ao sol - o tecido pode enrijecer e as fibras se degradarem.  O melhor é secar na sombra.
 
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2018 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia