Parceria com CDHU deve viabilizar construção de 200 casas em Lençóis
Convênio assinado na segunda-feira prevê a elaboração dos projetos básicos, registro do loteamento e sondagem do solo
Parceria com CDHU deve viabilizar construção de 200 casas em Lençóis
PÉS NO CHÃO - Prado de Lima destaca que convênio assinado é só o primeiro passo para viabilização da construção das 200 casas (Foto: Elton Laud/O ECO)
A Prefeitura Municipal de Lençóis Paulista formalizou, na tarde da última segunda-feira (11), uma parceria com a Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) para a viabilização da construção de 200 moradias populares na cidade. A informação, que foi antecipada pelo vereador e líder do Governo na Câmara, Ailton Tipó Laurindo (PHS), durante a sessão do Legislativo, realizada na noite do mesmo dia, foi confirmada na manhã de ontem (12) pelo prefeito Anderson Prado de Lima (PSB), que esteve pessoalmente em São Paulo para a assinatura do convênio.
Segundo o prefeito, a parceria prevê a construção das moradias em uma área pertencente ao município, localizada na Zona Sul da cidade, no início da Rodovia Vicinal José Benedito Dalben (LP-040), ao lado da Omi do Brasil. Para o local existia um projeto para a construção de um novo almoxarifado municipal, mas a obra foi vista como inviável pela Administração.
“Havia um projeto da gestão anterior para que o almoxarifado municipal fosse levado para aquela área. Porém, esse projeto, sem atualização monetária, custaria algo em torno de R$ 12 milhões, quantia que a Prefeitura não dispõe para um investimento dessa magnitude. Reestruturamos o almoxarifado, que pode permanecer onde está, e decidimos utilizar aquela área para esta finalidade ao invés de desapropriar outro local, o que teria impacto aos cofres públicos. Será uma área muito bem utilizada para os que mais precisam, que são as pessoas que não possuem casas”, explica o prefeito.
A PARCERIA
O convênio assinado na segunda-feira trata inicialmente da liberação dos recursos para a execução do trabalho de sondagem do solo (necessária para a determinação do projeto de fundação das residências), além da elaboração dos projetos básicos, executivos e de aprovação, bem como o registro do loteamento. Segundo Prado de Lima, esse é apenas o primeiro passo para a viabilização da implantação do conjunto habitacional, que deve ter terrenos de 160 metros quadrados (8 m x 20 m).
“Isso é apenas o começo. A expectativa é que a gente possa, ainda neste ano ou no início do ano que vem, estar com tudo pronto para o início da construção dessas casas, mas é óbvio que estamos em um ano atípico, no qual convênios com órgãos ligados ao Governo podem sofrer atrasos devido ao período eleitoral. Vamos trabalhar para que tudo ocorra bem, inicialmente com a elaboração do projeto”, completa Prado de Lima, que vê o anúncio como um grande avanço.
“É, sem dúvidas, uma grande conquista e vamos cuidar do que for preciso para dar andamento em tudo o mais rápido possível. É importante registrar que sem o apoio do ex-diretor de atendimento habitacional da CDHU, Ernesto Mascellani Neto, do diretor técnico Aguinaldo Lopes Neto e do Secretário da Vila de Alfredo Guedes, Gumercindo Ticianelli Júnior, não estaríamos comemorando isso”, conclui o prefeito.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2018 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia