Publicidade
Publicidade
Publicidade
Produção de ‘táxis voadores’ pode ter a participação da Volato
Técnicos da Embraer, parceira no projeto Uber Elevate, visitaram a empresa para conhecer a fabricação de materiais compostos
Produção de ‘táxis voadores’ pode ter a participação da Volato
VISITA - Técnicos da Embraer vieram conhecer o processo de produção dos materiais compostos utilizados nas aeronaves (Foto: Divulgação)
A Volato é uma das candidatas a integrar um ousado e futurista projeto da Uber para a produção de ‘táxis voadores’. No final do mês passado, uma equipe de técnicos da Embraer, que é umas das parceiras no projeto batizado de Uber Elevate, visitou a sede da empresa de aviação lençoense para conhecer os detalhes do processo de fabricação de materiais compostos (fibra de carbono e similares) utilizados nas estruturas das aeronaves experimentais de pequeno porte.
A tecnologia desenvolvida pela Volato e também por outras pequenas e médias empresas do segmento pode contribuir para viabilizar a produção em larga escala das aeronaves para transporte urbano. A expectativa da Uber é agilizar o desenvolvimento do projeto para possibilitar que a fase de testes dos protótipos das aeronaves seja iniciada já em 2020. A meta da gigante norte-americana é regulamentar e disponibilizar o serviço Uber Air no mercado a partir de 2023.
O primeiro conceito do protótipo do veículo elétrico de decolagem e pouso vertical, conhecido pela sigla em inglês eVTOL (electrical Vertical Take-off and Landing), foi lançado no início do mês de maio pela EmbraerX, uma divisão da empresa brasileira dedicada exclusivamente à área de inovação tecnológica. A apresentação do projeto ocorreu durante a feira Uber Elevate Summit 2018, realizada na cidade de Los Angeles, nos Estados Unidos.
O interesse da Embraer pela Volato está no processo de fabricação de materiais compostos, que por conta das características (alta resistência e baixo peso) devem ser utilizados para a produção da parte estrutural dos eVTOL. Como a comercialização de aeronaves experimentais está restrita no Brasil desde 2014, em decorrência de uma normatização da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), o Uber Elevate pode contribuir para inserção das empresas prejudicadas pela mudança em uma área bastante promissora, como destaca o engenheiro Zizo Sola, um dos diretores da Volato.
“O Uber Elevate é um projeto ousado e inovador que certamente vai inaugurar um novo conceito na aviação. A ideia de disponibilizar este serviço no mercado em um curto espaço de tempo vem acompanhada da necessidade de estabelecer parcerias para o desenvolvimento e para a produção dessas aeronaves. O fato de nossa tecnologia ter despertado o interesse da Embraer, que através da EmbraerX está junto com a Uber neste projeto, nos deixa bastante animados. Isso pode abrir muitas portas”, comenta.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2018 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia